Europa

Árbitro sueco fecha página no Facebook para conversar com a torcida, mas fica o bom exemplo

Diante do silêncio quase absoluto que os árbitros brasileiros reservam aos torcedores, uma iniciativa como a do árbitro sueco Mohammed Al-Hakim parece muito estranha. O apitador europeu decidiu abrir uma página no Facebook para ter contato direto com os fãs e explicar as suas decisões. A ideia começou, inclusive, com ele admitindo que deveria ter marcado um pênalti em um jogo entre o Norrkoping e o AIK. O curioso é que, por mais que tenha sido elogiado pela sinceridade, e pelo bom nível dos comentários, ele desistiu da empreitada pouco mais de um mês depois de iniciá-la.

LEIA MAIS: Árbitros têm a razão de protestar, embora sejam pelegos da CBF e reprimam outros protestos

O árbitro de 30 anos afirmou que acredita em “diálogo” e “abertura” e que abriu a página para mostrar o seu lado das polêmicas, em contraponto com a imagem que tem na imprensa. Acreditava que poderia criar interesse na sua profissão para ajudar a formar futuros juízes e que a família do futebol só poderia se beneficiar se a sua classe fosse mais acessível. No seu primeiro post, admitiu que errou ao não conceder um pênalti.

“Eu deveria ter dado esse pênalti. Simples assim. Agora eu vejo o que todos vocês já haviam visto. Eu vi o replay algumas vezes. Eu quero aprender alguma coisa e entender por que fiz o que fiz. Não vou acertar todas as vezes, mas é importante minimizar os erros e ter certeza que estou certo nos momentos importantes”, escreveu.

Postura louvável de Al-Hakim, que disse ter recebido muito apoio positivo, apesar de algumas críticas. Mas, pouco depois da sua história vir a público, o árbitro decidiu encerrar a página abruptamente, sabe-se lá por quê. “Foi muito divertido, mas eu simplesmente não tenho mais tempo. Tenho dois empregos, uma família e a arbitragem. É muito triste, porque o apoio foi bastante positivo, mas infelizmente não está funcionando mais”, disse, em um comunicado publicado no site da Federação Sueca de Futebol.

Foi bom enquanto durou, mas, pelo menos, fica o bom exemplo para os árbitros que não acham que precisam explicar suas decisões para o público.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo