La Liga

O Granada lutou bastante e arrancou o empate contra o Barcelona no apagar das luzes

O Barcelona conseguiu seu gol com Luuk de Jong, após assistência de Dani Alves, mas a expulsão de Gavi permitiu que o Granada pressionasse até o empate na Andaluzia

O Barcelona poderia terminar o dia na zona de classificação à Champions League, mas sofreu um golpe duro na visita ao Granada. Os blaugranas venciam em Nuevo Los Cármenes até os 44 do segundo tempo, quando, com um a mais, os andaluzes conseguiram o empate por 1 a 1. O Barça teve seus pontos positivos. Daniel Alves participou bem em sua reestreia por La Liga, com uma assistência, e Luuk de Jong, que parecia pronto a sair do clube, fez valer a oportunidade com o gol. No entanto, os nazaríes incomodaram bastante e, depois da expulsão de Gavi, anotaram o tento de empate no final. O time de Robert Moreno chega a sete jogos de invencibilidade no Campeonato Espanhol.

A primeira boa jogada da partida foi do Granada, num cruzamento de Luis Milla em cobrança de falta, mas logo o Barcelona passaria a ditar o ritmo do jogo. Os blaugranas jogavam no campo de ataque e passaram contar com a inspiração de Luuk de Jong. O centroavante até balançou as redes com oito minutos, mas Gavi estava impedido antes do cruzamento. Os blaugranas seguiam em cima e, quando arriscavam, quase sempre era com o holandês. De Jong ainda tentou um gol de escorpião, em tiro ousado que saiu por cima.

Depois de 20 minutos de superioridade mais clara do Barcelona, o Granada acertou sua marcação e equilibrou o jogo no restante do primeiro tempo. Darwin Machís exigiria uma defesa difícil de Marc-André ter Stegen aos 26. Os andaluzes cresciam, ao mesmo tempo em que suas linhas fechavam os espaços para os blaugranas. A reta final da primeira etapa não contaria com tantas ameaças, por mais que o Barça voltasse a controlar a posse de bola – só que inócua.

O segundo tempo voltou com o Granada marcando em cima, mas o Barcelona voltou a arriscar mais. Uma cabeçada de Gerard Piqué passou ao lado da meta, antes de Eric García sair lesionado para a entrada de Clement Lenglet. O gol blaugrana surgiu aos 12 minutos, numa jogada de Daniel Alves, que dava ótima consistência pelo lado direito e fazia boa atuação. O brasileiro cruzou com precisão, Luuk de Jong prevaleceu na área e emendou a cabeçada para as redes. O holandês, todavia, seria substituído por Memphis Depay pouco depois.

O Granada não se abalou com o gol e tentaria o empate em cabeçada de Antonio Puertas. Por mais que o Barcelona tentasse administrar a vantagem, a disposição dos andaluzes mantinha o jogo vivo. A pressão dos anfitriões sem a bola atrapalhava os planos dos catalães. Contudo, quase o segundo gol do Barça surgiu num contragolpe. O garoto Abde chutou colocado e terminou raspando a trave. E logo a situação dos blaugranas se complicaria, depois que Gavi chegou tarde numa dividida e recebeu o segundo amarelo. Com um a mais, o Granada ia para o tudo ou nada.

Ter Stegen ainda adiou o empate com uma defesa contra Luis Milla. O Granada ia para cima e cruzava a bola para a área, na tentativa de forçar um erro do Barcelona. Lenglet também seria importante à sobrevida, quando conseguiu bloquear Carlos Bacca. Só que a igualdade aconteceu mesmo aos 44. Depois de uma cobrança de escanteio, Sergio Busquets não conseguiu cortar e a bola sobrou na segunda trave, onde Antonio Puertas conseguiu emendar um chute direto no ângulo. O jogo teria seis minutos de acréscimos e seguiu um tanto aberto, mas ainda pendendo ao Granada. Num erro da defesa, Ter Stegen voltou a aparecer para salvar o Barça.

O Barcelona ocupa a sexta posição do Campeonato Espanhol, com 32 pontos, e perde uma boa chance de entrar na zona de classificação à Champions temporariamente. Os blaugranas ficam a um ponto do G-4. O Granada, em recuperação na campanha, está na zona intermediária da tabela. Os andaluzes aparecem no 12° lugar, com 24 pontos.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo