Copa do Mundo

Mesmo com Japão melhor em boa parte do jogo, Croácia se classifica nos pênaltis com brilho do goleiro Livakovic

Com três defesas do goleiro Livakovic na disputa de pênaltis, a Croácia consegue a classificação após empate por 1 a 1 no tempo normal

Foi sofrido, mas a Croácia mais uma vez sobreviveu a uma prorrogação e pênaltis. Na primeira disputa que não foi resolvida nos 90 minutos nestes jogos eliminatórios da Copa do Mundo 2022, a Croácia superou o Japão nos pênaltis por 3 a 1, depois de empate por 1 a 1 no tempo normal. Os croatas superam mais uma disputa desse tipo, algo que viveram muito em 2018: venceram Dinamarca e Rússia dessa forma, antes de bater a Inglaterra na prorrogação.

O Japão vive a frustração de novamente cair nas oitavas de final, depois de uma campanha que entrará para a história, com vitórias sobre Alemanha e Espanha. Mesmo melhor em boa parte do jogo, os japoneses não conseguiram se impor. Abriram o placar no primeiro tempo e poderiam ter feito mais, mas tomaram o empate no segundo tempo e não tiveram pernas para buscar o resultado. Nos pênaltis, os japoneses tiveram um desempenho sofrível: erraram três dos quatro pênaltis cobrados. Os croatas só erraram um entre quatro e, assim, venceram. A Croácia espera o vencedor de Brasil x Coreia do Sul para saber seu adversário, na próxima sexta-feira, dia 9.

Escalações

O técnico do Japão, Hajime Moriyasu, fez algumas mudanças no time que se classificou contra a Espanha. Takehiro Tomiyasu entrou no time no lugar de Ko Itakura. No meio-campo, Wataru Endo voltou ao time titular no lugar de Ao Tanaka, autor do gol da vitória sobre a Espanha. No ataque, Ritsu Doan ganhou a posição de Takefusa Kubo.

Na Croácia, Marko Livaja deixou o time para a entrada de Bruno Petkovic no centro do ataque. Borna Sosa, machucado, ficou fora e quem entrou no seu lugar foi Borna Barisic. Foi a única mudança em relação ao time que empatou por 0 a 0 com a Bélgica e selou a classificação.

Primeiro tempo: Japão vai melhor

Foi um primeiro tempo equilibrado, com a Croácia tendo mais a posse de bola e o Japão tentando acelerar com a bola, algo que é sua característica. Os japoneses se defendiam fechando bastante o meio, até por estarem com três zagueiros, e com os alas recuando para formar uma linha de cinco. No ataque, porém, o time avançava com os alas atuando como pontas, abrindo o jogo.

Logo aos dois minutos, o Japão teve uma chance. Em escanteio trabalhado pela direita, com jogada ensaiada, Ritsu Doan tocou para Wataru Endo, que cruzou para a área e Shogo Taniguchi subiu e tocou de cabeça, mas errou o alvo. Aos sete minutos, Tomiyasu erra e perde a bola para Ivan Perisic, que fica com a bola na ponta esquerda e chuta para defesa de Shuichi Gonda.

Os croatas rondavam a área dos japoneses, mas sem criar muitas chances de fin4alização com perigo. O Japão melhorou no jogo quando seus atacantes centralizaram mais, com Ritsu Doan e Daichi Kamada centralizando e criando superioridade numérica por ali. Assim, os japoneses começaram a conseguir ficar mais tempo coma posse de bola.

Em uma belíssima jogada pelo meio, o Japão conseguiu criar espaços em meio a uma marcação acirrada. Morita estava pressionado, deu de calcanhar, achou Maeda, que tocou para trás para Endo e ele enfiou pelo meio para Kamada, que finalizou por cima, aos 40 minutos.

Melhor no jogo, o Japão chegou ao gol. Nova jogada ensaiada do Japão, com Ritsu Doan tocando para Kamada, que acionou Junya Ito. Ele devolveu de primeira para Doan cruzar para a área, Yoshida tocou na bola, que sobrou para Maeda, na pequena área, colocar na rede: 1 a 0. Um gol que nasce de uma jogada bem ensaiada pelos japoneses, algo que já tinha acontecido.

O Japão foi melhor no primeiro tempo, conseguiu correr poucos riscos e foi melhorando na partida até conseguir o gol. Foi para o intervalo com a vantagem, algo que não tinha acontecido nesta Copa do Mundo, já que as duas vitórias dos Samurais Azuis, contra Alemanha e Espanha, vieram no segundo tempo e sempre de virada.

Segundo tempo: Croácia empata e Japão cai fisicamente

Os times voltaram sem qualquer alteração para o segundo tempo. No início do segundo tempo, os japoneses conseguiram levar algum perigo em um chute de Kamada, que passou por cima do gol.

A Croácia conseguiu o empate ainda no começo do segundo tempo. Em uma boa bola levantada para a área pelo zagueiro Dejan Lovren, Ivan Perisic conseguiu cabecear forte e colocou no canto, sem chance para Gonda: 1 a 1, aos nove minutos.

Os japoneses tentaram retomar a vantagem nos minutos seguintes, em chute de fora da área de Endo e trabalhando a bola no ataque. A Croácia ameaçou também de fora da área, em um chute forte de Luka Modric, que obrigou Gonda a uma boa defesa.

Os croatas fizeram a sua primeira mudança no jogo com a entrada de Ante Budimir no lugar de Bruno Betkovic. O técnico Hajime Moriyasu fez duas mudanças aos 19 minutos. Colocou em campo Kaoru Mitoma e Takuma Asano nos lugares de Yuto Nagatomo e Daizen Maeda.

A Croácia ameaçou aos 21 minutos, em um chute de Perisic que desviou em Morita e Budimir cabeceou, mas mandou fora. O técnico croata mudou mais uma vez aos 23 minutos, com a entrada de Mario Pasalic no lugar de Andrej Kramaric.

As chances rarearam na partida. A Croácia não conseguiu aumentar o ritmo e o Japão també perdeu intensidade. Aos 34 minutos, Tomiyasu recebeu com liberdade dentro da área e girou rápido para tocar para o meio. Perdeu a chance de finalizar, já que tinha liberdade. O jogo parecia destinado a uma prorrogação. Foi o que aconteceu, depois de quatro minutos de acréscimos. Japão e Croácia foram os primeiros a jogar uma prorrogação.

Prorrogação: o cansaço predomina

No início da prorrogação, aos oito minutos, Luka Modric deixou o gramado para a entrada de Lovro Majer. Entrou também Nikola Vlasic no lugar de Mateo Kovacic. Uma renovação no meio-campo para colocar jogadores descansados e tentar vencer.

Até pelo cansaço, os dois times se arriscavam pouco e por vezes usavam de bolas longas para tentarem chegar ao ataque. Com isso, o ritmo do jogo era mais lento, com mais toques de bola e menos arrancadas.

Só que um jogador tentou ganhar na velocidade. Kaoru Mitoma, que entrou na ala esquerda, saiu em velocidade do campo de defesa, foi passando por todo mundo, carregou a bola, puxou para o meio quando chegou perto da área e chutou forte, exigindo boa defesa de Livakovic. O chute foi no meio do gol, mas foi forte e criou dificuldade.

No segundo tempo da prorrogação, os dois times vieram com mudanças. Ao Tanaka entrou no meio-campo dos Samurais Azuis substituindo Hidemasa Morita, enquanto a Croácia colocou em campo Marko Livaja, substituindo Ante Budimir, e Mislav Orsic no lugar de Ivan Perisic.

Os dois times estavam muito cansados e raramente conseguiam acelerar. Eram poucos os lances de ataque, com os jogadores cansados. Já aos 120 minutos, em uma retomada de bola em saída errada do Japão. Lovro Majer chutou de fora da área e errou o alvo. Não teve gol: a disputa seria definida nos pênaltis.

Pênaltis

Quem começou foi Takumi Minamino. O jogador do Monaco cobrou mal e Livakovic defendeu. Nikola Vlasic cobrou forte, cruzado de pé direito, e marcou pela Croácia. Na segunda cobrança, Mitoma cobrou cruzado e novamente Livakovic defendeu. Nada de gol do Japão. Marcelo Brozovic cobrou o segundo pela Croácia e marcou 2 a 0.

O Japão finalmente marcou com Takuma Asano, na terceira cobrança, mas a desvantagem era grande. Livaja foi o cobrador seguinte da Croácia e bateu na trave. Só que o Japão não aproveitou: Maya Yoshida, o capitão japonês, cobrou e Livakovic defendeu mais um. Ficou tudo nos pés de Mario Pasalic. Se ele marcasse, seria o gol da classificação. Ele cobrou e marcou: 3×1 nos pênaltis.

Ficha técnica

Japão 1×1 Croácia (1×3 nos pênaltis)

Local: Estádio Al Janoub, em Al Wakrah
Árbitro:  Ismail Elfath (Estados Unidos)
Gols: Daizen Maeda (Japão), Ivan Perisic (Croácia)
Cartões amarelos:
Mateo Kovacic, Borna Barisic (Croácia)
Cartões vermelhos:
nenhum

Japão: Suichi Gonda; Takehiro Tomiyasu, Maya Yoshida e Shogo Taniguchi; Junya Ito, Wataru Endo, Hidemasa Morita (Ao Tanaka) e Yuto Nagatomo (Kaoru Mitoma); Ritsu Doan (Takumi Minamino), Daizen Maeda (Takuma Asano) e Daichi Kamada (Hiroki Sakai). Técnico: Hajime Moriyasu

Croácia: Dominik Livakovic; Josip Juranovic, Dejan Lovren, Josko Gvardiol e Borna Barisic; Marcelo Brozovic, Mateo Kovacic (Nikola Vlasic) e Luka Modric (Lovro Majer); Andrej Kramaric (Mario Pasalic), Bruno Petkovic (Ante Budimir, depoois Marko Livaja) e Ivan Perisic (Mislav Orsic). Técnico: Zlatko Dalic

https://www.youtube.com/watch?v=H9g6JoNSx1Y
Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo