Champions League

Como serão distribuídas as vagas na fase de grupos na Champions League a partir de 2018

Você já sabe que a Champions League vai mudar a partir de 2018. Os quatro países mais bem colocados no ranking de clubes terão quatro vagas diretas na fase de grupos da Champions League. A Uefa chamou de “evolução”, mas a tendência é enriquecer quem já é rico. Mas como ficam as outras 16 vagas? Esta é uma pergunta que a Uefa só irá responder oficialmente no fim do ano, a ESPN americana já antecipou como deve ficar a nova Champions League.

LEIA MAIS: GUIA DA CHAMPIONS LEAGUE 2016/17

Rota dos campeões e rota da liga mantidas

Um ponto que é importante ressaltar é que a rota dos campeões e a rota da liga, criados por Michel Platini a partir da temporada 2009/10, serão mantidos. Funciona assim: os times campeões dos seus países que não possuem vaga na fase de grupos jogam entre si. São cinco vagas para campeões nacionais, disputados em quatro fases preliminares.

As ligas mais fortes classificam mais de um time para a Champions League, então a chamada rota da liga é composta por clubes classificados à competição sem serem campeões. Os times destas ligas só entram nas duas últimas fases preliminares. Os times das ligas mais fortes entram apenas na última fase preliminar, os playoffs. Estes times enfrentam-se por vagas na fase de grupos. Para entender, vamos mostrar como funciona atualmente.

Nesta temporada, 2016/17, 10 países tiveram seus times começando a disputa da Champions na terceira fase preliminar: Ucrânia, Holanda, Bélgica, Turquia, República Tcheca, Grécia, Romênia, França, Suíça e Rússia. Outros cinco países – os melhores do ranking – colocaram times na fase playoff, a última fase preliminar antes da fase de grupos: Espanha, Alemanha, Inglaterra, Itália e Portugal. Estes times enfrentam-se entre si na disputa de cinco vagas na fase de grupos.

Com a redistribuição das vagas, o número de vagas em disputa nas fases preliminares também irá mudar.

Como serão distribuídas as vagas na fase de grupos

Os quatro primeiros países ficam com quatro vagas diretas na fase de grupos, como já explicamos. O quinto e o sexto país no ranking receberão duas vagas diretas cada para a fase de grupos.

Os quatro países seguintes (do sétimo ao 10º lugar no ranking) recebem uma vaga cada. O campeão da Champions League e o campeão da Liga Europa também ganham vaga direta na fase de grupos, totalizando 26 times. Restam então seis vagas.

Quatro vagas serão disputadas na Rota dos Campeões, esta que reúne apenas os campeões nacionais que não tiverem vaga garantida na fase de grupos. As outras duas vagas serão disputadas na Rota da Liga, entre times das ligas mais bem colocadas que classificam times para a Champions League.

No gráfico abaixo, você vê como ficaria a fase de grupos a partir de 2018, usando como base o ranking atual. Até 2018, o ranking pode mudar. França, Rússia e Portugal estão muito próximos e podem trocar de posição, o que neste caso significará muito – afinal, só dois deles mandarão dois times à fase de grupos e o pior colocado entre os três só terá um.

Número de vagas pode mudar para países médios

A grande questão é saber se os países manterão o mesmo número de vagas que possuem atualmente. Como o novo formato dá uma vaga a mais ao quarto colocado – atualmente são três, passarão a ser quatro -, esta vaga terá que sair de algum lugar, possivelmente um país menos bem colocado no ranking que tenha mais de uma vaga.

LEIA TAMBÉM:
– Histórico da “rota da liga” na Champions aponta hegemonia da Inglaterra e fiasco da Itália

Preliminares ainda são uma incógnita

Outra questão é como serão as fases preliminares. Atualmente, são quatro fases preliminares. A primeira é disputada pelos oito últimos colocados no ranking de países. Quatro times avançam e se juntam a outros 30 campeões dos países que vem em seguida no ranking (16º ao 46º colocado no ranking, tirando Liechtsteinsten, que não tem um campeão nacional).

Os 17 vencedores dos duelos nesta fase avançam para a terceira fase preliminar e se justam a outros três campeões que se classificam direto a esta fase, totalizando 20 times. Os 10 times vencedores avançam à fase de playoff (quarta fase preliminar) e disputam as cinco vagas na fase de grupos como Rota dos Campeões.

A Rota da Liga Começa na terceira fase preliminar, com 10 times. Os cinco vencedores avançam e se juntam a outros cinco times já classificados à fase de playoff. Totalizam 10 times que disputam cinco vagas na fase de grupos.

No total, portanto, são 10 clubes classificados atualmente via fases preliminares, cinco da Rota dos Campeões e cinco da Rota da Liga. Este número de vagas irá cair para seis, como já explicamos, com quatro vagas para Rota dos Campeões e duas na Rota da Liga.

A tendência é que países de menor ranking, que atualmente possuem mais de uma vaga, percam uma delas e classifiquem apenas seus campeões. Os mais ameaçados são os países em 13º, 14º e 15º no ranking (para a Champions League 2016/17, estes países foram Grécia, República Tcheca e Romênia). É bastante possível que vejamos estes países apenas com seus campeões disputando uma vaga via preliminares, mas isso a Uefa só revelará no fim do ano.

Em termos de nomes, veremos uma Champions League muito mais pesada, com a tendência de termos times mais conhecidos e mais ricos na fase de grupos. O funil dos países menores vai diminuir, tornando a missão de times como o Ludogorets, Copenhagen, Légia Varsóvia e Dinamo Zagreb, por exemplo, que estão na atual fase de grupos.

O próximo presidente da Uefa deverá ter trabalhado para lidar com os insatisfeitos e terá que trabalhar bem para distribuir mais o dinheiro em fases preliminares, além de ter que lidar com os leões, os clubes grandes, que seguem pressionando com a ameaça de uma Superliga Europeia, só com clubes de peso das grandes ligas.

LEIA MAIS: Qual o impacto da Rota dos Campeões na Champions?

 

Chamada Trivela FC 640X63

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo