EspanhaEstados UnidosInglaterra
Tendência

Gareth Bale não surpreende ao anunciar a aposentadoria do futebol e deixa um legado de grandes atuações e golaços

Aos 33 anos, Bale decidiu encerrar a sua carreira, após pouco mais de seis meses atuando nos Estados Unidos, pelo LAFC. Deixa uma carreira repleta de glórias, ofuscada nos últimos anos

O galês Gareth Bale anunciou nesta segunda-feira a sua aposentadoria do futebol, aos 33 anos. Algo que não surpreende ninguém, considerando como foi a carreira do jogador ao longo dos últimos anos. O seu contrato com o LAFC ia só até o meio do ano, mas a decisão foi antecipar o fim. Isso, porém, teve um fim e foi aí que a carreira de Bale mudou, o que não muda o fato de ter sido um jogador histórico e que deixa um grande legado de grandes atuações e golaços inesquecíveis.

O atacante estreou ainda muito cedo, aos 16 anos no Southampton, depois brilhou pelo Tottenham intensamente, onde viveu grandes momentos. De lá, saiu como o jogador mais caro do mundo na época para o Real Madrid e se tornou crucial para o clube entrar na fase vitoriosa que viveu.

Bale com a bandeira de Gales (Getty Images)

Vieram então os momentos de turbulência, com lesões, acusações de pouco esforço em treinos e jogos, além de uma bandeira que se tornou um insulto aos madridistas, colocando o clube em último lugar, atrás de Gales e do golfe, o que passou a ser a grande acusação em relação ao jogador: que ele se importava mais em jogar golfe do que em ser um jogador profissional.

Desde que caiu em desgraça com a torcida do Real Madrid, parecia só se importar em jogar pela seleção galesa. A famosa bandeira “Wales, Golf, Madrid, in that order” (Gales, Golfe, Real Madrid, nessa ordem”) foi um ponto de virada contra o atacante. Seu descaso ficou evidente ao mundo ali, quando já havia questionamentos em relação à sua postura em treinos e jogos, sempre muito distante.

Após disputar a tão sonhada Copa do Mundo em 2022, o jogador decidiu pendurar as chuteiras. Encerra sua carreira com uma longa lista de títulos conquistados, além de muitos grandes jogos onde foi protagonista. O seu papel na seleção galesa também é absolutamente histórico, conduzindo o país a uma Copa do Mundo pela primeira vez desde 1958. Será lembrado para sempre pelos torcedores galeses por isso.

Bale: “Foi um sonho que se realizou”

Bale em atuação pelo Southampton, em 2007 (Matthew Lewis/Getty Images)

“Depois de uma cuidadosa e profunda consideração, anuncio minha imediata aposentadoria do futebol de clubes e de seleções. Me sinto incrivelmente sortudo por ter realizado o meu sonho de jogar o esporte que amo. Ele verdadeiramente me deu alguns dos melhores momentos da minha vida. O melhor dos melhores ao longo das 17 temporadas, que será impossível replicar, não importa qual será o próximo capítulo para mim”, escreveu o jogador, nas redes sociais.

“Desde o meu primeiro toque na bola no Southampton até o meu último com o LAFC e tudo no meio, moldei uma carreira em clubes que tenho imenso orgulho e pela qual sou muito grato. Jogar e capitanear o meu país 111 vezes foi verdadeiramente um sonho que se realizou”.

“Mostrar a minha gratidão a todos aqueles que tiveram o seu papel ao longo desta jornada parece uma impossibilidade. Me sinto em dívida com muitas pessoas por me ajudaram a mudar a minha vida e moldar a minha carreira de modo muito além do que eu podia sonhar quando comecei aos 9 anos de idade”.

“Aos meus clubes anteriores, Southampton, Tottenham, Real Madrid e finalmente o LAFC. A todos os meus treinadores anteriores, funcionários, companheiros, todos os torcedores dedicados, meus agentes, meus incríveis amigos e família, o impacto que vocês tiveram foi imensurável”, continuou.

“Aos meus pais e minha irmã, sem a dedicação de vocês naquele início, sem uma fundação tão forte, eu não seria capaz de escrever este comunicado agora, então obrigado por me colocarem neste caminho e por seu inabalável apoio”.

“A minha esposa e meus filhos, seu amor e apoio me carregaram. Logo ao meu lado para todos os altos e baixos, me mantendo com os pés no chão ao longo de todo o caminho. Vocês me inspiraram a ser melhor e para fazer vocês ficarem orgulhosos”, continuou. “Então, sigo em frente com ansiedade para a próxima etapa da minha vida. Um tempo de mudança e transição, uma oportunidade para uma nova aventura…”

A sensação que dava era que jogar futebol tinha se tornado um fardo para Bale, exceto quando ele estava defendendo a camisa do seu país. A ida para o Los Angeles FC, em julho de 2022, logo após o fim do seu contrato com o Real Madrid, indicava uma mudança em sua carreira.

Foram apenas 14 jogos com a camisa do clube californiano, com três gols marcados, um deles crucial, na final da MLS, em que o LAFC conquistou o título. Nunca pareceu tão interessado assim em continuar a carreira, apenas em se preparar para a Copa do Mundo com a camisa de Gales. Por isso, o anúncio da sua aposentadoria não é surpreendente, ao contrário. Era esperada até para acontecer logo depois da Copa do Mundo. No fim, aconteceu um pouco depois.

Impacto de Bale foi gigantesco no Tottenham e no Real Madrid – e em Gales, claro

Bale comemora gol pelo Tottenham em 2013 (IAN KINGTON/AFP via Getty Images)

A carreira de Bale foi recheada de grandes momentos. O seu início foi no Southampton, uma das categorias de base mais famosas do mundo. Estreou pelos Saints ainda aos 16 anos, mostrando um talento precoce. Foi em um jogo contra o Millwall, no dia 17 de abril de 2006, ainda na segunda divisão. Na época, era lateral esquerdo e foi nessa posição que atuou. A sua estreia já foi no time titular. Na temporada seguinte, seria titular em 43 jogos, com cinco gols marcados.

Foi contratado pelo Tottenham já em julho de 2007, por € 14,7 milhões (€ 20,3 milhões, em valores corrigidos). Nos Spurs, a sua história foi incrível. Contratado como lateral esquerdo, foi assim que ficou nos seus primeiros anos, mas logo se veria que era um desperdício que ele ficasse apenas na lateral. Muito veloz, com uma ótima finalização e capacidade ofensiva enorme, se tornou um ponta dos mais perigosos.

Já na temporada 2007/08 foi usado como ponta, ou meia aberto pelo lado do campo. A temporada que ele definitivamente como ponta foi em 2010/11. Foram apenas três jogos como lateral e todos os demais, 35, como ponta pela esquerda. Foi nessa temporada que ele, mesmo ainda vestindo a camisa 3, de lateral esquerdo, mas atuando como ponta, deu um baile em Maicon, então lateral da seleção brasileira, em um duelo com a Internazionale na Champions League. Um jogo que o tornaria conhecido em todo o continente, para além das fronteiras do Reino Unido.

Ali já se sabia que Bale era um jogador muito acima da média. Os seus números já indicavam isso: mais solto, ele fez 41 jogos pelo Tottenham, marcou 11 gols e fez 11 assistências. Foi nessa temporada que atuou também pelo lado direito e até como centroavante, ainda que apenas uma vez em cada. Ele definitivamente mudou de patamar: em 2011/12, foram 13 gols, com 17 assistências em 42 jogos.

A sua última temporada pelo Tottenham foi absolutamente brilhante. Em 2012/13, Bale, já vestindo a camisa 11, fez 44 jogos, marcou 26 gols e fez 14 assistências. Números que o colocaram como uma estrela mundial. Não por acaso, o Real Madrid desembolsou € 101 milhões (€ 124,2 milhões, em valores corrigidos pela inflação).

Bale comemora gol na final da Champions de 2014 (Shaun Botterill/Getty Images)

No Real Madrid, ele foi uma figura central na conquista do título da Champions League naquela temporada 2013/14, a sua primeira pelo clube merengue, a famosa “Decima”, que tinha inclusive Carlo Ancelotti como técnico. Naquela sua primeira temporada, foram 44 jogos, 22 gols e 19 assistências. Foi quando passou a formar o trio de ataque ao lado de Cristiano Ronaldo e Benzema, que rivalizava com o trio de ataque do Barcelona, que tinha Neymar, Lionel Messi e Luis Suárez. Atuou majoritariamente pela ponta direita, como um ponta de pé invertido. E brilhou intensamente.

A pilha de títulos que conquistou pelo Real Madrid é impressionante. Foram cinco títulos da Champions League, sendo bastante importante e titular absoluto nas três primeiras. Na quarta, já era reserva, mas entrou e marcou dois gols na final. No último, na temporada passada, era um reserva que nem entrava em campo. Conquistou ainda quatro títulos do Mundial de Clubes, três títulos de La Liga, uma Copa da Espanha (com uma atuação monumental na final contra o Barcelona), três Supercopas da Espanha e três Supercopas da Europa.

Um dos pontos que fez com que Bale perdesse espaço foi o alto número de lesões. O jogador lidou com diversas lesões no tornozelo e na panturrilha, que complicaram a sua continuidade. Em fevereiro de 2017, por exemplo, foram 17 jogos de ausência, com 84 dias no total, por uma lesão no tornozelo, perdendo grande parte da temporada.

Em baixa no Real Madrid, seria emprestado ao Tottenham em setembro de 2020. Ficou uma temporada de volta aos Spurs e até foi bem, embora não tão espetacular quanto na passagem anterior e ainda atrapalhado por lesões. Nunca ganhou a confiança por ser um titular absoluto, mas fez bons jogos, marcou gols e parecia capaz de fazer mais. O que havia era a dúvida se ele podia, fisicamente, render o mesmo que antes e, mais do que isso, se ele tinha disposição para fazer isso. Esta parte era a que mais gerava dúvidas.

Retornou ao Real Madrid, onde ficaria mais um ano, sem atuar muito, até ver seu contrato se encerrar em junho de 2022, também afetado por uma lesão séria, que o afastou por 34 jogos ao longo da temporada. Acertou com o LAFC, onde havia a expectativa que ficasse ao menos um ano e meio. Só que não foi o que aconteceu, com a aposentadoria do jogador. Mesmo assim, deixou a sua marca na MLS em uma final espetacular onde marcou um gol decisivo, para levar a disputa aos pênaltis.

Foi para a Copa do Mundo e fez um gol que é histórico, o primeiro do país no retorno ao Mundial, no empate por 1 a 1 com os Estados Unidos. Deixa o seu nome definitivamente na história de Gales. Além dos 11 jogos, marcou 40 gols e participou de momentos incríveis, como a ida até a semifinal da Euro 2016, tendo Bale como protagonista. Termina a história na Copa, algo que era muito desejado.

Bale será lembrado pela carreira que teve como estrela da Premier League e de La Liga, com grandes jogos e momentos marcantes. Os últimos anos foram mais de baixa do que de alta, com o jogador parecendo já cansado do futebol como atleta profissional. Ainda assim, a sua história está escrita e ele tem mesmo muito do que se orgulhar.

Sempre nos deixará uma pulga atrás da orelha se ele não poderia ter feito mais com uma dedicação maior nos últimos anos, mas isso é algo que só Bale, no seu íntimo, sabe. Com o que fez, já marcou o seu nome como jogador de futebol e como ídolo. Ainda que no Real Madrid ele tenha destruído isso, será para sempre ídolo de Gales e também do Tottenham. Mesmo os torcedores do LAFC lembrarão dele com carinho, afinal, ele acabou sendo crucial para a conquista do primeiro título de MLS da franquia.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo