Eliminatórias da Copa

Bolívia amassa o Paraguai, emenda feitos raros nas Eliminatórias e se aproxima da repescagem

A Bolívia goleou o Paraguai por 4 a 0, seu melhor resultado pelo torneio em 12 anos, e emendou duas vitórias seguidas pela primeira vez desde 1993

A Bolívia realiza uma boa campanha nas Eliminatórias, dentro de seus parâmetros. La Verde conquistou 12 pontos de 36 possíveis, seu melhor aproveitamento desde o qualificatório para a Copa de 1998, e está a apenas dois pontos de igualar a campanha feita rumo ao Mundial de 2018. Aproveitando o momento favorável, os bolivianos registraram um resultado categórico nesta quinta-feira, dentro do Estádio Hernando Siles. A equipe treinada por César Farías goleou o Paraguai por 4 a 0 e tomou a sexta posição na tabela, ao menos provisoriamente. Faltando seis rodadas, fica a quatro pontos da zona de repescagem.

Os 4 a 0 sobre o Paraguai demarcam a maior goleada da Bolívia na história do confronto, disputado pela primeira vez há 95 anos. Além disso, esse foi o maior placar aplicado por La Verde nas Eliminatórias desde o histórico 6 a 1 sobre a Argentina em 2009. Outra marca rara dos bolivianos é que esta foi apenas a primeira vez desde o qualificatório para a Copa de 1994 que o país conseguiu emendar dois triunfos seguidos pela competição, somando também o 1 a 0 sobre o Peru do domingo passado.

Desde os primeiros minutos, a Bolívia era superior no duelo contra o Paraguai em La Paz. La Verde pressionou os visitantes numa sequência de bolas na área, mas abriu o placar mesmo com um golaço de longe, aos 21 minutos. Rodrigo Ramallo limpou a marcação de Gustavo Gómez na intermediária e mandou um chute seco na gaveta, sem chances a Antony Silva. A Albirroja, todavia, jogou fora a chance de empatar imediatamente. Após um pênalti marcado por toque de mão, Antonio Sanabria isolou a cobrança por cima do travessão. Os paraguaios seguiram presentes no ataque até o intervalo, mas sem outras oportunidades tão claras.

A Bolívia voltou a tomar a iniciativa no segundo tempo e ampliou com nove minutos. Num contra-ataque, Marcelo Moreno bateu cruzado e Antony Silva até defendeu, mas Moisés Villarroel apareceu sozinho para completar quase em cima da linha. Diante da fechada defesa boliviana, restava ao Paraguai tentar chutes de fora. Porém, sobravam mais espaços para La Verde contragolpear do outro lado. Antony Silva trabalhava, mas não evitou o terceiro aos 39, num lance de persistência de Víctor Abrego. O atacante passou por Gustavo Gómez e Antony Silva na marra, antes de bater às redes vazias. Mesmo entregue, a Albirroja parou em grande defesa de Carlos Lampe quando tentou descontar. E a pá de cal dos anfitriões surgiu nos acréscimos, em outro contra-ataque, concluído por Roberto Fernández no canto da meta adversária.

A Bolívia soma 12 pontos em 12 partidas pelas Eliminatórias. La Verde conquistou 10 pontos como mandante e apenas dois como visitante. O desempenho fora de casa, aliás, costuma atravancar as pretensões dos bolivianos: a seleção não ganha um duelo como visitante nas Eliminatórias desde 1993, com 61 partidas seguidas em jejum. Na sétima posição, o Paraguai estaciona com 12 pontos, ultrapassado pela Bolívia no número de gols marcados, e vê a pressão sobre Eduardo Berizzo aumentar. A Data Fifa foi péssima para a Albirroja, que até segurou o empate em casa contra a Argentina, mas perdeu os confrontos diretos contra Chile e Bolívia.

Outro jogo realizado neste início de rodada foi o Colômbia 0x0 Equador, em Barranquilla. Foi um duelo bastante truncado, mas com doses de emoção e também de muita confusão. Por conta de um pênalti para os equatorianos anulado, que dependeu de revisão do VAR, a partida contou com longos acréscimos no segundo tempo. E os colombianos até anotaram o gol da vitória no último lance, mas a jogada também acabou revertida após revisão, por toque de mão. A igualdade acaba beneficiando La Tri, que se preserva à frente dos Cafeteros na tabela das Eliminatórias.

O primeiro tempo viu um domínio estéril da Colômbia, com muita posse de bola, mas raros perigos reais. Num duelo muito picado e com paralisações diversas por conta das faltas, a estratégia do Equador prevalecia, com uma defesa bastante firme. David Ospina, inclusive, faria a defesa mais difícil da etapa inicial. O capitão colombiano espalmou uma cabeçada perigosíssima de Piero Hincapié logo aos cinco minutos.

Já na segunda etapa, a Colômbia se impôs e encontrou mais espaços para arriscar suas finalizações. Esbarrou na atuação inspirada do goleiro Alexander Domínguez. Foram duas defesas com alto grau de dificuldade, contra Duván Zapata e Luis Díaz. Já os equatorianos tiveram lances pontuais de perigo, incluindo um pênalti sobre Gonzalo Plata anulado por impedimento anterior, após longa revisão no VAR. Por conta disso, a partida em Barranquilla ganhou inicialmente oito minutos de acréscimos. Com mais cera e reclamações, o relógio bateria nos 55 minutos, quando uma cobrança de lateral permitiu que Yerry Mina estufasse as redes. No entanto, a bola tocou acidentalmente na mão do zagueiro e o tento cafetero acabou corretamente anulado, depois de outra demorada avaliação da arbitragem. Somente aos 60 é que o apito final soou, com os anfitriões frustrados.

A Colômbia empatou seu terceiro jogo consecutivo por 0 a 0 nestas Eliminatórias, longe de convencer sob as ordens de Reinaldo Rueda. A equipe chega aos aos 16 pontos, ultrapassando provisoriamente o Uruguai para tomar a quarta colocação. O Equador permanece em terceiro, com 17 pontos, mesmo que a Data Fifa não tenha sido das melhores ao time de Gustavo Alfaro.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo