La Liga

Diego Carlos, às lágrimas: “Queria me despedir pessoalmente, o Sevilla não merecia um adeus por redes sociais”

Diego Carlos voltou ao Sevilla apenas para se despedir do clube, bastante emocionado e grato por sua história

Diego Carlos acertou sua transferência para o Aston Villa há mais de um mês, no final de maio. O zagueiro já se aclimata a Birmingham e inicia a pré-temporada com os Villans. No entanto, o brasileiro ainda desejava um último ato pelo Sevilla. Nesta quinta-feira, ele retornou à sede dos rojiblancos para dar sua última entrevista no clube. Bastante emocionado, ele se despediu dos companheiros e declarou a gratidão pela história construída em três temporadas no Nervión. Belíssimo ato de quem transformou sua carreira na Andaluzia.

“Eu queria me despedir pessoalmente. Sai de Birmingham ontem, fui de carro até Londres, uma viagem longa, mas o Sevilla não merecia uma despedida por Instagram ou pelas redes sociais”, afirmou Diego Carlos. “O Sevilla não foi apenas um clube para mim. Foi uma casa, onde tive uma família. Todos os torcedores, todas as pessoas. Quero agradecer a todos pelo carinho a mim e à minha família. Eu venho de uma história muito difícil na minha vida. Pude crescer aqui como jogador, como ser humano e como pai de família. Conquistei coisas e agora é difícil tanto para mim quanto para meus filhos, porque o Sevilla me permitiu mudar a minha história e dos meus filhos”.

“Graças ao Sevilla, eu vou embora, mas aqui permanece um sevillista. Serei para sempre sevillista. Meu filho teve o imenso prazer de nascer nesta bendita cidade. Eu aprendi tudo no clube, desde que Monchi me contratou. Com a equipe técnica. Com jogadores como Fernando, Rakitic, Navas. Todos os dias eu aprendi algo novo. Todos os dias tiveram bons momentos, nunca houve um dia triste. Mesmo com todos os problemas, com a pandemia e tudo, tentamos estar para cima. Consegui tudo graças a eles”, complementou.

Contratado junto ao Nantes, Diego Carlos passou três temporadas com o Sevilla. O brasileiro disputou 136 partidas, com seis gols anotados. Colocou-se entre os melhores zagueiros de La Liga e teve papel importante na conquista da Liga Europa em 2019/20, especialmente ao se redimir de um pênalti para contribuir ao gol decisivo com uma bicicleta. Também se projetou a ponto de ganhar a primeira convocação para a seleção brasileira, assim como para ajudar na conquista do ouro olímpico.

Diego Carlos comentou seus objetivos pelo Aston Villa: “Pouco a pouco, com o tempo, poderemos conquistar um título. Agora queremos fazer uma temporada melhor. Tenho que defender o meu clube. Eu vou por um motivo esportivo. Tenho muitas ambições comigo, gosto de encarar novos ciclos. Para mim, como jogador, disputar a Premier League é importante. Minha idade é apropriada para tentar”.

Por fim, o defensor comentou como deseja se reencontrar em campo com os colegas sevillistas: “O futebol é muito pequeno. Eu estou certo de que voltarei a ver meus companheiros, coincidiremos em alguma partida. Vou com o coração partido. Ao vê-los treinando… foram três anos treinando juntos. Desejo sorte. O Sevilla será para sempre a minha casa”.

O Aston Villa pagou €31 milhões pela contratação de Diego Carlos, mais que o dobro desembolsado pelo Sevilla há três temporadas. Aos 29 anos, o beque deixa de disputar a Champions League, mas fará parte de um projeto ambicioso liderado por Steven Gerrard no Villa Park. Até o momento, os Villans gastaram €54 milhões na janela de transferências. Também contrataram em definitivo Philippe Coutinho e Robin Olsen, além de buscarem sem custos o volante Boubacar Kamara.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo