La Liga

Sevilla não pode ser feliz por mais de uma rodada e já tem o Atlético de Madrid pela frente

Sevilla venceu na última rodada, mas segue lutando contra o rebaixamento em La Liga e agora terá carrasco Atlético de Madrid

A epopeia do Sevilla na luta contra o rebaixamento em La Liga ganhou momentos de alívio com a vitória diante do Rayo Vallecano na última segunda-feira (5). Mas como a luta de times que brigam contra o descenso é sempre ingrata, neste domingo (11) a equipe alvirrubra recebe ninguém menos do que o Atlético de Madrid, um dos melhores times da Espanha na atual temporada.

O Sevilla venceu o Rayo Vallecano e se distanciou da zona de rebaixamento, mas não a uma distância que pode ser considerada segura, é bem verdade. A vitória deixou o time comandado pelo espanhol Quique Sánchez Flores com 20 pontos na classificação do Campeonato Espanhol, mesma pontuação, de Celta de Vigo e Mallorca e apenas três pontos acima do Cádiz, primeiro time no Z4.

Na situação bastante inversa, o Atlético de Madrid, além de poder aumentar o pesadelo do Sevilla, tem de vencer após ter empatado clássico contra o arquirrival Real Madrid justamente para não deixar o Athletic Bilbao, seu adversário nas semifinais da Copa do Rei, chegar e ameaçar sua vaga na próxima edição da Champions League, já que apenas três pontos separam os dois times neste momento.

Como o Sevilla chega para o jogo contra o Atlético de Madrid?

O Sevilla faz uma temporada horrível e para ser esquecida, mas depois de simplesmente ficar seis jogos sem vencer uma partida sequer por La Liga, conseguiu finalmente desencantar contra o Rayo Vallecano — e fora de casa, apenas o segundo triunfo do time longe de seus domínios. A situação, mesmo assim, não é nada simples para o time, que conta mais com a incompetência alheia do que com a sua competência, neste momento, para fugir do rebaixamento.

O maior problema é que o Atlético de Madrid tem sido um verdadeiro carrasco do Sevilla nesta temporada: a sequência de seis jogos sem ganhar uma partida sequer em La Liga começou justamente contra o Atleti, time que também eliminou o Sevilla da Copa do Rei nas quartas de final. Ou seja, mesmo jogando em casa, diferente do que ocorreu nos dois confrontos até agora na temporada, a equipe de Quique Sánchez Flores pegará um de seus maiores carrascos recentes.

Para piorar a situação, não perder hoje seria crucial para o Sevilla por conta da sequência que terá após o confronto contra o Atlético de Madrid. Simplesmente enfrentará, contando com o duelo de hoje, quatro dos sete primeiros colocados do Campeonato Espanhol na sequência: depois do Atleti, enfrenta o Valencia, para então enfrentar Real Madrid e fechar a fase duríssima de duelos contra a Real Sociedad. Ou seja, a luz vermelha segue mais do que acessa lá em Sevilla.

Como o Atlético de Madrid chega para o jogo contra o Sevilla?

Encarando uma maratona de jogos neste começo de 2024, o Atlético de Madrid tem se saído muito bem. Já jogou pela Supercopa da Espanha, na qual foi eliminado nas semifinais pelo Real Madrid, equipe que despachou da Copa do Rei, assim como o Sevilla, e ainda teve tempo de fazer — e vencer — seus jogos em La Liga. A última derrota do Atleti na competição data de 3 de janeiro, quando abriu o ano diante do Girona, a grande surpresa da temporada espanhola, com revés por 4 a 3.

O Atlético de Madrid ainda teve uma janela de transferências movimentada em janeiro, trazendo três novos reforços para Diego Simeone. São eles o zagueiro brasileiro Gabriel Paulista, o goleiro Horațiu Moldovan, que será reserva, e o jovem promissor belga Arthur Vermeeren, que vem recebendo chances de maneira dosada, mas é visto como um dos grandes nomes para o Atleti no futuro.

E para seguir sendo o grande carrasco do Sevilla na temporada o Atlético de Madrid conta com uma das duplas de ataque mais entrosadas do futebol europeu na temporada. Álvaro Morata é o artilheiro do time em La Liga com 13 gols e é seguido de Antoine Griezmann que tem 11 redes balançadas no Campeonato Espanhol.

 

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo