Copa do Mundo

Derrota nos acréscimos para Camarões deixa pouca coisa positiva do time reserva do Brasil

Embora tenha sido melhores ao longo de todo o jogo, Brasil não consegue marcar e toma um gol nos acréscimos de Aboubakar, mas Camarões é eliminado e quem avança é a Suíça; Brasil enfrenta Coreia nas oitavas

O Brasil perde a invencibilidade de 17 jogos nesta terceira rodada da Copa do Mundo. A seleção brasileira foi derrotada por Camarões por 1 a 0, com um gol conseguido no final, em partida que jogaram todos os reservas. Embora os reservas sido melhores em campo ao longo dos 90 minutos, Seleção não conseguiu fazer o gol e acabou perdendo a partida nos acréscimos. Apesar da vitória, Camarões também está eliminado, porque a Suíça também venceu e avança em segundo lugar. O Brasil enfrenta a Coreia do Sul nas oitavas de final, enquanto a Suíça joga com Portugal.

Era uma boa chance para os reservas mostrarem serviço, mas poucos conseguiram aproveitar. Gabriel Martinelli foi bastante participativo e poderia ter feito um gol. Rodrygo, no primeiro tempo, também foi bem. Fabinho foi um dos melhores, pelo posicionamento e interceptações. Defensivamente, impecável.

Só que há notícias ruins para o Brasil, a começar pela lesão de Alex Telles, que deixou o time sem laterais esquerdos, já que Alex Sandro está machucado também. Outros jogadores, como Éverton Ribeiro, Pedro e Bruno Guimarães entraram mal em campo. Antony, que foi titular, segurou demais a bola e errou muitos lances. Gabriel Jesus pareceu muito isolado e também não conseguiu participar bem do jogo. Na defesa, quem mais sofreu foi Daniel Alves e os demais foram razoáveis e não comprometeram.

Escalações: Camarões ofensivos, Brasil reserva

O técnico Rigobert Song colocou um time ofensivo contra o Brasil. Coloclu em campo seus dois centroavantes, Eric Maxim Choupo Moting e Vincent Aboubakar. Desmontou assim o seu trio de meio-campo e colocou Bryan Mbeumo pela direita e Nicolas Moumie Ngamaleu pela esquerda. No meio-campo, Pierre Kunde e Frank Anguissa formaram a dupla pelo centro, com a saída de Martin Hongla. O técnico mudou também a dupla de zaga: jogaram Christopher Wooh e Enzo Ebosse nos lugares de Jean-Charles Castelletto e Nicolas Nkoulou. E assim como foi contra a Sérvia, o goleiro foi Devis Epassy, já que André Onana foi afastado por indisciplina e não joga mais na Copa.

No Brasil, Tite trocou os 10 jogadores em relação ao time que iniciou a partida contra a Suíça. Apenas o volante Fred foi mantido, justo aquele que deve ser reserva do time para a sequência da Copa. O time inteiro foi reserva, incluindo Daniel Alves, motivo de maior polêmica na convocação. Rodrygo foi titular atuando como meia ofensivo centralizado e Gabriel Jesus no ataque. Éverton Ribeiro e Pedro, dois que foram especulados para jogarem na partida desde o início, começaram no banco.

Primeiro tempo: Brasil ativo, mas sem conseguir marcar

A seleção brasileira ficava com a bola e trocava passes. Camarões marcava duro e rapidamente tomou cartão amarelo, em falta do lateral Nouhou Tolo em Antony, aos seis minutos. Mas o Brasil também tomou um cartão cedo, um minuto depois, em falta de Éder Militão advertida pelo árbitro.

O Brasil ficava com a bola, mas a primeira chance só veio aos 14 minutos. Fred fez um lindo lançamento para dentro da área e encontrou Gabriel Martinelli, que tocou de cabeça e exigiu defesa do goleiro Devis Epassy.

Aos 21 minutos, o Brasil chegou pela esquerda, com Alex Telles, que cruzou para a área, Gabriel Jesus tentou dominar e a bola sobrou no meio da área para Fred, que finalizou de pé direito, que não é o seu melhor, e mandou por cima.

O Brasil criou uma boa chance aos 28 minutos, quando Bremer, pressionado, deu um chutão para frente e, com alguma sorte, encontrou Rodrygo. Ele arrancou pelo meio, escapou da falta de Pierre Kunde, continuou, mas levou a falta de Kunde logo depois. O próprio Rodrygo bateu a falta, mas acertou a barreira.

Rodrygo continuava causando problemas para a defesa camaronesa. Rodrygo girou, tabelou com Gabriel Jesus e arrancou novamente pelo meio. Mais uma vez, Camarões precisou parar a jogada com falta, desta vez de Collins Fai. Outra boa chance para o Brasil em uma falta próxima à área. Desta vez foi Daniel Alves que cobrou a falta, que foi por cima da barreira e por cima do gol também.

A velocidade brasileira continuava causando problemas aos camaroneses. Martinelli arrancou pelo meio, sofreu falta de Collins Fai, o árbitro deu a vantagem, a bola ainda sobrou para Fred, que abriu para Antony, na direita, e ele bateu colocado, mas foi uma bola fácil para o goleiro Epassy.

No final do primeiro tempo, Martinelli recebeu pelo meio, avançou, costurou pelo meio e chutou firme e Epassy espalmou para escanteio, por cima. Ele tinha uma boa opção na direita, onde estava Fred, mas ele preferiu finalizar. Na cobrança de escanteio, Rodrygo recebeu pelo meio em jogada ensaiada por baixo e finalizou de primeira com perigo, mas para fora.

Já aos 47 minutos, Camarões levou muito perigo e quase chegou ao gol. Em boa jogada pelo lado direito, Ngamaleu cruzou para a segunda trave, onde Bryan Mbeumo estava com liberdade para cabecear e exigir uma grande defesa de Ederson. Foi o primeiro chute que acertou o gol do Brasil em toda a Copa.

O Brasil foi melhor no primeiro tempo e teve como destaque Rodrygo, um dos principais candidatos a substituir Neymar nas oitavas de final, se ele não puder jogar. Muito participativo, rápido e perigoso pelo meio, o jogador foi sempre uma rota interessante para a Seleção. Martinelli foi outro destaque do primeiro tempo, muito participativo e que também levou perigo em suas jogadas. Excelente primeiro tempo também do volante Fabinho, preciso no posicionamento, nas interceptações e trabalhando sempre sem falta. Uma demonstração que é capaz de substituir Casemiro, ainda que o titular seja um dos melhores do mundo.

Segundo tempo: Brasil cai de desempenho e Camarões aproveita

Alex Telles se chocou com Aguissa em uma cobrança de escanteio no começo do segundo tempo. Ele tentou ficar em campo, mas parecia com dor. Sem lateral esquerdo no banco, já que Alex Sandro também está machucado, logo a dois minutos. E logo depois, Camarões chegou com perigo, em um chute cruzado de Vincent Aboubakar que saiu, mas passou perto.

Alex Telles não teve condição e Tite chamou Marquinhos. Aproveitou ainda para fazer mais alterações. Além de Marquinhos no lugar de Alex Telles, entraram também Bruno Guimarães no lugar de Fred, e Everton Ribeiro entrou no lugar de Rodrygo.

Em um contra-ataque rápido, o Brasil levou perigo novamente. Gabriel Jesus fez a enfiada em profundidade para Martinelli, que carregou a bola, entrou na área e finalizou colocado, mas Epassy novamente fez a defesa, aos 10 minutos. Depois da cobrança de escanteio, a bola sobrou no meio para Éder Militão, que bateu do jeito que deu, de pé esquerdo, e mais uma vez Epassy fez a defesa. O Brasil seguiu pressionando e, no ataque seguinte, Antony bateu colocado, mas fraco, e Epassy defendeu.

Tite colocou também Pedro no lugar de Gabriel Jesus, aos 19 minutos. O Brasil tentava alguns ataques acelerando as jogadas, mas não conseguia acertar o passe para chegar a finalizar. Camarões, assim, chegou aos 32 minutos, em jogada pela esquerda de Toko Ekambi que acabou em finalização de Ntcham, bem defendida por Ederson.

Tite tentou uma última alteração no time. Antony deixou a equipe e entrou Raphinha. Camarões tentou uma pressão em dois lances de escanteio, que acabaram não levando tanto perigo. Em contra-ataque, o Brasil levava perigo e Martinelli partiu em grande velocidade pelo lado direito, mas foi agarrado por Aboubakar. O atacante camaronês tomou o cartão amarelo.

Aos 38 minutos, o Brasil fez uma boa jogada de ponta pela direita, pedalou para cima da marcação de Nouhou Tolo, cruzou rasteiro para trás e Bruno Guimarães chegou pelo meio para finalizar, mas foi travado. A bola foi para escanteio. No rebote, em contra-ataque camaronês, Bruno Guimarães matou a jogada e recebeu o cartão amarelo.

Aos 42 minutos, em cruzamento para a área, Pedro recebeu com alguma liberdade, dominou e girou para chutar muito mal para fora. O jogo se encaminhava para um empate e entrou nos acréscimos, mas Camarões ainda estava vivo.

Aos 47 minutos, Éverton Ribeiro perdeu a bola no meio-campo, Toko Ekambi tomou, tocou para Anguissa, que Ntcham, que abriu na direita Jerome Mbekeli. Ele cruzou precisamente para a área e encontrou Vincent Aboubakar, que tocou de cabeça para marcar: 1 a 0 para camarões. Já aos 53 minutos, em pressão para dentro da área, Marquinhos ajeitou de peito o cruzamento para Bruno Guimarães, que bateu mal, por cima do gol.

No fim, o Brasil perde no jogo que mais finalizou a gol, com 21 finalizações. Por mais que tenham sido muitos chutes, faltou precisão para o time. Os reservas, assim, não conseguiram aproveitar a chance. Pior ainda para os jogadores que entraram no segundo tempo, que não conseguiram melhorar o time e, mais ainda, pioraram a equipe. O que mais chama a atenção é Bruno Guimarães, que entrou muito mal em campo. Se havia a dúvida sobre ele ser titular, certamente a má atuação desta partida vai ter um peso para avaliar a sua escalação. Fred, por exemplo, foi melhor que ele quando esteve em campo.

FICHA TÉCNICA

Camarões 0x1 Brasil

Local: Estádio Lusail, em Lusail
Árbitro: Ismail Elfath (Estados Unidos)
Gols:
Vincent Aboubakar (Camarões)
Cartões amarelos:
Nouhou Tolo, Pierre Kunde, Collins Fai, Vincent Aboubakar (Camarões), Éder Militão, Bruno Guimarães (Brasil)
Cartões vermelhos:
Vincent Aboubakar (Camarões)

Camarões: Devis Epassy; Collins Fai, Christopher Wooh, Enzo Ebosse e Nouhou Tolo; Pierre Kunde (Oliver Ntham) e Frank Anguissa; Bryan Mbeumo (Karl Toko Ebamki), Eric Maxim Choupo-Moting e Nicolas Moumie Ngamaleu (Jerome Mbekeli); Vincent Aboubakar. Técnico: Rigobert Song

Brasil: Ederson; Daniel Alves, Éder Militão, Bremer e Alex Telles (Marquinhos); Fabrinho e Fred (Bruno Guimarães); Antony (Raphinha), Rodrygo (Everton Ribeiro) e Gabriel Martinelli; Gabriel Jesus (Pedro). Técnico: Tite

https://www.youtube.com/watch?v=1m8tGLpOeto
Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo