EspanhaLa Liga

A vitória sobre o Leganés serviu para que Asensio e Morata mostrassem serviço ao Real

O Real Madrid tinha a obrigação de vencer nesta quarta-feira. Jogava fora de casa, mas contra o inofensivo Leganés, ameaçado pelo rebaixamento. Diante do nível dos adversários, Zinedine Zidane resolveu escalar um time repleto de reservas, dando descanso aos seus astros do meio para frente – certamente pensando no clássico contra o Atlético de Madrid no final de semana. E os substitutos deram conta do recado, apesar do susto ao final do primeiro tempo. Abriram vantagem rapidamente e, depois que o time da casa encostou no placar, mataram o jogo na segunda etapa. Vitória por 4 a 2, que assegura os merengues por mais uma rodada na liderança, com dois pontos de vantagem sobre o Barcelona, que ainda tem um jogo a mais.

LEIA MAIS: Em oito minutos impossíveis do trio MSN, o Barcelona pulverizou o Sevilla

Se o Barça viveu oito minutos impossíveis contra o Sevilla no Camp Nou, o mesmo aconteceu com o mistão do Real, entre os 15 e os 23 do primeiro tempo. James Rodríguez abriu o placar, após jogadaça de Marco Asensio. Logo na sequência, Álvaro Morata demonstrou o seu oportunismo e a capacidade nas finalizações, balançando as redes duas vezes – uma de cabeça e outra em chute colocado, na saída do goleiro. Tudo indicava para uma goleada madridista, até a reação do Leganés a partir de seus atacantes brasileiros, com a colaboração da defesa adversária.

Formado no Resende e trazido da Juventus, Gabriel Appelt fez o primeiro aos 32. Já aos 34, o ex-corintiano Luciano completou na pequena área. Susto que fez o Real Madrid acordar. Passou a controlar mais o jogo e ampliou a vantagem no início do segundo tempo, em lance confuso após cobrança de falta, com La Liga computando o gol a Morata. Ao final, o jogo caiu de ritmo e os merengues só ficaram mais próximos do quinto nos acréscimos, em defesaça de Herrerín em belíssimo lance de Lucas Vázquez.

Mais importante que o resultado ou a forma em si é o questionamento sobre a utilidade de alguns reservas merengues. Sobretudo no ataque, os suplentes não possuem o renome dos titulares. Mas merecem um pouco mais de atenção. Karim Benzema vive uma das piores temporadas desde que chegou ao Santiago Bernabéu, embora continue aparecendo em momentos cruciais. Por outro lado, Morata vem mostrando serviço quando solicitado. Com os dois gols desta quarta, só fica atrás de Cristiano Ronaldo na artilharia da equipe no Espanhol. E com uma produtividade maior do que qualquer outro, com um tento a cada 88 minutos em campo. Precisa melhorar, no entanto, a participatividade na construção dos ataques, assim como o posicionamento, por vezes impedido em excesso.

Já o melhor em campo nesta quarta foi Marco Asensio. O jovem de 21 anos tem correspondido bem nos minutos que ganha em campo com Zidane. Desta vez, azucrinou a defesa do Leganés com seus dribles em velocidade. Não vai ser o homem a barrar qualquer um dos titulares. Ainda assim, pode ser bastante decisivo na reta final das competições, considerando as suas características. Além dos dois, Lucas Vázquez chamou a responsabilidade em alguns momentos, mas sem conseguir desequilibrar. James Rodríguez e Mateo Kovacic também ajudaram, mesmo que abaixo daquilo que podem fazer.

A profundidade do elenco é um ponto importante nestas semanas derradeiras da temporada. Graças à decisão de Zidane, os titulares estarão mais inteiros para a maratona contra Atlético de Madrid e Bayern de Munique. Ao mesmo tempo, é importante ver também quem pode mudar o panorama de um jogo a partir do banco de reservas. Não apenas para garantir os três pontos, a vitória sobre o Leganés serviu para que alguns nomes ressaltassem suas condições.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo