EspanhaLa Liga

Real Sociedad embala para ser a quarta força de La Liga

Barcelona e Real Madrid estão acima de qualquer concorrência na Espanha. Desde a chegada de Diego Simeone, com o título na Liga Europa passada e a boa campanha nesta Liga, o Atlético de Madrid se estabeleceu como terceira potência no país. Mas quem é o quarto clube espanhol mais forte na atualidade? A pergunta está feita. E só deve ser respondida de maneira definitiva quando se conhecer o último classificado do país à próxima Liga dos Campeões.

Pelo desempenho no começo da temporada, o Málaga era o principal candidato a ficar com a vaga. Porém, a punição aplicada pela Uefa sobre os boquerones tirou qualquer empolgação. Por conta de seus problemas financeiros, o clube não poderá participar da próxima competição continental para a qual se classificar. Preferiu deixar de lado a liga e concentrar suas forças na Champions, na qual chegou até as quartas de final. Permanece em quinto, mas só volta à LC se conseguir reverter a sanção – o que parece difícil.

Sem o Málaga pelo caminho, outros dois times surgiram com força pela quarta colocação. Mesmo sem a consistência de outros tempos, o Valencia começou a embalar a partir do segundo turno e subiu sete posições na tabela. Já a Real Sociedad foi capaz de uma ascensão ainda mais impressionante, sofrendo apenas uma derrota desde a 11ª rodada. Neste domingo, o tira-teima entre os concorrentes aconteceu no Estádio Anoeta. E abriu caminho para que os bascos tomassem o posto.

A imposição da Real Sociedad

No confronto em San Sebastián, o Valencia começou melhor a partida e saiu em vantagem com Roberto Soldado, em sua temporada mais prolífica em La Liga. Entretanto, os Ches murcharam depois que a Real igualou o placar, ainda no primeiro tempo. E os Txuri-Urdin souberam muito bem aproveitar o desespero dos adversários para matar o jogo em contra-ataques, fechando a vitória por 4 a 2.

Restando cinco rodadas para o fim do campeonato, a Real Sociedad acumula cinco pontos de vantagem sobre Málaga e Valencia – o Betis, que ainda sonha com a classificação, pode chegar a sete de distância se bater o Deportivo La Coruña nesta segunda. A diferença não é garantia de vida tranquila, mas dá conforto à equipe que enfrenta Getafe, Granada, Sevilla, Real Madrid e Deportivo em seus últimos compromissos.

Donos de um futebol agressivo, os bascos contam com o terceiro melhor ataque do torneio, com média de 1,85 gols por jogo, e são os que mais marcam gols em contragolpes. Outra arma poderosa é a bola parada, que rendeu 22 tentos – seis deles de pênalti. Carlos Vela é o artilheiro, balançando as redes 13 vezes, mas Imanol Agirretxe e Antoine Griezmann também têm grande parcela de responsabilidade pela produção ofensiva.

Pela fase recente, é difícil imaginar que a equipe treinada por Philippe Montanier deixará a classificação escapar. Afinal, com o triunfo sobre o Valencia, já são 15 partidas sem perder, incluindo a quebra da invencibilidade do Barcelona na competição. Um feito para poucos. E que deve ser coroado com o retorno dos Txuri-Urdin à Liga dos Campeões após nove anos de ausência.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo