Eliminatórias da Copa

Eliminatórias na Concacaf: Canadá sustenta a liderança e Costa Rica se aproxima da briga ao vencer o Panamá

Canadá, México e Estados Unidos tomaram distância nas primeiras posições - com os mexicanos sofrendo mais para virar contra a Jamaica

A rodada das Eliminatórias na Concacaf consolidou os três primeiros colocados na tabela. O Canadá permanece na liderança e conquistou mais uma vitória importante, ao anotar 2 a 0 sobre Honduras em San Pedro Sula. Logo abaixo, os Estados Unidos poderiam ter feito bem mais que o 1 a 0 sobre El Salvador em Columbus. Já o México teve suas doses de sofrimento em Kingston, onde a virada por 2 a 1 sobre a Jamaica saiu apenas nos minutos finais. Por fim, o que se abre é a corrida pela vaga na repescagem. Costa Rica encostou no Panamá ao ganhar o confronto direto em San Jose por 1 a 0. Abaixo, um resumo da noite.

Honduras pode fazer uma campanha decepcionante, mas ainda assim o Canadá não vencia uma partida em território hondurenho desde a classificação para o Mundial em 1986. Desta maneira, o triunfo por 2 a 0 desta quinta teve grande valor, ainda mais com a ausência de Alphonso Davies, que descobriu um problema cardíaco recentemente e passa por avaliação. Honduras teve o controle da posse de bola desde o primeiro tempo, mas o Canadá abriu o placar logo aos dez minutos. Tajon Buchanan fez uma jogadaça pela direita e seu cruzamento seria desviado na pequena área por Denil Maldonado, que marcou contra. E os canadenses seguiram dando trabalho nos contra-ataques. Somente pouco antes do intervalo é que o goleiro Milan Borjan precisaria trabalhar um pouco mais.

O segundo tempo recomeçou com o Canadá de novo infernizando a vida de Honduras nos contragolpes. Jonathan David quase marcou um golaço aos dez minutos, em arrancada fenomenal, mas parou no goleiro Luis López. Ainda assim, os hondurenhos flertaram com o empate e, nas bolas paradas, tinham suas melhores oportunidades. Aos 25, Borjan realizou uma defesa fantástica em cabeçada de Anthony Lozano. E o milagre veio num momento providencial, já que três minutos depois saiu o segundo gol. Liam Fraser fez o lançamento longo e botou a bola no peito de Jonathan David no ataque. Mesmo marcado por dois, o centroavante ganhou na corrida e tocou na saída de Luis López. Nos acréscimos, quando Alberth Elis ainda tentou descontar, Borjan fez outra defesa sensacional.

A segunda posição fica com os Estados Unidos, que recebeu El Salvador e venceu por 1 a 0 em Columbus. O US Team dominou as chances de gol ao longo da noite, mas demorou um bocado para construir o resultado. O primeiro tempo se manteve com o placar zerado, já que a falta de pontaria atrapalhou os americanos, com boas chances perdidas dentro da área. Jesús Ferreira isolou duas bolas preciosas, que poderiam ter custado caro quando Alex Roldán chutou com perigo em contra-ataque.

O gol da vitória dos Estados Unidos saiu aos sete minutos da etapa final, num avanço pela direita. O goleiro Mario González até fez a defesa parcial, mas a bola seguiu viva na área e Antonee Robinson pegou na veia para marcar. Os EUA seguiram melhores até metade do segundo tempo e perderam outros lances claros, com Mario González acumulando boas defesas. Isso até que os salvadorenhos equilibrassem um pouco mais as ações na reta final, sem ameaçar.

Já o México deve comemorar bastante a virada por 2 a 1 contra a Jamaica, em Kingston. Mesmo fora de casa, El Tri controlou o duelo durante o primeiro tempo. Faltou acertar melhor a conclusão dos lances. A melhor delas veio aos 17, numa pancada de Alexis Vega, que o goleiro André Blake desviou com dificuldades. Contudo, os mexicanos foram para o intervalo só com quatro finalizações. Nos acréscimos, a equipe de Tata Martino ainda ficou com um homem a mais, depois que Damion Lowe deu uma entrada por cima e recebeu o vermelho direto. Só que a falta de contundência dos visitantes custaria caro.

A Jamaica conseguiu sair em vantagem aos cinco minutos. Numa cobrança de escanteio, a zaga não conseguiu afastar e Daniel Johnson chutou firme no canto. O México logo aumentou a pressão e passou a sitiar a área dos Reggae Boyz. As chances iam se acumulando, mas faltava um pouco mais de calma. O empate só veio aos 36, quando André Blake até fez uma grande defesa em cabeçada de Vega, mas Henry Martín completou quase em cima da linha no rebote. Já a virada foi imediata, aos 38, numa boa trama entre Tecatito Corona e Carlos Rodríguez, até o cruzamento para Alexis Vega fuzilar. El Tri fecharia o segundo tempo com 15 finalizações, além de 85% de posse de bola, num abafa que valeu o triunfo.

Por fim, a Costa Rica deu mais emoção à disputa pela classificação, ao vencer uma partida essencial contra o Panamá. Em San José, os Ticos ganharam por 1 a 0 e se aproximaram da zona de repescagem. Foi uma partida equilibrada. Durante o primeiro tempo, os panamenhos tiveram mais a bola e criaram as primeiras boas chances. Quando necessário, Keylor Navas apareceu para salvar os costarriquenhos. Sua equipe cresceu mais com o passar dos minutos, apostando nas bolas paradas.

O Panamá voltou melhor para a segunda etapa e perdeu uma chance de ouro aos sete minutos, em chute desperdiçado por Freddy Góndola na pequena área. Costa Rica tomou as rédeas do jogo pouco depois e fez o gol da vitória aos 20 minutos. Luis Mejía realizou uma grande defesa em chute de José Guillermo Ortíz, mas Bryan Ruiz marcou no rebote. Depois disso, os panamenhos exerceriam uma blitz gigantesca na reta final. Bombearam a bola na área, com direito a arremate salvo quase em cima da linha pela zaga costarriquenha e uma cabeçada no travessão de Abdiel Ayarza durante os acréscimos.

Ao final da nona rodada, de um total de 14, o Canadá lidera com 19 pontos e permanece invicto. Os Estados Unidos aparecem logo abaixo com 18 pontos, enquanto o México tem 17. Os três compõem a zona de classificação direta para a Copa. Na área da repescagem, o Panamá ficou mais atrás com 14 pontos e vê a Costa Rica na cola com 12. Jamaica (sete), El Salvador (seis) e Honduras (três) dependerão de uma grande reviravolta.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo