Espanha

Torcedores são condenados a 8 meses de prisão por insultos racistas contra Vinicius Jr.

Caso ocorreu em 2023 e gerou onda de repercussão na mídia e nas redes sociais

Três espanhóis foram condenados a oito meses de prisão nesta segunda-feira (10) por conta das injúrias raciais contra Vinicius Junior ocorridas em 2023.

Esta é a primeira condenação na Espanha por racismo envolvendo o futebol, e a primeira da onda de insultos sofrida pelo brasileiro no ano passado.

Além da prisão, a sentença proíbe os condenados de entrar em qualquer estádio de futebol em solo espanhol durante dois anos. 

Os envolvidos foram identificados entre os torcedores do Valencia que chamaram Vinicius Junior de “macaco” durante o confronto diante do Real Madrid, em maio de 2023.

O próprio atacante identificou um dos agressores, enquanto os demais foram encontrados pela polícia por meio do sistema de monitoramento do estádio. 

A Justiça da Espanha condenou os três torcedores do Valencia pelo crime contra integridade moral do art. 173.1 do Código Penal com agravante de discriminação por motivos racistas (art. 22.4 do Código Penal espanhol).

Inicialmente, a pena aplicada era de um ano, mas foi reduzida em um terço por motivos de conformidade na fase de investigação, conforme apurado pelo jornal AS.

A defesa dos acusados ainda não informou se vai recorrer da sentença até a publicação desta matéria.

Indignação de Vinicius Junior gerou movimento anti racismo no futebol

O jogo entre Valencia e Real Madrid, ocorrido no dia 21 de maio, marcou o início de um verdadeiro movimento contra o racismo no futebol.

Na ocasião, o time madrilenho acabou derrotado por 1 a 0, mas o resultado do jogo ficou em segundo plano, já que Vinicius Junior foi o protagonista do encontro.

Ao perceber que foi insultado por torcedores rivais, Vini Jr. reclamou diretamente com o árbitro do jogo, Ricardo De Burgos Bengoetxea, que imediatamente paralisou o jogo.

O brasileiro fez críticas contra a liga espanhola, cobrando os responsáveis pelo futebol local por uma postura mais rígida contra os diversos casos de racismo que vinha sofrendo.

Javier Tebas, presidente da La Liga, rebateu as críticas do atacante, mas devido a ampla repercussão do caso, retrocedeu em sua palavra e se desculpou com o atacante.

A partir da divulgação na imprensa e nas redes sociais, a pauta anti-racismo tomou conta dos principais portais de notícia esportiva, e se tornou até assunto diplomático.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, cobrou ações anti-racismo no futebol, sendo acompanhado pelo presidente da Espanha, Pedro Sánchez, que também manifestou apoio a Vinicius Junior.

Foto de Lucas de Souza

Lucas de Souza

Lucas de Souza é jornalista formado pela Universidade São Judas em São Paulo. Possui especialização em Marketing Digital pela Digital House, e passagens pelos sites Futebol na Veia e Futebol Interior.
Botão Voltar ao topo