La Liga

Bordalás x Getafe, expulsão aos 39 segundos e um novo herói no gol: A vitória do Valencia na abertura de La Liga foi cheia de histórias

Aos 20 anos, Giorgi Mamardashvili chegou para ser o terceiro goleiro do Valencia e fechou o gol contra o Getafe

La Liga iniciou sua temporada de 2021/22 com uma grande história: o Valencia, agora treinado por Pepe Bordalás, encarou o Getafe, clube onde o treinador despontou. E o duelo no Mestalla, com público parcial, guardaria detalhes ainda melhores. Uma expulsão logo com 39 segundos de bola rolando deixou os valencianos com dez homens em campo. Mesmo assim, a equipe da casa conseguiu arrancar a vitória por 1 a 0. Contou com uma grande atuação defensiva, como manda a cartilha de Bordalás. Mas também teve um protagonista inesperado: o goleiro Giorgi Mamardashvili, de 20 anos. O georgiano foi contratado, em teoria, para ser o terceiro na hierarquia e é bem capaz de tomar a posição, depois de colecionar milagres contra os Azulones.

Mamardashvili chegou ao Valencia por empréstimo, após se destacar pelo Lokomotive Tbilisi, no Campeonato Georgiano. O jovem goleiro tinha sido convocado para a seleção principal de seu país durante a Data Fifa de março, embora não tenha entrado em campo, e virou uma aposta diante dos problemas do clube espanhol na posição. Tanto Jasper Cillessen quanto Jaume Domènech se recuperam de lesão, o que fez Bordalás escalar Mamardashvili durante a pré-temporada. O novato se sobressaiu nos amistosos, especialmente contra o Milan, e transmitia segurança para estrear por La Liga nesta sexta.

<iframe width="100%" height="580" src="https://www.sofascore.com/pt/evento/9602720/formacoes/inserir" frameborder="0" scrolling="no" style="max-width: 770px"></iframe>    <div style="font-size:12px;font-family:Arial,sans-serif"><a href="https://www.sofascore.com/pt/getafe-valencia/Dgbsjhb" target="_blank" rel="noopener">Placar ao Vivo Valencia - Getafe</a></div>

O jogo, no entanto, se prometeu duro ao Valencia logo de cara. Aos 39 segundos, Hugo Guillamón chegou rasgando numa dividida com Nemanja Maksimovic na intermediária e entrou de sola na canela do adversário. O lance ainda foi para a revisão do VAR, mas rendeu o vermelho direto para o meio-campista valenciano. Apesar da desvantagem numérica, entretanto, os Ches ganharam um pênalti antes dos dez minutos. Denis Cheryshev foi derrubado após jogada individual pela esquerda e, na cobrança, Carlos Soler deslocou o goleiro David Soria para balançar as redes.

Com um jogador a menos, o Valencia jogou ao melhor estilo Bordalás, marcando firme e atacando rápido. Assim, segurou a pressão do Getafe, agora dirigido por Míchel. Mamardashvili faria sua principal defesa durante a etapa inicial numa cobrança de falta de Hugo Darmián. Porém, a principal intervenção antes do intervalo foi de David Soria, bloqueando Cheryshev no mano a mano. Já no segundo tempo, os Azulones também ficaram com dez, após Erick Cabaco receber o segundo amarelo aos 31. Mas foi em igualdade numérica que Mamardashvili mais brilhou.

Depois de ser salvo pela trave numa pancada de Mauro Arambarri, Mamardashvili faria seus dois principais milagres depois dos 39. Primeiro, buscou no chão um tiro seco de Hugo Duro. Já nos acréscimos, numa bola alçada na área, Maksimovic chutou prensado e o georgiano foi incrível para espalmar, conseguindo a recuperação mesmo depois do desvio na zaga. Ainda contaria com a sorte de novo no rebote, quando José Macías carimbou o poste, ao concluir na pequena área – embora estivesse impedido.

A chegada de Pepe Bordalás gera esperanças de que o Valencia não passe tanto sufoco quanto na temporada passada e almeje a vaga nas copas europeias. Há um elenco para fazer mais, embora o caos administrativo tenha atrapalhado muito os Ches. Apesar de todo o drama em campo, a vitória no Mestalla serve para animar a torcida. Ainda mais quando, de repente, ela conhece um novo herói: aos 20 anos, Mamardashvili deve ter um longo caminho pela frente na Comunidade Valenciana.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo