Espanha

Jonathan Soriano se aposenta como um atacante que não figurou no primeiro escalão, mas que colecionou ótimas histórias

Jonathan Soriano chegou "velho" para o Barça B, arrebentou e virou uma lenda do Red Bull Salzburg

No dia em que completou 36 anos, Jonathan Soriano anunciou sua aposentadoria. O atacante não é daqueles jogadores tão conhecidos do grande público. Nunca defendeu a seleção principal da Espanha e também nunca disputou as fases principais da Champions League. O futebol, porém, não é feito apenas do ápice. Mesmo circulando fora da elite, Soriano construiu uma carreira bastante singular e com seus momentos de destaque. Mais do que isso, o veterano terá boas histórias para contar, e talvez seja exatamente esse privilégio que torne seu nome lembrado por diversos torcedores.

Cria do Espanyol, Soriano teve uma boa reputação quando estava nas categorias de base. O atacante defendeu todas as seleções da Espanha do sub-17 ao sub-21, além de ter jogado pela seleção da Catalunha ainda na adolescência. Chegou a brilhar especialmente no Campeonato Europeu Sub-17 e, por isso, era visto como uma grande promessa pelos Pericos. Entretanto, ele nunca estourou em Cornellà-El Prat. Em 55 aparições com a camisa do Espanyol, Soriano anotou apenas quatro gols. A partir de sua estreia em 2002/03, o centroavante atuou em seis temporadas distintas com os catalães. Chances não faltaram, até que o jovem saísse como uma promessa frustrada em janeiro de 2009, negociado sem custos com o Albacete.

Jonathan Soriano também não se deu bem no novo clube, mesmo disputando a segunda divisão do Campeonato Espanhol. Para a temporada 2009/10, então, ele recebeu o convite que mudaria sua carreira: o Barcelona queria contratá-lo. O jogador de 24 anos, contudo, não seria comandado por Pep Guardiola no elenco principal. Ele seria levado para o Barça B, na terceira divisão, como uma espécie de tutor para os jogadores da base que começavam a ganhar rodagem. O espanhol agarraria aquela proposta como a grande oportunidade de sua vida e realmente fez a diferença.

No Barça B, Soriano era um dos únicos três jogadores acima dos 23 anos. O grosso do elenco não passava dos 20 e reunia nomes futuramente conhecidos – como Thiago Alcântara, Nolito, Marc Bartra, Jonathan dos Santos, Oriol Romeu e Sergi Roberto. Sob as ordens de Luis Enrique, aquele time conseguiu conquistar o acesso para a segundona do Campeonato Espanhol. Soriano foi um dos grandes responsáveis por aquele feito, artilheiro do time com 22 gols, quatro deles nos playoffs de promoção. O goleador seria até recompensado com uma oportunidade no time principal, entrando no segundo tempo contra a Cultural Leonesa pela Copa do Rei. Sua missão, de qualquer forma, era outra.

Com o sucesso do segundo quadro, alguns jovens foram promovidos para o elenco principal do Barcelona. Jonathan Soriano continuou como o “medalhão” do Barça B na segunda divisão. Ainda sob as ordens de Luis Enrique, viveria uma temporada mais espetacular em 2010/11. O centroavante marcou 32 gols e foi o artilheiro da segundona naquela edição. Os blaugranas terminaram na terceira colocação e não disputaram os playoffs de acesso pela impossibilidade de subir, mas registravam ali a melhor campanha de sua história. Ficava claro como a filial estava pequena demais para o goleador. E se Guardiola não abriria as portas para o atacante, o Red Bull Salzburg resolveu contratá-lo.

Jonathan Soriano tinha 26 anos quando se mudou para a Áustria, em janeiro de 2012. A Red Bull pagou €500 mil pela contratação do atacante, um valor baixo pelo fato de que ele nunca tinha correspondido na elite espanhola, mas que logo se provaria irrisório. De novo num ambiente em que servia de referência a companheiros mais jovens, num elenco de baixa média de idade, Soriano virou ídolo dos Touros Vermelhos. Até levou um tempo para se adaptar, sem emplacar no segundo semestre do Campeonato Austríaco de 2011/12, mesmo campeão. Depois disso, virou um monstro para empilhar gols e conduzir o clube a mais títulos.

Jonathan Soriano e Alan

Curiosamente, o Red Bull Salzburg perdeu a Bundesliga para o Austria Viena na primeira temporada completa de Soriano, em 2012/13. Nem mesmo os 26 gols anotados pelo reforço, rendendo a artilharia do torneio, foram suficientes aos Touros Vermelhos. Por isso mesmo, ele tirou a barriga da miséria para recuperar a taça em 2013/14: foram impressionantes 31 gols e 16 assistências, em míseras 28 partidas. Já o bicampeonato em 2014/15 rendeu também a terceira artilharia consecutiva ao espanhol, de novo com 31 gols. Em 144 partidas pelo Campeonato Austríaco, Soriano somou 120 gols e 50 assistências, na lista histórica como 11° maior goleador da competição.

Jonathan Soriano chegou a fazer cinco gols num mesmo jogo do Campeonato Austríaco, nos 8 a 0 sobre o pequeno Grödig. Mas certamente a noite mais especial para o atacante aconteceu num jogo contra o Wolfsberger, quando anotou “só” uma tripleta. O espanhol, porém, nem era cotado para entrar em campo naquela noite, por ter sido liberado para acompanhar o nascimento da filha. Depois do parto, o centroavante ainda quis ir para a partida e jogou a metade final na Red Bull Arena. Marcou três gols no triunfo por 6 a 2 e pôde levar a bola para casa, num imenso presente para a recém-nascida.

Ao longo de sua passagem pelo Red Bull Salzburg, Soriano conviveu com o tabu do clube na Champions League. Foram quatro tentativas de colocar os Touros Vermelhos na fase de grupos, mas a eliminação sempre vinha nas preliminares. O desempenho mais impressionante ocorreu em 2016/17, quando o artilheiro fez três gols e deu três assistências nos seis jogos qualificatórios. Entretanto, os austríacos perderam a classificação na prorrogação contra o Dinamo Zagreb. Ao menos, na Liga Europa, Soriano escreveria uma história bonita. Foram 18 gols em 23 partidas pelo torneio. Ele seria inclusive artilheiro em 2013/14, com oito gols em sete jogos. Foi nesta campanha que ele marcou o gol mais fantástico de sua carreira, ao acertar um chute por cobertura do círculo central contra o Ajax, nos 16-avos de final. A campanha iria até as oitavas, com a eliminação diante do Basel.

Soriano totalizou 172 gols e 72 assistências em 202 aparições pelo Red Bull Salzburg. Conquistou cinco títulos do Campeonato Austríaco, liderando as quatro primeiras conquistas no atual octocampeonato. Também levou cinco vezes a Copa da Áustria. O maior legado em Salzburg, todavia, é o exemplo para uma série de jovens talentos que desabrocharam ao seu lado. O brasileiro Alan foi o principal parceiro naqueles cinco anos, mas a lista de companheiros promissores incluiu ainda Sadio Mané, Naby Keita, Marcel Sabitzer, Dayot Upamecano e outros tantos. Como capitão, certamente Soriano deixou suas lições.

A saída de Jonathan Soriano aconteceu em janeiro de 2017, quando o Beijing Guoan pagou €15 milhões por sua transferência. Era uma proposta alta demais para o Red Bull Salzburg recusar e também a chance para o jogador de 31 anos encher seus bolsos de dinheiro. O veterano ainda manteve bons números, com 25 gols e cinco assistências em 31 aparições pelo Campeonato Chinês, além da conquista da Copa da China. Sairia em 2018/19, para uma rápida e frustrada estadia no Al-Hilal, da Arábia Saudita. Já em 2019/20, retornou à Espanha. Tentaria o acesso com o Girona, sem sucesso. Isso até ficar sem contrato e se aventurar brevemente no Castellón durante a última segundona.

No anúncio de sua aposentadoria, Soriano escreveu uma carta de agradecimento ao futebol. E o futebol certamente foi generoso com o atacante, ao providenciar um caminho diferente para que ele vivesse suas glórias. De uma possível promessa perdida, o centroavante ressurgiu de maneira surpreendente no Barça B e virou uma lenda no Red Bull Salzburg. Foi o suficiente para que o espanhol desfrutasse e também para que muita gente reconhecesse seu talento para marcar gols. Depois de 273 tentos, chegou a hora do adeus.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo