Eliminatórias da Copa

A Venezuela estraga os sonhos da Bolívia, com goleada e grande futebol na estreia de Pekerman

A Bolívia chegou a Barinas com a esperança de uma vitória decisiva nas Eliminatórias, mas o show ficou por conta da Venezuela e da tripleta de Rondón

Para ir à Copa do Mundo, a Bolívia não pode se limitar aos pontos conquistados em casa. As vitórias fora fazem a diferença, mas La Verde não ganha longe de seus domínios pelas Eliminatórias desde 1993. E quando a chance de ouro parecia surgir nesta sexta, contra a lanterna Venezuela, os bolivianos terminaram goleados por 4 a 1 em Barinas. José Salomón Rondón foi o pesadelo dos visitantes, com três gols – muito bem apoiado pela trinca formada por Soteldo, Otero e Machís. Fica também a ótima impressão na primeira partida sob as ordens de José Pekerman, um treinador de alto gabarito para melhorar as perspectivas dos venezuelanos.

A Bolívia até começou o jogo em busca do ataque, mas as bolas longas não davam muito resultado. Depois dos primeiros dez minutos, a Venezuela passou a aparecer mais no ataque, com bastante ação de Yeferson Soteldo e Darwin Machís pelas pontas. Marcelo Moreno até assustou aos 16, num chute para fora depois de bola roubada, mas logo José Salomón Rondón e Rômulo Otero responderam. E a Vinotinto assinalou o primeiro gol aos 25. Soteldo serviu a passagem de Óscar González, que cruzou para a cabeçada de Rondón na pequena área.

A Venezuela aproveitava o momento e seguia melhor na partida. As chances se acumulavam. Carlos Lampe cresceu para cima de Rondón, antes de Machís cabecear para fora. Otero tentaria até uma bicicleta, defendida sem problemas por Lampe. O segundo gol amadurecia, até sair aos 35. Tomás Rincón inverteu o jogo com maestria, Ronald Hernández explorou o buraco na intermediária e Rondón, após receber na entrada da área, limpou a marcação para bater no contrapé de Lampe. A Bolívia ao menos reduziu o prejuízo três minutos depois, num cruzamento de Juan Carlos Arce que Bruno Miranda cabeceou. Mas os venezuelanos ainda terminaram melhores a primeira etapa.

O segundo tempo necessitava da resposta da Bolívia. La Verde tentou sair mais ao jogo e poderia ter empatado aos nove, numa falta de Marcelo Moreno que passou perto. Só que o golpe fatal ocorreu no minuto seguinte. Num péssimo recuo de Diego Bejarano para Lampe, Machís bateu a carteira dentro da área e marcou um gol facílimo. Para piorar, cinco minutos depois Leonel Justiniano foi expulso, depois de um pisão em Otero que contou com a avaliação rigorosa da arbitragem.

A partida estava morta e a Venezuela partiu para a goleada, sem medo de arriscar. Machís parou em Lampe, antes de Jhon Chancellor cabecear para fora. A tripleta de Rondón se completou aos 22, com um passe excepcional de Otero que o centroavante aproveitou com uma pancada no alto. O artilheiro sairia bastante aplaudido na sequência. A Vinotinto passou a tentar até lances de efeito e administrava sem pressa, sob gritos de olé. Lampe evitou um saldo pior, com grande defesa diante de Jhon Murillo. Aos 44, Chancellor ainda perdeu uma oportunidade com o gol aberto, chutando para fora após passe generoso de Murillo. Josef Martínez tentaria até de bicicleta, sem sucesso.

A Venezuela não deixa a lanterna das Eliminatórias. Com 10 pontos, a Vinotinto fica a três pontos do Paraguai. Mas, sem dúvidas, o futebol apresentado nesta sexta anima para o início de trabalho de Pekerman. A Bolívia lamenta o tropeço e fica numa situação delicada para buscar a classificação. Com 15 pontos, a distância para a zona de repescagem sobre a quatro. Ao que parece, La Verde ficará na vontade.

Standings provided by SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo