Copa do Mundo

Salvador ainda não tem metrô: tem um ferrorama

SALVADOR – A espera foi longa demais, e o resultado, decepcionante. Catorze anos depois do início das obras, Salvador enfim tem um metrô. A Linha 1 foi inaugurada na última quarta-feira, com a presença da presidente Dilma Rousseff. Mas a boca do povo, essa cruel fonte de piadas, deu um nome diferente para o novo meio de transporte da capital baiana. Muitos dos soteropolitanos chegados a uma ironia estão chamando-o de “ferrorama”.

LEIA MAIS: Os filhos são de Gandhi, mas a torcida foi pela família Scolari

E não é por pura maldade. Porque, em 14 anos, Salvador ganhou apenas quatro estações de metrô. Começa na Lapa, região central, e vai subindo por Campo da Pólvora, Brotas e Acesso Norte.  São 5,6 quilômetros de trem, em uma cidade com 630 mil metros quadrados. Esse número sobe para 7,3 quilômetros no fim de junho, quando a estação do Retiro for inaugurada.

“A verdade é que liga nada a porra nenhuma”, diz o estudante de direito Daniel Miguel, 26 anos. Também ressaltou que o trânsito de Salvador, uma reclamação constante de moradores e taxistas, autoridade em qualquer tipo de assunto, está ficando impraticável. “Qualquer lugar a que você vai em Salvador, tem engarrafamento. Daqui a pouco, vai ficar que nem São Paulo, com rodízio”, completa.

Ao menos, o metrô de Salvador liga a casa de Manuela Santos, 30 anos, na Lapa, ao seu trabalho de administradora no Campo da Pólvora. “Para mim, é ótimo. Eu não preciso pegar o engarrafamento. Eu poderia ir a pé, mas chego toda suada. Gostei. Para mim, ajuda”, explica, sem antes dar uma cutucada no atraso. “Quando fiquei sabendo do metrô, era adolescente. Hoje sou adulta, casada, e só agora estou vendo o metrô”, continua.

VEJA TAMBÉM: Recife holandesa? Nesta semana, a capital invadida pela Holanda é Salvador

A promessa do governo do Estado, que assumiu a obra da prefeitura ano passado, é completar a Linha 1, planejada para alcançar Pirajá, mais ao norte da cidade, em 2015. Um professor que passava pelo Campo da Pólvora acredita que o governador Jaques Wagner, inclusive, é o principal responsável por tirar a obra do papel. Ele não quis se identificar, mas parecia conhecer todo mundo. Era cumprimentado a cada cinco segundos pelos pedestres. “Foi por causa de Wagner que (o metrô) inaugurou. Os outros governos tiveram dinheiro na mão e não fizeram nada”, conta.

Alheio a questões políticas ou práticas, Leandro Bonfim, eletrotécnico de 32 anos, queria apenas se divertir. Acompanhado da mulher, compareceu à inauguração, na quarta-feira, e na última quinta voltou ao metrô, apenas para passear, com os colegas do trabalho. Subiu ao trem no Campo da Pólvora. “Vamos pegar até a Lapa e depois voltar. Assim fazemos todo o percurso”, anunciou ao grupo que o acompanhava. Por que tanta vontade de andar de trem? “É a novidade. Ainda é pequeno, mas vai ajudar (a cidade). E se precisarem, eu posso olhar a parte elétrica”, afirma Leandro, feliz por mais uma vez poder brincar de ferrorama.

Atualizada em 16 de junho, às 9h49: realmente, o governo assumiu a obra apenas no ano passado das mãos da prefeitura. Peço desculpas pelo erro. 

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo