La Liga

O Getafe reivindica seu sonho rumo à Champions, com uma sonora vitória no confronto direto com o Sevilla

Ao longo da temporada no Campeonato Espanhol, a quarta vaga na Liga dos Campeões mudou de mãos várias vezes. Diferentes times se candidataram à competição continental. Porém, aos poucos, o Getafe se firmou no G-4. Se outros pequenos não mantiveram a regularidade, os Azulones continuavam rondando a oportunidade, silenciosos. Não têm jogadores badalados e sua força é o sistema defensivo, que nem sempre recebe os devidos créditos. Pois quando até parecia que os costumeiros frequentadores da Champions tomariam de assalto a posição, o clube da capital conquistou uma vitória categórica no Coliseu Alfonso Pérez. O Sevilla vinha em boa sequência e parecia pronto a abrir distância neste domingo. Pois os nanicos retomam o quarto lugar, ao baterem os rojiblancos por 3 a 0. Os últimos resultados do Getafe não são muito bons e o cenário permanece aberto. Mas a equipe deixa claro que lutará até o final pela façanha.

O Getafe teve sua relevância quando se estabeleceu na primeira divisão do Campeonato Espanhol, na década passada. Chegou à final da Copa do Rei duas vezes, eliminando o Barcelona na famosa semifinal do golaço de Messi, e participou da Liga Europa em duas oportunidades. Alcançou até mesmo as quartas de final no torneio continental, sucumbindo ao Bayern de Munique em 2008, após superar Benfica e AEK Atenas. Só que os resultados nos últimos anos caíram, com uma passagem pela segunda divisão, e outros clubes passaram a reivindicar seu espaço na Liga. Mas, nesta campanha, o time de José Bordalás retoma o seu espaço.

A estrutura do Getafe costuma ser muito sólida. É um time que sabe segurar o placar e se aproveitar da força defensiva. Porém, também com suas virtudes no ataque. Aproveita as enfiadas de bola e a qualidade individual dos jogadores. Atua de maneira agressiva, aproveitando o espaço do campo. E consegue manter seu ritmo ao longo da campanha, algo essencial em uma competição de pontos corridos. Os veteranos Jaime Mata e Jorge Molina são as duas grandes referências ofensivas, anotando mais da metade dos gols na campanha. E se os nomes não causam grande impacto, o grupo possui tarimba, a exemplo do goleiro David Soria, do zagueiro Leandro Cabreira e dos laterais Vitorino e Damián Suárez.

Neste domingo, a pancada sobre o Sevilla foi construída entre o final do primeiro tempo e o começo do segundo. Outra vez teve o protagonismo da dupla formada por Mata e Molina na linha de frente. Mata abriu o placar aos 35 minutos, cobrando um pênalti. Nos acréscimos, a situação piorou aos andaluzes, quando Sergio Escudero cometeu outro penal e recebeu o segundo amarelo. Molina converteu. E o resultado se concluiu logo no início da segunda etapa, em passe de Mata para Molina completar dentro da pequena área. Ficou fácil para os Azulones segurarem a vantagem, mesmo com a expulsão de Djené Dakonam a 15 minutos do fim.

O Getafe termina a rodada na quarta colocação, com 54 pontos. Aparece dois à frente do Sevilla, que vinha de três vitórias consecutivas. E o resultado também motiva o Valencia. Os Ches crescem nesta reta final da temporada e seguem de olho na situação. Fechando a rodada contra o Betis, têm 49 pontos. Mesmo Athletic Bilbao e Alavés ainda podem alimentar suas esperanças, ambos com 46. Se a briga pelo título morreu cedo desta vez no Espanhol, logo abaixo há uma disputa das mais interessantes.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo