Eliminatórias da Copa

Equador vê a Copa no horizonte com o excelente triunfo em Santiago e Peru completa o G-5 após a noite insana em Caracas

Equador derrotou o Chile num confronto importantíssimo, Peru aparece na zona de repescagem e Colômbia lamenta chances perdidas

O Argentina x Brasil seria o chamariz óbvio da rodada nas Eliminatórias, mas as seleções sul-americanas ofereceram uma porção de jogos interessantes além do principal clássico. E o resultado mais expressivo foi conquistado pelo Equador, num passo imenso para se classificar ao Catar. La Tri visitou o empolgado Chile em Santiago e conseguiu construir a vitória por 2 a 0. Pesou a eficiência dos equatorianos, assim como a bobagem cometida por Vidal que rendeu seu precoce cartão vermelho.

Com o tropeço chileno, o rival Peru saltou à zona de classificação. A Blanquirroja tinha um duelo mais acessível contra a Venezuela em Caracas, mas só venceu por 2 a 1 num duelo insano, em que Ricardo Gallese pegou um pênalti. Quem também permanece no G-5 é a Colômbia, que não anda muito convincente e desta vez lamentou as chances perdidas no 0 a 0 contra o Paraguai em Barranquilla. Vale mencionar também a Bolívia, sobre quem falamos mais cedo, que passou o carro sobre o Uruguai em La Paz e aumentou a crise celeste.

Venezuela 1×2 Peru

A Venezuela pode estar fora da briga nas Eliminatórias, mas mostrou que é capaz de aprontar. O embate com o Peru seria eletrizante, só que a vitória por 2 a 1 saiu para quem mais precisava – em noite inspirada do goleiro Ricardo Gallese. O primeiro tempo seria aberto em Caracas. A Venezuela tentou partir para cima e criou a primeira chance, mas logo o Peru respondeu e se tornou mais contundente. Wuilker Faríñez adiou o gol com uma defesa com os pés no mano a mano contra André Carrillo aos 15. Três minutos depois, o gol peruano surgiu. Carrillo cruzou com muita qualidade e Gianluca Lapadula passou nas costas da zaga para a cabeçada fulminante. A sequência da primeira etapa seria franca, com a Vinotinto explorando as pontas e a Blanquirroja contragolpeando. Gallese apareceu bem quando os anfitriões esboçaram o empate.

O segundo tempo voltou com a Venezuela em cima e o gol aconteceu logo aos sete minutos. As bolas cruzadas eram o principal recurso da Vinotinto e, depois do cruzamento de Ronald Hernández, Darwin Machís entrou rasgando e fuzilou. Quase a virada saiu na sequência, quando Luis Daniel González estava de frente para o gol e mandou para fora. Mas logo o Peru se refez do susto e Trauco deu sua resposta com um chute na trave. O duelo era uma trocação e as duas metas se viam ameaçadas com frequência. Em meio a essa loucura, os peruanos retomaram a vantagem aos 20. Christian Cueva cobrou falta, a bola desviou na barreira e enganou o goleiro Faríñez.

O jogo em ritmo altíssimo não permitia respiros. E a Venezuela ganhou um pênalti logo na sequência, após um toque no braço de Trauco. Machís cobrou e Gallese se tornou o herói, ao esperar a definição e espalmar o tiro. O jogo só esfriou depois disso, com os venezuelanos sentindo o desgaste e os peruanos administrando a vantagem. Christian Ramos pararia em Faríñez numa bola pelo alto, mas a noite seria mesmo de Gallese. No abafa dos acréscimos, o goleiro salvou a pele da Blanquirroja mais duas vezes. Ramírez ainda mandaria um tiro perigoso para fora antes do apito final.

Colômbia 0x0 Paraguai

Os ataques de Colômbia e Paraguai produzem pouquíssimo nessas Eliminatórias. Não à toa, as duas equipes completam cinco rodadas sem marcar. O resultado em Barranquilla, assim, terminou com um redondo 0 a 0. Os colombianos controlaram o jogo no primeiro tempo, mas os paraguaios conseguiam ser mais diretos em suas ações e até arriscavam mais. Não era um jogo de tantas emoções, porém. Aos 35, Miguel Borja deu um susto ao cabecear muito perto da trave e os Cafeteros pareciam se animar. Do outro lado, a Albirroja se soltou e, pouco antes do intervalo, Miguel Almirón aproveitou uma bobeira da defesa adversária para carimbar a trave.

