Espanha

Valencia barra Netflix de entrar no estádio para gravar documentário de Vinicius Júnior

Produtora "Conspiração", responsável pela criação da obra cinematográfica de Vinicius Júnior, não foi autorizada pelo Valencia a captar imagens e colher entrevistas no Mestalla, palco do jogo da equipe contra o Real Madrid

O ‘show' de preconceito do Valencia para cima Vinicius Júnior continua. Dessa vez, o clube decidiu vetar a entrada da Netflix no Estádio Mestalla, no próximo sábado (2), data do jogo da equipe contra o Real Madrid. Alguns funcionários da produção do documentário sobre o atacante brasileiro iriam até o palco da partida com intuito de fazerem imagens do camisa 7 merengue. No entanto, o time da casa, sob nenhuma justificativa, proibiu tal ação. A informação foi divulgada primeiramente pelo jornal espanhol “Marca”.

Vale destacar que, normalmente, o acesso de profissionais da imprensa em jogos de La Liga é controlado pela própria competição. Contudo, dessa vez (porque será…), o Valencia interveio e proibiu a entrada da equipe da “Conspiração” no Mestalla. Considerada uma das principais produtoras do Brasil, a “Conspiração” foi responsável pelas produções dos longas “O Auto da Compadecida 2″, que estreia em dezembro nos cinemas, “Gonzaga: De Pai pra Filho”, além da série documental “Anitta: Made In Honório”, que fala sobre a vida e carreira da cantora de funk. No documentário de Vinicius Júnior, a produtora trabalha junto da Netflix.

A lamentável atitude do Valencia escancara o medo do clube em relação ao uso do material gravado em seu estádio. Casos de racismo contra Vinicius Junior são recorrentes em jogos do Real Madrid diante da equipe valenciana, principalmente no Mestalla. Em 2023, insultos direcionados ao atacante brasileiro chegaram a fazer a partida ser paralisada. Depois de se ater aos fatos, o time da casa, na época, expulsou permanentemente três torcedores que foram flagrados fazendo gestos de macaco para o camisa 7.

A “Conspiração” possui uma equipe na Espanha e há alguns meses acompanha os passos de Vinicius Júnior para produção do documentário. Ainda segundo o “Marca”, além das imagens de Vini no jogo, a ida a Valência também seria aproveitada para colher entrevistas com personagens do clube da cidade. A produtora chegou a pedir um depoimento do atacante Hugo Duro, mas o Valencia negou prontamente.

Valencia x Vinicius Júnior: como começou

No dia 21 de maio de 2023, Valencia x Real Madrid se enfrentaram no Mestalla, em jogo válido pela 35ª rodada de LaLiga. Apesar da merecida vitória do time da casa por 1 a 0, não foi o resultado o fato mais importante da partida. Durante o segundo tempo do duelo, torcedores valencianos ecoaram gritos de “mono” (macaco em espanhol) para Vinicius Júnior. Em jogada pela esquerda, o atacante brasileiro acabou atrapalhado por uma segunda bola dentro de campo. Insatisfeito com a situação, ele reclamou disso com a arbitragem, e parte da torcida mais perto do gol do Valencia o hostilizou fortemente com xingamentos racistas.

Ciente do que estava acontecendo, Vinicius puxou o árbitro Ricardo De Burgos Bengoetxea para denunciar um determinado torcedor atrás do gol. O juiz então conversou com jogadores e comissão técnica dos dois times e resolveu paralisar a partida. Assim, o sistema de som do Mestalla emitiu dois comunicados: um informando da pausa do jogo por conta do episódio de racismo, e o segundo de que ela só voltaria caso os xingamentos fossem encerrados.

O caso ganhou o mundo e o Valencia passou a ser acusado de conivência com o episódio racista. No dia em que Vinicius Júnior depôs à Justiça espanhola sobre o triste incidente, o clube valenciano contestou a versão apresentada pelo brasileiro e alegou, em nota, que “os torcedores do Valencia não podem ser classificados como racistas”. Mais do que isso, o time chegou a exigir que o atacante do Real Madrid se retratasse.

Desde então, o clima entre Valencia e Real Madrid se acirrou de vez. No jogo do 1º turno desta temporada de LaLiga, o clube visitante orientou fãs que visitaram o Santiago Bernabéu a não ecoarem cânticos racistas com o seguinte aviso: “Muitos olhos sobre nós”.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Apaixonado por futebol, uniu o amor pelo esporte mais popular do mundo ao jornalismo. Carioca da gema e grande entusiasta da Premier League, cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na música, vai de Post Malone a Armandinho. Eclético assim como na área técnica. Afinal, Guardiola e Mourinho são suas referências.
Botão Voltar ao topo