La Liga

Desfalcado, Real Madrid apenas empata com Rayo Vallecano em jogo de gols decididos pelo VAR

Empate por 1 a 1 com Rayo Vallecano deixou o Real Madrid firme na liderança da La Liga, mas vantagem pode diminuir caso Girona ganhe nesta segunda-feira

Mesmo sem jogadores como Jude Bellingham, Antonio Rüdiger e com Rodrygo no banco, o Real Madrid ainda assim é um time repleto de astros. Entretanto, o grande protagonista do empate por 1 a 1 entre o líder da La Liga e Rayo Vallecano neste domingo (18) foi o VAR. No jogo ocorrido no Estádio de Vallecas, o assistente da arbitragem de vídeo foi consultado para os gols de Joselu, feito pelo time visitante, e para o de Raúl de Tomás, anotado pela equipe rival.

Nem mesmo o tropeço fora de casa fará o Real Madrid perder a liderança da La Liga. Agora com 62 pontos, os merengues estão a 6 do vice-líder Girona, que enfrentará o Athletic Bilbao nesta segunda-feira (19), também pela 25ª rodada. Já o Rayo Vallecano respirou um pouco mais aliviado. O bom desempenho na estreia do técnico Iñigo Pérez deixou o time na 14ª colocação provisória, com 25 pontos.

VAR protagonista

Mal o jogo começou, e o Real abriu o placar já aos 3 minutos. Em um rápido contra-ataque, Valverde cruzou para Joselu, que com um oportuno carrinho, fez o primeiro gol da partida. A arbitragem chegou a anulá-lo, mas após checagem do VAR, o gol foi validado para uma tardia festa do centroavante espanhol. Aos 18, Joselu chegou a fazer outro, mas esse foi corretamente anulado após a bola sair pela linha de fundo antes do cruzamento de Lucas Vásquez.

O VAR foi novamente essencial na partida em outro lance de gol. Após chute de fora da área, a bola desviou na mão de Camavinga dentro da área. Mesmo com a reclamação dos atletas do Rayo, o árbitro não deu a penalidade. Entretanto, após o VAR chamá-lo, ele foi checar o lance e marcou o pênalti para a equipe anfitriã. Na cobrança, aos 27 minutos, Raúl de Tomás igualou o marcador.

Após uma pressão que empolgou jogadores do Rayo e a torcida local em Vallecas, o Real Madrid foi tomando controle novamente da partida. Vinicius Junior tentou jogada pelo lado esquerdo, mas foi travado. Aos 38 minutos, foi a vez de Valverde quase marcar com um chute forte.

Entretanto, aos 43, o Rayo quase virou a partida. Álvaro García avançou pelo lado esquerdo e acertou uma bomba, que foi defendida com os pés por Lunin. Os anfitriões tiveram outra oportunidade em contra-ataque, mas o árbitro resolveu terminar a etapa final depois de uma virada de jogo, para revolta dos atletas da equipe de Vallecas.

Muitas mudanças, mas pouco resultado

E já no primeiro minuto do segundo tempo, o Rayo ficou próximo novamente do gol. Após receber passe, o improvisado na zaga Tchouameni errou o domínio e perdeu a bola para Álvaro García. Mas o francês se recuperou a tempo para bloquear o chute do meia. A reação do Real Madrid veio aos 6 minutos. Camavinga fez boa jogada individual pelo lado direito e tocou para Valverde. Apesar de perigoso, seu chute desviou e saiu para escanteio.

Aos 13 minutos, foi a vez de Joselu quase fazer o segundo novamente. Ele tabelou com Brahim Díaz e recebeu na frente, mas seu chute foi fraco e facilmente defendido por Dimitrievski. Precisando do resultado, Carlo Ancelotti resolveu colocar Rodrygo e Toni Kroos na partida.

Pressionando mais após a entrada de ambos os astros, o Real Madrid ficou muito perto de voltar à frente do placar com um golaço de Kroos. Aos 39 minutos, o alemão cobrou uma perigosa falta, que foi defendida pelo goleiro do Rayo Vallecano. O meio-campista passou a controlar o meio de campo da partida, e criou outra boa oportunidade com um lançamento para Carvajal, mas seu chute parou novamente no goleiro macedônio. Já nos acréscimos, o lateral-direito do Real Madrid foi expulso após levar um segundo amarelo. Entretanto, jogar com um a mais por apenas dois minutos não foi suficiente para o time anfitrião conseguir uma histórica virada em casa.

Foto de Vanderson Pimentel

Vanderson Pimentel

Jornalista formado em 2013, e apaixonado por futebol desde a infância. Em redações, também passou por Estadão e UOL.
Botão Voltar ao topo