Nunca vimos um momento parecido no futebol feminino como o de agora. Nos meses que antecederam a Copa do Mundo que começa nesta sexta-feira (7), na França, recordes de público no futebol feminino de clubes foram batidos na Europa, e as marcas abraçaram forte o torneio entre seleções. Diversas ações têm ajudado a promover a Copa do Mundo Feminina, compensando, em parte, a negligência que marcou a modalidade em sua história.

No aquecimento para o pontapé inicial desta sexta, separamos dez das melhores ações que vimos recentemente, sejam elas por parte de patrocinadoras, confederações, emissoras ou mesmo grupos de entusiastas do futebol feminino. O empurrão tão necessário parece enfim ter começado, e torcemos para que isso seja apenas o início.

Não mude seu sonho, mude o mundo – Nike

A gente já está cansado de saber que a Nike capricha em seus comerciais especiais. Desta vez, a empresa preparou uma peça para a Copa do Mundo Feminina. A produção conta com diversas jogadoras e tem como protagonista uma garotinha. “Não mude seu sonho, mude o mundo”, encerra o vídeo. Uma importante mensagem de incentivo e chamada à luta para tornar, cada vez mais, o futebol um lugar acolhedor às mulheres.

Não temos bolas, mas sabemos como usá-las – Seleção alemã e Commerzbank

Uma das potências do futebol feminino, a Alemanha fez um belo material em parceria com o Commerzbank para promover sua seleção nesta Copa do Mundo. Na dose certa, o vídeo traz um tom de provocação, ironizando como o futebol feminino é por vezes ignorados e como clichês são usados para menosprezar as mulheres. Protagonistas que, mesmo com tantas barreiras, fazem tanto em campo.

Mulheres inspiradoras carregadas na camisa – Seleção sueca

A camisa que será utilizada pela Suécia na Copa do Mundo remonta à utilizada em 1994 e traz, às costas, os rostos de 48 mulheres suecas. Personalidades de diversas áreas consideradas exemplos à sociedade local, como Pia Sundhage, uma das maiores técnicas da história do futebol, e a Rainha Cristina, do século XVII. “Ter pessoas em quem me inspirar realmente foi crucial para mim, dentro e fora de campo. Então, com a vitrine que a seleção é, queremos que nossa ideia sirva para prestar um tributo ao passado e as pessoas conheçam estas mulheres”, disse a meio-campista Elin Rubensson.

Eu torço por todas – Seleção brasileira e Itaú

“A gente busca reconhecimento, a gente busca ser valorizada pelas nossas conquistas, a gente busca se superar. E você? Já buscou sobre nós? Torça pelo futebol feminino, busque pelo futebol feminino.” O comercial do Itaú com Andressa Alves e Cristiane joga luz sobre o problema de falta de visibilidade e interesse no futebol feminino. Tem quem diga que o tratamento com o masculino não é igual porque as pessoas não gostam de acompanhar a modalidade, mas isso é uma construção, que passa necessariamente também por como os donos do espetáculo promovem os torneios. Estádios lotados na Europa e a alavancada da audiência da Band com o futebol feminino estão aí para provar que o interesse existe, basta ser mais alimentado justamente por quem pode mudar a percepção do público.

Beckham, Emma Watson e as Leoas da Copa – Seleção inglesa

Outra potência do futebol feminino, a Inglaterra convocou um time de estrelas para, bom, convocar o seu time de estrelas. Em ação muito bem pensada para atrair atenção às Leoas, as 23 convocadas para a Copa do Mundo foram anunciadas por personalidades como Raheem Sterling, David Beckham, a atriz Emma Watson, a Hermione de Harry Potter, o apresentador James Corden e até o príncipe William, que também é presidente da Federação Inglesa – todos os vídeos da convocação estão disponíveis no Twitter da seleção inglesa feminina.

Igualdade na premiação – Adidas

Os contratos da Adidas com seus atletas patrocinados inclui o pagamento de bônus em caso de certas conquistas. Em março deste ano, a fornecedora de materiais esportivos firmou um compromisso público de que a premiação que seria paga às suas atletas campeãs do mundo seria a mesma que foi paga aos homens na Copa do Mundo de 2018. “Acreditamos em inspirar e habilitar a próxima geração de atletas mulheres, criadoras e líderes através da quebra de barreiras”, escreveu a companhia.

#ElasRepresentam – Grafite em São Paulo

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Digão O Comprimido (@digaocomprimido) em

É tradição de décadas pintar as ruas e muros em época de Copa do Mundo masculina. O difícil é ver o mesmo feito pela seleção brasileira feminina. O movimento #ElasRepresentam buscar mudar isso. Em São Paulo, três artistas mulheres coloriram paredes em São Paulo, com figuras da Seleção como Formiga. A iniciativa é da MullenLowe Brasil em parceria com a Dionisio Arte.

Museu do Impedimento – Google

Junto com o Museu do Futebol, o Google lançou no fim do mês passado um museu virtual colaborativo para reconstruir a história do futebol feminino no Brasil. A prática do esporte por mulheres foi proibida por 40 anos no País, e o objetivo do projeto é receber vídeos, imagens, fotos e áudios pessoais para preencher a lacuna de informações da modalidade durante esse período.

Contra-Ataque! As mulheres do futebol – Museu do Futebol

Exposição Contra-Ataque! As mulheres do futebol (Divulgação/Museu do Futebol)

Inaugurada em 28 de maio, a exposição Contra-Ataque! As mulheres do futebol está presente no Museu do Futebol, anexo ao Pacaembu, contando a história do esporte praticado pelas mulheres, com conquistas e medalhas expostas, além de incluir uma seção em que fala dos 40 anos de proibição citados acima. Interessados poderão visitar a exposição até o dia 20 de outubro, de terça a domingo, das 9h às 17h – a entrada custa R$ 15, mas está disponível por R$ 7,50 com a meia-entrada ou para clientes do Itaú.

Espaço na cabine – Grupo Globo

Pela primeira vez, a Globo irá transmitir a Copa do Mundo feminina. Junto com o SporTV, o Grupo Globo irá televisionar todos os jogos da competição. E, para tanto, contará com o conhecimento das mulheres da empresa, que terão espaço como comentaristas nas partidas. Ana Thais Matos, com cada vez mais espaço na TV fechada, estará nas transmissões da TV aberta, e Cíntia Barlem e Nadja Mauad são outros nomes que devem figurar com suas análises durante os jogos.