A Colômbia voltou com mudanças para o segundo tempo, incluindo Duván Zapata e Diego Valoyes para o ataque. Os Cafeteros melhoraram e seu domínio se tornou mais claro. James Rodríguez tentava definir e mandou com perigo para fora aos 13. De qualquer forma, faltava um pouco mais de capricho aos colombianos na conclusão. Os minutos se passavam e os anfitriões transpareciam certo nervosismo. Zapata também perdoou numa cabeçada aos 34.

Com mais dificuldades para criar novas oportunidades, o Paraguai ainda perdeu Andrés Cubas expulso com o segundo amarelo aos 40. Entretanto, a Colômbia não teria tanto tempo para aproveitar a vantagem numérica e, nos acréscimos, o ataque seguiu falhando nos momentos decisivos. Zapata tirou tinta da trave num tiro rasteiro da entrada da área e Valoyes desperdiçou o melhor lance, ao aparecer com espaço na área e mandar por cima da meta, quando Antony Silva já estava ajoelhado. O lamento cafetero era óbvio.

Chile 0x2 Equador

O Chile causava grandes expectativas em sua torcida pelo momento de ascensão nas Eliminatórias. O duelo contra o Equador, sobretudo, era aquele jogo para firmar a posição da Roja na zona de classificação. No entanto, os problemas apareceram cedo em Santiago. Os equatorianos abriram o placar logo aos oito minutos. Ángel Mena fez grande jogada pela direita e cruzou. Gary Medel deu uma casquinha na bola sem afastar e, no segundo pau, Pervis Estupiñán mandou uma pancada cruzada para o barbante. E a situação pioraria logo depois aos chilenos, por um lance tolo de Arturo Vidal. O veterano ergueu o pé numa disputa com Félix Torres, acertou o rosto do adversário e recebeu o vermelho direto com apenas 15 minutos.

O jogo ficava bastante favorável ao Equador e o Chile cometia muitos erros. Michael Estrada só não marcou o segundo aos 20 porque Claudio Bravo cresceu para cima do atacante no mano a mano. Mesmo assim, quase o empate saiu aos 30, numa bola parada. Alexis Sánchez cruzou e Eduardo Vargas emendou o chute que passou por cima do travessão. O técnico Martín Lasarte queimaria três alterações no primeiro tempo, perdendo Eugenio Mena e Alexis Sánchez por lesão. E quase o Equador ampliou aos 45, com Mena mandando uma bola perigosa ao lado da meta. O tamanho do problema chileno era óbvio.

O Equador voltou para o segundo tempo em busca de matar o jogo. Logo aos três minutos, Bravo faria uma ótima defesa em cobrança de falta de Mena que tinha endereço. Já aos 14, Michael Estrada insistiu e mandou ao lado da trave. O Chile até ficaria mais com a bola na sequência da etapa final, mas com dificuldades para abrir a defesa equatoriana. La Tri, então, mataria o jogo nos contra-ataques. Estupiñán e Estrada perderam bons lances, até que o segundo gol viesse aos 48. Com a defesa adversária entregue, Moisés Caicedo tabelou e mandou um chute forte da meia-lua, no canto de Bravo.

A classificação

Brasil e Argentina estão classificados para a Copa do Mundo. O Equador, em terceiro, deu um grande passo nesta terça-feira. La Tri chega aos 23 pontos e abre uma vantagem de sete pontos dentro do G-5, restando quatro rodadas. A Colômbia está na quarta posição com 17 pontos, à frente do Peru pelo saldo de gols, com a Blanquirroja na zona da repescagem. Chile e Uruguai seguem vivos com 16 pontos, mas atualmente fora do Mundial. A Bolívia cria esperanças com 15 pontos, enquanto a situação do Paraguai fica difícil com 13. Na lanterna, a Venezuela soma sete pontos.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo