La Liga

Bale terá que manter a consistência se quiser seguir com seu lugar no Real Madrid

Gareth Bale vive uma temporada de afirmação. Foi contratado como o jogador mais caro do mundo em 2013 (€ 101 milhões, embora o Real Madrid diga que custou menos que Cristiano Ronaldo, que custou € 94 milhões em 2009). Em 2016/17, o galês teve quatro lesões sérias, que o afastaram por longos 29 jogos ao longo da temporada. Com a ascensão de Isco, que se tornou titular e importante, Bale perdeu o lugar no time. Neste início de temporada, tem recebido oportunidades para mostrar seu futebol e foi elogiado por Zinedine Zidane.

LEIA TAMBÉM: Bale mostra como às vezes é fácil para um ídolo deixar uma criança muito feliz

Apesar de ter recebido chances, Bale foi vaiado por torcedores em casa, no estádio Santiago Bernabéu, especialmente em dois empates do time contra Levante e Valencia. Contra a Real Sociedad, no fim de semana, Bale marcou um dos gols na vitória por 3 a 1, em uma jogada típica: em velocidade, com um toque na saída do goleiro. Foi assim que o galês se consagrou nos tempos de Tottenham, antes de ir para o Real Madrid e se tornou importante para o time nas primeiras temporadas. As lesões o atrapalharam e o baixo rendimento também. Com as lesões, perdeu de vez o lugar no time.

Neste início de temporada, ganhou chances com a suspensão de Cristiano Ronaldo e, agora, com a lesão de Karim Benzema. O centroavante segue fora do time para a partida desta próxima quarta-feira, quando o time enfrenta o Betis, em casa. Com a volta de Cristiano Ronaldo, espera-se que os dois atuem no ataque. O Real Madrid ainda terá o desfalque de Mateo Kovacic e Theo Hernández.

Alguns analistas na Espanha avaliaram que Bale não se adéqua ao estilo de mais posse de bola de Zidane e que prefere jogar em velocidade, com contra-ataques. Zidane, porém, não concorda com essa análise. “Não é errado dizer que Bale com espaço pode causar problemas a qualquer time, com a velocidade que ele tem”, afirmou o treinador, em entrevista coletiva nesta terça-feira.

“Nós vimos isso com o gol que ele marcou no outro dia. Mas dito isso, Bale é muito bom tecnicamente, ele não tem problemas para jogar bem com pouco espaço, se ligando a outros jogadores. Para mim, ele é um jogador completo”, disse ainda o treinador, que lembrou que Bale não está 100% depois de uma temporada cheia de lesões. Para o treinador, as vaias no Santiago Bernabéu podem servir como motivação para o galês.

“Este estádio já vaiou todo mundo, acho que não tem um jogador que não enfrentou isso”, disse Zidane. “Mas isso faz parte da carreira e é bom em si. Não sempre, mas às vezes é bom perceber que você não está indo bem”, continuou. “Não falo especificamente sobre Bale, mas sobre os jogadores em geral. Eu tive essa experiência e eu acredito que foi bom. Você quer reagir e jogar melhor no próximo jogo, certamente”.

Bale foi titular em três dos quatro jogos do Real Madrid até aqui no Campeonato Espanhol. Deve ser mais uma vez no sábado. Terá mais uma chance de mostrar o seu valor e tentar dar um problema a Zidane na escalação do time. Afinal, Isco não pode deixar o time, nem Cristiano Ronaldo. Casemiro, Modric e Kroos também parecem difíceis de serem substituídos. Sobra, então, justamente para Benzema, machucado.

Bale é um jogador que pode, sim, se adaptar ao jogo mais cadenciado do Real Madrid. Ele mesmo admitiu que é preguiçoso, o que é um problema para o time, defensivamente. Com Isco, o time ganha um meio-campo mais povoado e um jogador que se dedica mais na marcação. Bale junto a Cristiano Ronaldo e Benzema exige  um sacrifício grande, especialmente dos dois últimos para acomodarem tantos craques. Com a ascensão de risco, só há espaço para dois do ataque BBC. Bale precisará mostrar consistência por mais tempo para provar que ele tem que estar no 11 inicial. Por enquanto, é uma excelente opção de banco quando o time estiver completo.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo