La Liga

O Levante não apenas derrotou o Atlético no Metropolitano, como fez isso com todos os méritos

O Atlético de Madrid fez uma das piores partidas recentes, dominado dentro de casa pelo Levante, lanterna absoluto de La Liga

O Atlético de Madrid atravessa uma crise, não é segredo para ninguém. Porém, entre os frequentes tropeços recentes dos colchoneros, é difícil encontrar um mais vexatório que o ocorrido nesta quarta-feira. O Levante só tinha vencido um de seus primeiros 23 jogos por La Liga, lanterna isoladíssimo. E os valencianos conseguiram seu segundo triunfo, dentro do Wanda Metropolitano, numa partida em que foram claramente melhores e tiveram chances para um placar mais elástico que o 1 a 0 anotado. O Atleti chegou ao seu ponto baixo com uma atuação fraquíssima, em que a equipe mal criou oportunidades e acertou apenas uma finalização no alvo durante os 90 minutos.

Diego Simeone até recorreu ao seu tradicional 4-4-2 desta vez, o que deu pouco resultado. O Atlético de Madrid parecia incomodado em campo e o Levante aproveitou para arreganhar os dentes. Os valencianos marcavam com boa intensidade e sequer permitiam que os madrilenos tomassem controle da partida. A posse de bola era dos Granotas, que teriam as melhores oportunidades da primeira etapa. Aos 22 minutos, depois de uma bobeira de José Maria Giménez, Jan Oblak precisou salvar sua equipe no mano a mano com Jorge de Frutos. O Atleti se acertou um pouco mais apenas nos minutos anteriores ao intervalo. Na melhor chance, já nos acréscimos, Thomas Lemar mandou por cima.

Para quem esperava uma chacoalhada de Simeone para o segundo tempo, isso não se notou em campo. O Levante permanecia mais ligado e conseguiu o merecido gol aos nove minutos. Num lançamento que pegou um buraco entre zaga e meio do Atlético, De Frutos acionou Gonzalo Melero, que tinha espaço pelo lado direito da área. A finalização veio rente à trave e Oblak não conseguiu salvar. Os colchoneros estavam nas cordas. Quando a equipe da casa ganhou um pênalti logo na sequência, o lance seria anulado por impedimento de Marcos Llorente. Pior, De Frutos quase anotou o segundo nesta sequência, mas Oblak salvou.

Diante da necessidade, o Atlético veio com uma mudança tripla aos 20 minutos: João Félix, Sime Vrsaljko e Luis Suárez, nas vagas de Rodrigo de Paul, Koke e Matheus Cunha – que saiu lesionado. A presença ofensiva dos rojiblancos aumentou com a mudança tática, mas a marcação do Levante estava bem encaixada e por vezes até adiantava a pressão pela recuperação. E a esperança do Atleti se concentrava na possibilidade de um abafa, não em chances concretas. Seria assim na reta final. A blitz não se convertia em finalizações. Quando Ángel Correa virou uma bicicleta para as redes, nos acréscimos, o lance foi bem anulado por falta. E ainda quase os valencianos fizeram o segundo, num ousado chute Mickaël Malsa, pouco à frente do círculo central, que estalou o travessão. No último suspiro, até Oblak foi para o ataque, mas a cabeçada do goleiro passou por cima e não evitou o lamento.

O Atlético de Madrid perde a chance de reaparecer no G-4 do Campeonato Espanhol. Os colchoneros somam 39 pontos, atrás do Barcelona no saldo de gols, mas com uma partida a mais que os catalães. O risco de ficar fora da Champions League se torna cada vez mais real. Já o Levante conquista sua segunda vitória em La Liga, ambas registradas neste início de ano. Apesar das esperanças que ressurgem, os Granotas têm apenas 14 pontos, a dez de sair da zona de rebaixamento. São lanternas absolutos.

Standings provided by SofaScore LiveScore

[embedcode get="script" playlist_id="match"]
Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo