Eliminatórias da Copa

Misto de experiência e juventude faz Equador dominar Chile e sair com a vitória

O Equador contou com gol de Ángel Mena, que pegou rebote de garoto Kendry Páez, para bater o Chile e abrir vantagem dentro do grupo de classificados para a Copa do Mundo de 2026

O Equador venceu o Chile, por 1 a 0, na noite desta terça-feira (21), no Estádio Rodrigo Paz Delgado, em Quito, capital equatoriana, pela sexta rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2026. O gol da partida foi marcado pelo meia atacante Ángel Mena, de 35 anos, que guardou após pegar rebote de um chutaço da jovem promessa Kendry Páez, de apenas 16.

O resultado fez os equatorianos terminarem a partida na sexta colocação, com oito pontos em seis jogos. O Chile ficou na oitava posição, fora da zona de classificação para a Copa do Mundo de 2026, com cinco pontos em seis partidas.

O treinador Félix Sánchez escalou o Equador com: Domínguez; Preciado, Torres, Arboleda e Pacho; Gruezo e Moisés Caicedo; Mena, Kendry Páez e Sornoza; Kevin Rodriguez. O lateral-direito Hurtado e o zagueiro Realpe, ambos do RB Bragantino, assim como Alan Franco, volante do Atlético-MG, começaram a partida no banco.

Já Nicolas Andres Cordova montou o Chile com: Cortés; Loyola, Catalán, Díaz, Maripán e Suazo; Núñez, Erick Pulgar e Echeverría; Aravena e Alexis Sánchez.

Equador passeia no primeiro tempo

Mandante, o Equador começou a partida em cima. Montado com uma linha de cinco na defesa, o Chile não fazia questão de manter a posse de bola e praticamente assistia aos donos da casa jogadores. A primeira grande chance do jogo, como esperado, foi equatoriana e aconteceu aos 10 minutos do primeiro tempo, quando Pacho lançou bola para a área e após corte ruim da defesa, Kevin Rodrigues dominou e bateu forte e alto, obrigando Brayan Cortés a mandar para escanteio.

Apesar da chance perdida, o domínio equatoriano logo se transformou em gol. Após boa troca de passes, o jovem Kendry Páez, de apenas 16 anos, chutou de longe, com muita força. Cortés espalmou para a frente e o experiente Ángel Mena, de 35 anos — 19 anos mais velho que Páez, que reforçará o Chelsea quando completar 18 anos —, só empurrou para o gol.

Atrás no placar, o Chile passou a sair para o jogo, conseguindo se fazer presente no campo de ataque. Apesar disso, o time encontrava grandes dificuldades na criação e não conseguia assustar. O Equador, por sua vez, apostava na velocidade de seu ataque e quase marcou em contragolpe que terminou com finalização de Kevin Rodriguez para fora, aos 38.

Segundo tempo morno

No segundo tempo, mesmo vencendo, o Equador seguiu atacando e passou perto de ampliar aos 13 minutos, quando Moisés Caicedo emendou chute da entrada da área e a defesa chilena salvou quase em cima da linha.

Sem conseguir reagir na partida, o treinador Nicolas Cordova resolveu mexer na equipe, sacando Aravaena e Loyola, para as entradas de Ben Brereton Díaz e Victor Dávila. Félix Sánchez respondeu sacando Sornoza e colocando Jhojan Julio.

Conforme os minutos foram passando, o jogo foi esfriando e as chances, esporádicas, eram mal finalizadas. As mudanças não surtiram efeito e as equipes pareceram pouco interessadas no jogo. O Chile, por não conseguir criar nada, e o Equador, pouco ameaçado, apenas cozinhava a partida.

Ainda sem conseguir assustar, o Chile colocou César Pérez, Darío Osorio e Vicente Pizarro nas vagas de Pulgar, Núñez e Echeverría. O Equador também mexeu, primeiro com João Ortín, no lugar de Ángel Mena, autor do gol, que saiu machucado. Depois, foram chamados Alan Franco, do Atlético-MG, e Campana, que substituíram Kendry Páez e Kevin Rodriguez.

Chile manda duas bolas na trave em sequência

O jogo parecia morno, mas com 1 a 0 no placar, não se pode desligar e num lance isolado, o Chile esteve perto de empatar a partida. Num ataque chileno, após bola alçada na área, o atacante Ben Brereton Díaz cabeceou na trave. No rebote, Alexis Sánchez emendou na outra trave. Na segunda sobra de bola, mais uma finalização chilena, que Arboleda, zagueiro do São Paulo, cortou na pequena área.

No lance seguinte, foi a vez de César Pérez finalizar de longe e obrigar Domínguez a espalmar por cima do gol. O Chile, que passou toda a partida sem atacar, encaixou uma forte pressão sobre os equatorianos, que viram sua torcida prender a respiração nas arquibancadas.

Apesar da pressão final, os chilenos não conseguiram marcar, e só puderam lamentar as chances perdidas no final do jogo quando o árbitro brasileiro Anderson Daronco apitou para dar fim ao confronto.

Foto de Maic Costa

Maic Costa

Maic Costa nasceu em Ipatinga, mas se radicou na Região dos Inconfidentes mineiros. Formado em Jornalismo na UFOP, em 2019, passou por Estado de Minas, Superesportes, Esporte News Mundo, Food Service News e Mais Minas. Atualmente, é setorista do Cruzeiro na Trivela.
Botão Voltar ao topo