Eliminatórias da Copa

Argentina passa o trator em cima do Uruguai no Monumental e mostra força para a sequência das Eliminatórias

Partidaço de Messi, Lo Celso e De Paul arrasou a defesa uruguaia com certa facilidade

Nada como a dose cavalar de confiança adquirida depois de um título. A Argentina virou um time completamente diferente – e mais interessante – após a quebra do jejum na Copa América. E com toda a confiança que tem faltado, a equipe de Lionel Scaloni capitalizou o momento para castigar o Uruguai no clássico da rodada pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2022.

LEIA MAIS: Antony Silva pegou tudo no empate contra a Argentina e o Paraguai até flertou com o triunfo em Assunção

Dibu Martínez em grande fase

No entanto, os primeiros minutos do jogo no Monumental de Núñez não foram exatamente um primor dos argentinos. Muito pelo contrário. Não fosse por intervenções cruciais de Emi Martínez, a coisa teria tomado outro rumo. Depois de alguns anos com arqueiros questionáveis, a Albiceleste finalmente pode confiar a Martínez o posto de goleiro titular. E foi dele a responsabilidade pelo placar ter se mantido zerado até os 38 minutos.

O Uruguai bem que tentou apertar e assumir o controle das ações, mas quando a bola não entrou, ficou difícil manter o foco no plano de jogo. Nesse instante de dificuldade, a Argentina saiu da parede e tentou o contragolpe. O primeiro tempo se aproximava do fim quando Lionel Messi errou como um gênio. Tentou um passe de cavadinha e contou com uma falha clamorosa de Fernando Muslera, que saiu errado para marcar o Nico González. A bola passou pelos dois e caiu na rede.

Sangue na água: Messi e Lo Celso articularam o resto do baile

No gás, a Argentina seguiu acelerando o jogo pelas pontas e trocando passes na meia-lua uruguaia. Nessas tentativas rápidas de criar espaço, Lautaro Martínez furou um arremate na entrada da área. Rodrigo De Paul correu para consertar e emendou o segundo gol, vencendo Muslera. Era o necessário para nocautear o Uruguai, que não respondeu mais nos 45 minutos derradeiros.

Ainda houve tempo, na etapa final, para que Messi acionasse De Paul. O meia colchonero inverteu uma bola na frente da área para Lautaro fechar a conta, com oportunismo. Nem isso fez com que os comandados de Scaloni tirassem o pé. Muslera seguiu sendo exigido e o placar poderia ter sido mais elástico. Ao todo, a Argentina chutou 23 vezes, sendo 10 no alvo.

Lo Celso e De Paul, que estiveram em todos os lugares do campo, municiavam o ataque. Apenas nos 20 minutos finais os donos da casa pisaram no freio, satisfeitos, até pensando na próxima partida diante do Peru, no meio da semana. Em questão de desempenho, Scaloni não tem muito o que reclamar.

O fiel da balança

Os argentinos chegam bastante motivados ao duelo diante do Peru para manter a segunda posição, a seis pontos do Brasil. O desempenho de hoje dá fôlego para tentar buscar a liderança, talvez? Mas a alegria voltou e isso tem sido bastante visível no semblante de Messi e seus colegas.

Pelo lado do Uruguai, Óscar Tabarez pode até ter ficado chocado com o desfecho da partida, mas o plano de começar atacando não é de todo ruim. Contra o Brasil, na próxima rodada, é de se esperar que a formação e a ideia de jogo da Celeste sejam parecidos. Tudo pode mudar se aquela bola no começo do jogo em Manaus resolver entrar…

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é editor-chefe da Revista Relvado, zagueiro ocasional, ex-jornalista, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo