Copa do Mundo

Há 60 anos, Garrincha destroçava a Inglaterra na Copa: sete recortes de jornal sobre a mágica atuação do camisa 7

Garrincha marcou dois gols contra os ingleses, embaralhou a vista dos marcadores com uma infinidade de dribles e "adestrou" até cachorro

Há 60 anos, Garrincha vivia uma de suas atuações mais lendárias. Se a Copa de 1962 foi conquistada pela Seleção muito graças ao Anjo de Pernas Tortas, o primeiro duelo dos mata-matas já contaria com uma exibição fantástica do camisa 7. A Inglaterra surgia no caminho do Brasil durante as quartas de final e seria derrotada de forma incontestável por 3 a 1. Mané se apresentou em estado de graça: marcou dois gols, embaralhou a vista dos marcadores com seus dribles e até cachorro “adestrou” no gramado do Sausalito. Era a primeira partida realmente convincente do Brasil, depois da suada classificação na fase de grupos, também com auxílio do ponta direita para superar a Espanha.

Para celebrar a data, reunimos sete recortes de jornal da época que falam sobre a magia do camisa 7. Garrincha é exaltado por todos, desde a crônica de Nelson Rodrigues até os relatos espantados da imprensa internacional. A ausência de Pelé acabava deixada de lado, pela forma como Mané mostrava que poderia conduzir os brasileiros ao bicampeonato mundial. A confiança rumo ao troféu aumentaria bastante com aquela partidaça do craque. Uma tarde para celebrar o melhor de um gênio.

Abra em “nova guia” para ver em máxima resolução:

Nelson Rodrigues, em O Globo
Geraldo Romualdo Silva, no Jornal dos Sports
Manchete
Jornal do Brasil
Revista do Esporte
Correio da Manhã
Última Hora

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo