EspanhaLa Liga

Uma goleada para restaurar o moral de todos no Real Madrid

O Real Madrid foi duramente criticado após a derrota para o Barcelona no final de semana. Nem tanto pela diferença no placar do Camp Nou, mas sim pela produtividade ofensiva do time – que praticamente não existiu. Gareth Bale e Cristiano Ronaldo apareceram pouco no clássico, enquanto os merengues tiveram dificuldades para ameaçar a meta de Victor Valdés. O gol só saiu nos acréscimos, em um contra-ataque. A ocasião desta quarta cobrava uma resposta. E ela veio de maneira contundente: 7 a 3 sobre o Sevilla no Santiago Bernabéu.

Carlo Ancelotti tinha sido para-raios da insatisfação do presidente Florentino Pérez e dos próprios jogadores pelo time escalado contra os blaugranas. Desta vez, resolveu mandar à campo praticamente toda a qualidade ofensiva do Real, botando Cristiano Ronaldo, Bale e Benzema na linha de frente. E o trio teve participação plena nos gols, marcando todos eles e ainda somando quatro assistências. Na armação, Isco não apareceu tanto, mas ajudou a manter o ritmo incessante dos blancos no ataque.

Outro que ajudou a afastar os descontentamentos sobre si foi Bale. O meia de € 100 milhões de euros tinha sido nulo no clássico e, diante da grande atuação de Neymar, as comparações foram inevitáveis. Desta vez o rival não tinha tanto peso, mas o camisa 11 jogou demais. Anotou os dois primeiros tentos da partida e ainda deu passes para mais dois. Fez o que se esperava dele, dando velocidade aos lados do campo e ameaçando nas investidas em diagonal. Sobretudo, tenta se equiparar a Ángel Di María, poupado neste jogo, que vem sendo o destaque do time no início de temporada.

Benzema, por sua vez, apresentou para Ancelotti as razões pelas quais não deve ficar de fora do time, como aconteceu contra o Barcelona. O francês também fez dois gols e deu duas assistências, importante para abrir espaços aos companheiros. Já Cristiano Ronaldo repetiu sua habitual forma, balançando as redes três vezes. Em seu caso, a resposta não foi a Ancelotti ou aos insatisfeitos, mas a Joseph Blatter.

É lógico, algumas ressalvas também precisam ser feitas sobre o Real Madrid. A defesa abusou da sorte, principalmente Sergio Ramos, e tomou dois gols sem necessidade –  e viu um pênalti desperdiçado pelos andaluzes. Além disso, a goleada sobre o Sevilla não serve tanto de parâmetro. Sua utilidade é revigorar a confiança dos merengues, que precisam de um gás para tentar alcançar o Barcelona no topo da tabela, já sete pontos à frente. Qualidade não falta para isso.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Bloqueador detectado

A Trivela é um site independente e que precisa das receitas dos anúncios. Considere nos apoiar em https://apoia.se/trivela para ser um dos financiadores e considere desligar o seu bloqueador. Agradecemos a compreensão.