La Liga

Guia de La Liga 2020/21 – Eibar

Este texto faz parte do Guia de La Liga 2020/21. Clique aqui e veja todos os clubes.

Por Daniel Souza e Guilherme Bianchini

Cidade: Eibar (País Basco)
Estádio: Ipurua (7.083)
Técnico: José Luis Mendilibar (Espanha)
Posição em 2019/20: 14º (42 pontos)
Títulos: nenhum
Projeção: briga pela permanência
Principais chegadas: Recio (MC/V, Leganés) e Damian Kadzior (MD/MEI, Dínamo Zagreb)
Voltaram de empréstimo: José Antonio Martínez (Z, Granada) e Roberto Olabe (MC/MEI, Extremadura)
Principais saídas: Ramis (Z, aposentado), Escalante (MC/V, Lazio), Cristóforo (MC/V, pertence à Fiorentina), Orellana (MD/MEI/ME, Valladolid), De Blasis (ME/MD) e Charles (A, Pontevedra)
Time-base (4-4-2): Dmitrovic; Arbilla, Paulo Oliveira, Bigas e Rafa Soares; Pedro León (Kadzior), Diop (Recio), Edu Expósito e Inui; Sergi Enrich e Kike García.

O time da menor cidade a ser representada na Primeira Divisão espanhola em toda a história segue firme para mais um ano. Fica repetitivo falar sempre, mas nunca é demais ressaltar. Eibar é uma cidade de menos de 30 mil habitantes do País Basco, e seu estádio, o Ipurua, tem capacidade para oito mil pessoas. Ainda assim, a equipe caminha para a sétima temporada seguida na Primeira Divisão. Isso jamais deve ser ignorado.

Apesar do feito, o último ano foi difícil, e as perspectivas para 2020/21 não são animadoras. O Eibar voltou da paralisação ameaçadíssimo pelo rebaixamento, mas uma pequena melhora nos resultados e o péssimo nível dos concorrentes fizeram com que a permanência viesse sem tantos sustos. Mas o 14º lugar já é um alerta de que o cenário de um clube que chegou a tangenciar disputas por vaga europeia mudou. A necessidade de remontar a equipe a cada temporada ganha contornos problemáticos em um contexto de pandemia e com uma janela curta. Ainda que reforços possam chegar, isso aconteceria com o campeonato já em andamento, comprometendo a adaptação ao modelo de jogo do clube.

José Luis Mendilibar, há cinco anos no comando (técnico há mais tempo dirigindo a mesma equipe de La Liga depois de Diego Simeone), se notabilizou por uma ideia clara que combina elementos de jogo direto com pressão alta e imposição física, mas sem abdicar de ter a bola quando necessário. Outro problema é que apesar de pequeno, o Ipurua e a torcida são parte fundamental da força do Eibar na Primeira Divisão. Enquanto a normalidade não se restaurar, pode-se dizer que o time basco é um dos que mais sentirá falta da totalidade do fator casa.

As saídas de peças como Orellana, Escalante, De Blasis e Charles, além da aposentadoria do capitão Iván Ramis, são um problema e tanto para o Eibar. Pior, todas essas saídas foram em fim de contrato, ou seja, não renderam dinheiro ao clube. Não à toa, a equipe ainda foi muito tímida no mercado. De mais significativo, apenas a chegada do experiente volante Recio, ex-Leganés, e do atacante polonês Damian Kadzior, ex-Dinamo de Zagreb. Nas próximas semanas da janela, a conhecida capacidade do clube basco de tirar coelhos da cartola no mercado, pagando pouco (ou nada), será testada ao limite.

A notícia mais positiva, sem dúvida, é a continuidade de Mendilibar, que terá provavelmente o seu maior desafio na luta pela permanência desde que chegou ao Eibar. Das principais referências em campo, o meio-campista Edu Expósito, o meia direita Pedro León e, principalmente, o ótimo goleiro Dmitrovic devem seguir no clube. Pelas mãos do sérvio passarão as esperanças dos armeros em mais um ano de La Liga.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo