Estados Unidos

Habilidade de Daniel San e cenas lamentáveis: relembre os momentos boleiros de Karate Kid

Para quem tem mais de 25 anos, Karate Kid certamente foi um formador de caráter. O clássico da Sessão da Tarde fez parte da infância de muita gente. Dirigido por John G. Avildsen, que já havia filmado Rocky, o longa de 1984 eternizou várias cenas no cinema. Ralph Macchio era o protagonista Daniel San, embora não superasse o carisma do Senhor Miyagi. Pat Morita viveu no veterano de guerra o seu personagem mais famoso, nomeado até mesmo para o Oscar de melhor ator coadjuvante naquele ano. Os ensinamentos e a filosofia do mestre de caratê, assim como as suas cenas de luta, o colocam como um mito das telonas.

VEJA TAMBÉM: Dez anos de um clássico do cinema boleiro: Goal! e seu craque Santiago Muñez

Exatamente há uma década, Pat Morita falecia, aos 73 anos de idade. E para homenagear o ator, vale relembrar as cenas boleiras do primeiro filme da trilogia original de Karate Kid. São dois momentos distintos em que o futebol aparece no longa, distantes de serem os mais célebres, e pouco lembrados por muita gente. Primeiro, Daniel San bate bola na praia e surpreende sua futura namorada, antes de ser atacado pela gangue do dojo Cobra Kai. Depois, o garoto aparece fazendo embaixadinhas, mas o treino do colégio acaba em “cenas lamentáveis” contra seu inimigo Bobby Brown. Poucos minutos de cena, mas suficientes para indicar que o chute na final do campeonato de caratê também foi praticado com a bola redonda. Um clássico:

E, é claro, não dá para falar de Mestre Miyagi sem relembrar ao menos uma de suas cenas:

Por fim, uma curiosidade: Elisabeth Shue, que faz a namorada de Daniel San no primeiro Karate Kid, chegou a jogar futebol quando criança. Em 2007, ela se tornou produtora do filme “Gracie”, sobre futebol feminino, atuando também como a mãe da protagonista. A história é baseada nas próprias experiências da atriz nos gramados.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador detectado

A Trivela é um site independente e que precisa das receitas dos anúncios. Considere nos apoiar em https://apoia.se/trivela para ser um dos financiadores e considere desligar o seu bloqueador. Agradecemos a compreensão.