La Liga

Benzema continua afiadíssimo e acertou um chute perfeito no empate com o América do México

Ausente contra o Barcelona, Benzema repetiu o encantamento tão frequente durante a última temporada

Karim Benzema fez falta no último clássico entre Real Madrid e Barcelona, disputado nos Estados Unidos. O craque voltou à equipe nesta terça-feira, para encarar o América do México em outro amistoso, agora em São Francisco. E o veterano voltou a encantar, como tantas vezes conseguiu ao longo da última temporada. O centroavante acertou um chute perfeito e deixou sua marca com poucos minutos em campo. Mesmo assim, os merengues esbarraram no empate por 2 a 2 com os mexicanos.

Benzema era a principal novidade do Real Madrid na partida. Só que os merengues tiveram que lidar com seus percalços. Logo aos cinco minutos, o América abriu o placar com Henry Martin. Aos 22, o empate dos espanhóis seria cortesia de Benzema. O artilheiro tabelou com Marco Asensio e, da entrada da área, deu um tapa caprichoso na bola. O tiro fez uma curva para fora, o suficiente para sair do alcance de Guillermo Ochoa e morrer no canto inferior. Lance de quem sabe.

Benzema ainda quase fez outro golaço no primeiro tempo. Substituído no intervalo, o francês viu do banco a virada do Real Madrid, garantida por Eden Hazard cobrando pênalti. Aurélien Tchouaméni era um dos destaques pela forma como buscava o ataque e o goleiro reserva do América, Óscar Jiménez, evitava um saldo pior. Contudo, os mexicanos conseguiram o empate aos 37. Álvaro Fidalgo converteu pênalti e fechou a contagem.

O resultado não é o melhor para o Real Madrid, ainda que não signifique problemas. O time não está no maior dos ritmos, mas ainda assim teve bons momentos na noite. Benzema, por sua vez, não perdeu o fio da meada. Precisou de pouquíssimo para demonstrar como continua afiado para sonhar com novos feitos à frente dos merengues.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo