La Liga

Valencia impõe primeira derrota do Athletic em quase três meses e se aproxima de vaga na Europa

Pouco efetivo, o Athletic não conseguiu infiltrar na compacta defesa do Valencia, que venceu por 1 a 0

Aquele Athletic Bilbao sóbrio e eficiente, invicto há 14 partidas, não foi visto no Estádio Mestalla neste sábado (20). Melhor para o Valencia, que venceu por 1 a 0 pela 21ª rodada de La Liga com gol de Hugo Duro, o oitavo do centroavante na competição. Os Morcegos agora estão em sétimo, com o mesmo número de pontos da Real Sociedad, uma posição acima e dentro da zona de classificação aos playoffs da UEFA Conferecence League 2024/25. Por outro lado, a equipe do País Basco, que não perdia desde 22 de outubro do ano passado, ocupa a terceira colocação e pode perder posições na rodada.

O Valencia também acumulou a quarta vitória consecutiva pelo Campeonato Espanhol, se recuperando da dolorida eliminação para o Celta de Vigo na Copa do Rei.

Faltou futebol no 1º tempo

Ainda sem Iñaki Williams, com Gana na Copa Africana de Nações, Ernesto Valverde manteve Álex Berenguer na ponta direita, tendo Gorka Guruzeta como centroavante, atrás do meia Oihan Sancet, além de Nico Williams, na direita do ataque. Apoiando a saída de bola a todo tempo, a dupla de volantes era Ander Herrera e Beñat. Nas laterais, Óscar De Marcos foi desfalque, com o capitão Íñigo Lekue pela direita e Yuri Berchiche na esquerda. Reserva na Copa do Rei, Unai Simón retomou a titularidade no gol, atrás dos zagueiros Aitor Paredes e Daniel Vivian.

O Valencia de Ruben Baraja utilizou seu 4-4-2 característico, com e sem bola, mas já teve um duro golpe com a lesão de Sergi Canós, substituído com apenas 14 minutos. Quem entrou no seu lugar foi o atacante Roman Yaremchuk, movendo Diego Lopez para o lado esquerdo do meio-campo.

Não foi um jogo de encher os olhos no primeiro tempo. Apesar de muita intensidade e pressão, faltou criar algo efetivamente claro de ambos os lados. A bola passava pouco pelo meio, com os dois lados tentando atacar de forma rápida e pouco paciente. Levemente superior na posse, o Athletic Bilbao exigiu duas fáceis defesas de Giorgi Mamard­ashvili no meio do gol, enquanto Simón quase não trabalhou nos primeiros 45 minutos.

O Valencia passou a pressionar mais para os minutos finais. Teve ataques perigosos, emplacou velocidade e acumulou escanteios seguidos. Em uma das cobranças, Yaremchuk recebeu na segunda trave e cabeceou rasteiro, com Simón desviando a bola para linha de fundo com o pé. Já nos acréscimos, foi o lance mais perigoso antes do apito para acabar o primeiro tempo.

Athletic Bilbao x Valencia
Quase não teve espaço para atacar na etapa inicial (Foto: Divulgação/Athletic Club)

Duro dá vitória para o Valencia

O Athletic voltou no pique para o segundo tempo. Apenas três minutos, Nico Williams apareceu pela direita e fez boa jogada, mas o time perdeu a bola na tentativa de tabela com Sancet. A posse seguiu com o lado vermelho, que abriu um corredor para Lekue avançar e cruzar sozinho próximo da linha de fundo. Veio na medida para Sancet bater de primeira e a bola passar rente à trave.

A resposta do Valencia foi à altura. Em ataque rápido pela esquerda, José Gaya serviu López em profundidade. O meia cruzou rasteiro e Hugo Duro, quase na pequena área, antecipou a marcação e pegou mal na bola, completamente torto. O corredor canhoto era um caminho para o clube do Mestella e por lá abriu o placar. Gaya tabelou e antes da linha de fundo levantou na área. Se redimindo do lance anterior, Duro subiu mais alto que Berchiche e cabeceou direto às redes.

O time basco seguia com muita dificuldade em criar e Valverde decidiu mudar com mais de 20 minutos. Asier Villalibre substituiu Guruzeta no comando de ataque, enquanto Unai Gómez deu fôlego no meio na vaga de Prados. Antes, Iñigo Ruiz de Galarreta já tinha entrado no lugar de Herrera. No Valencia, mais solidez defensiva: o ponta Fran Pérez foi substituído pelo lateral Thierry Correa, movendo Dimitri Foulquier para meia direita.

Cada vez mais com a bola, dominando as ações ofensivas, os Leões do País Basco fizeram, finalmente, Mamard­ashvili trabalhar. Substituindo Williams, Malcom Ares entrou com personalidade na esquerda, partindo para cima da marcação e servindo Unai Gómez quando invadia a área. O meio-campista bateu cruzado e o goleiro georgiano fez uma bela defesa. Essa chance foi algo raro na partida. O Athletic não conseguiu infiltrar na boa defesa do Valencia, bem compactada até o jogo acabar após os seis de acréscimos.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de esports no The Clutch. Como assessor de imprensa, atuou no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo