Copa do Mundo

Hajime Moriyasu, técnico do Japão: “Não é exagero dizer que este é um momento histórico e uma vitória histórica”

Moriyasu falou sobre o simbolismo do resultado contra a Alemanha e a impressão positiva do futebol asiático, após a vitória da Arábia Saudita sobre a Argentina

Se um dia Doha representou um trauma para a seleção japonesa, com a chance perdida de classificar o país à sua primeira Copa do Mundo em 1994, a capital catariana agora se transforma no palco da vitória mais emblemática dos Samurais Azuis em Mundiais. Após a virada por 2 a 1 sobre a Alemanha, os nipônicos não negaram o peso do momento. Um dos grandes responsáveis pelo resultado, diante da maneira corajosa como mexeu no time, o técnico Hajime Moriyasu apontou como o triunfo possui enorme representatividade.

“Não é exagero dizer que este é um momento histórico e uma vitória histórica. Acima de tudo, no futebol, você não sabe o resultado até que entre em campo. Acho que essa vitória é uma grande surpresa para o mundo. O Japão está se aproximando do nível das melhores seleções do planeta. Ontem, a Arábia Saudita derrotou a Argentina. Dá para dizer que o nível da Ásia está melhorando”, comentou Moriyasu.

O treinador também elogiou a concentração de seus jogadores ao longo da partida: “Tentamos ser agressivos quando começamos a partida. A partir de então, veríamos se a gente tomava a iniciativa ou se o adversário nos pressionaria. A Alemanha é uma equipe forte e tivemos que jogar com paciência na defesa. Estávamos preparados para contra-atacar. Perdemos o primeiro tempo, mas sabíamos que, se mantivéssemos a mentalidade, o momento viria. Os jogadores tiveram uma ótima postura”.

Capitão do Japão, Maya Yoshida também mencionou a Arábia Saudita. Assim como outros jogadores, o zagueiro afirmou que a virada protagonizada pelos Falcões Verdes serviu de inspiração para os Samurais Azuis durante o intervalo, nos vestiários. Também auxiliou a mudança de postura do time para o segundo tempo, com uma formação gradativamente mais agressiva.

“Mudamos um pouco nosso sistema no segundo tempo. A Arábia Saudita também virou depois de terminar o primeiro tempo perdendo, o que foi um grande feito. Isso também nos fez acreditar que conseguiríamos. Estou muito feliz, mas temos apenas uma vitória. Precisamos nos recuperar bem e tentar outra vitória contra a Costa Rica”, analisou Yoshida.

Outra figura essencial na partida foi o goleiro Shuichi Gonda. Apesar do pênalti cometido no primeiro tempo, o arqueiro realizou defesas importantes – sobretudo pela sequência impressionante na segunda etapa. O camisa 12 ressaltou o comportamento da equipe, mesmo em desvantagem no placar.

“Concedemos um pênalti no primeiro tempo e isso atrapalhou nossos planos. Mas, mesmo após tomar o gol, pudemos buscar o resultado. Estou feliz por termos vencido. Trabalhamos muito duro e nos defendemos bem, isso foi importante. Esse é um resultado para todos continuarmos a nos desafiar. Temos que lutar e foi isso que fizemos nesse jogo. Mas a vitória não significa que nos classificamos e temos três dias para nos concentramos no jogo contra a Costa Rica”, finalizou o goleiro.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo