Copa do Mundo

A Argentina foi pavorosa e, agora, a sua Copa do Mundo está por um fio

Pavoroso. Não há adjetivo melhor para a atuação argentina. O time que teve dificuldades contra a Islândia foi ainda pior diante da Croácia. Desorganizada, nervosa, cheia de erros. E com menos Messi do que deveria ter. Os europeus, obviamente, apresentaram uma séria de dificuldades e jogaram muito bem. Ao contrário dos sul-americanos, foram organizados e intensos. Sabiam o que fazer. Agora, o catadão argentino está em uma situação muito delicada. Tem que torcer desesperadamente pela Nigéria, nesta sexta-feira, contra a Islândia. Em caso de vitória nórdica, precisaria de triunfo da Croácia na última rodada, em partida em que o empate seria um bom negócio para ambos. E ainda vencer a Nigéria. E tirar saldo de gols. A Copa da Argentina está por um fio.

 

Bagunça generalizada

Sampaoli mudou a formação tática da Argentina. Colocou três zagueiros, abriu Salvio e Acuña como alas e deixou Messi no ataque junto com Agüero, com o apoio de Meza. Quis melhorar a solidez defensiva? Não funcionou: Salvio e Acuña foram muito lentos na recomposição e deixaram espaços que quase resultaram no gol da Croácia. Rakitic apareceu livre pela esquerda, logo aos cinco minutos, e exigiu bela defesa de Caballero. Da lateral direita, Vrsaljko encontrou Mandzukic, sem marcação, na segunda trave. A sorte da Argentina foi que o atacante da Juventus cabeceou para fora.

Quis deixar Messi mais perto da área de definição? Sem a responsabilidade de buscar a bola no meio-campo? Também não funcionou. A bola simplesmente não chegou a ele. Além da incapacidade dos zagueiros e dos volantes em carregá-la à frente, a Argentina mostrou-se um time exageradamente espaçado no primeiro tempo. Méritos também à Croácia, que adiantou sua linha de marcação e fez bastante pressão no campo do adversário, como poucas seleções conseguiram nesta Copa do Mundo. 

A Argentina teve apenas duas oportunidades antes do intervalo. Ambas boas: Messi achou Salvio pela direita. O cruzamento rasteiro encontrou Meza de frente para o gol. Mas Lovren se jogou para bloquear. Pelo outro lado, Acuña aproveitou vacilo de Vrsaljko e tocou para trás. Enzo Pérez, com o gol livre, chutou para fora. 

Caballero……

A Argentina teve uma má notícia no começo da preparação. Sergio Romero, que seria o goleiro titular, foi cortado por lesão. Sampaoli precisou escolher outro homem para defender suas metas. Tinha Franco Armani, do River Plate, em ótima fase desde os tempos de Atlético Nacional. Preferiu Willy Caballero, reserva do Chelsea, com apenas 13 partidas na última temporada. Por ser mais experiente e, teoricamente, por jogar melhor com os pés. Aos oito minutos, recebeu o recuo de Mercado e tentou devolver. Errou. Errou feio. Deu no pé de Rebic, que bateu de primeira e fez um belo gol. 

Erros, erros e mais erros

A Argentina, obviamente, foi com tudo para frente para tentar empatar. Sampaoli colocou até Dybala em campo, o que parecia que nunca aconteceria. Pouca coisa aconteceu, com exceção de uma boa jogada de Meza pela esquerda, porque os sul-americanos erraram demais. Decisões equivocadas, lançamentos sem propósito, passes sem sentido. E Messi sequer entrou naquele modo em que tenta resolver tudo sozinho. Mal tocou na bola. 

Modric, o craque

O craque deste time da Croácia havia dado uma demonstração de talento no primeiro tempo, ao armar um contra-ataque brilhante para Rebic, com um passe em profundidade muito bonito. Não estava satisfeito. Aos 35 minutos do segundo tempo, dominou na entrada da área, ciscou para os dois lados e soltou o chute de perna direita. No canto de Caballero, fechando a grande atuação da Croácia com chave de ouro. 

Virou passeio

Em um grupo em que a vaga pode ir para o saldo de gols, a postura da Argentina foi imperdoável no fim da partida. Rakitic puxou o contra-ataque sem nenhuma preocupação. Chutou de fora da área, e Caballero defendeu, com rebote. Kovacic pegou a sobra e rolou para o meia do Barcelona empurrar às redes. E todo mundo que vestia azul e branco ficou olhando o terceiro gol croata acontecer.

Ficha técnica

Argentina 0 x 3 Croácia

Local: Estádio Nizhny Novgorod, em Ninhny (Rússia)
Árbitro: Ravshan Irmatov (Uzbequistão)
Gols: Ante Rebic, Luka Modric e Rakitic (Croácia)
Cartões amarelos: Mercado, Otamendi e Acuña (ARG); Rebic, Mandzukic, Vrsaljko e Brozovic (CRO)

Argentina: Caballero; Gabriel Mercado, Nicolás Otamendi e Nicolás Tagliafico; Eduardo Salvio (Pavón), Javier Mascherano, Enzo Pérez (Dybala) e Marcos Acuña; Lionel Messi, Sergio Agüero (Higuaín) e Maximiliano Meza. Técnico: Jorge Sampaoli

Croácia: Danijel Subasic; Sime Vrsaljko, Dejan Lovren, Domagoj Vida e Ivan Strinic; Marcelo Brozovic, Ivan Rakitic e Luka Modric; Ante Rebic (Kramaric), Ivan Perisic (Kovacic) e Mario Mandzukic (Vedran Corluka). Técnico: Zlatko Dalic

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo