Champions League

Barcelona oficializa acordo de patrocínio com Spotify, que inclui marca na camisa e naming rights do Camp Nou

Barcelona deverá ganhar €64 milhões por temporada, €9 milhões a mais que no acordo atual com a Rakuten

Num momento fundamental para alavancar suas finanças, o Barcelona anunciou um novo acordo comercial que injetará €64 milhões por temporada em seus cofres. Os blaugranas oficializaram seu contrato de patrocínio com o Spotify. A partir da próxima temporada, a empresa sueca estampará sua marca na camisa blaugrana durante pelo menos quatro anos, tanto na equipe masculina quanto na feminina. O patrocínio também estará presente nos uniformes de treinamento. Além disso, o Camp Nou passará a se chamar Spotify Camp Nou a partir de julho.

O atual patrocínio do Barcelona com a Rakuten rende €55 milhões anuais para o clube. Embora os números não sejam oficiais, o jornal El País aponta que esse valor aumentará para €64 milhões com o Spotify. O Mundo Deportivo fala de €65 a €70 milhões. A novidade não alivia totalmente as contas blaugranas, diante do limite salarial negativo em €144 milhões. O Barça registrou perdas de €242 milhões a mais que o previsto para essa temporada. Com isso, mesmo as novas receitas não devem impedir cortes necessários na folha de pagamentos para 2022/23.

A parceria entre Barcelona e Spotify também deverá garantir novas ações comerciais ao clube. A promessa é trazer artistas para ações no Camp Nou. Há um projeto mais amplo do Barça em repensar o Camp Nou e seus arredores como um espaço de entretenimento, em meio às reformas do estádio. “Nos sentimos muito orgulhosos por anunciar uma aliança pioneira com uma entidade de referência no mundo como o Spotify. A união permitirá aproximar o clube e seus fãs com experiências únicas, que combinarão o entretenimento com o futebol e expressarão o caráter único do Barça”, afirmou o presidente do clube, Joan Laporta. Também há a promessa de que a própria camisa traga referências a artistas durante os próximos anos.

A negociação com o Spotify se estendeu durante as últimas semanas, por conta de um contrato complexo que inclui diversas cláusulas. O conselho do clube ratificou os termos assinados. Também será necessária a análise da assembleia de sócios marcada para o início de abril, o que não tende a ser empecilho. As negociações geraram debate interno, com a saída de Ferran Reverter do cargo de diretor geral, por acreditar que poderia encontrar outras fórmulas de gerar mais receitas.

Além do acordo com o Spotify, o Barcelona estuda outros caminhos para alavancar suas finanças. Uma possibilidade é a venda do Barça Studios, que produz o audiovisual do clube, e poderia gerar €350 milhões. Ainda está na mesa o contrato com o fundo CVC, que apoia La Liga, mas foi descartado inicialmente pelos blaugranas, ao lado de Real Madrid e Athletic Bilbao. Significaria uma entrada de €270 milhões no primeiro momento.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo