Um dos jogadores mais promissores do Championship Manager (atual Football Manager) 2011/02 pendurou as chuteiras. Cherno Samba, um atacante que nasceu na Gâmbia, mas que surgiu como esperança das categorias de base inglesa, deixou o futebol depois de jogar pelo Samger, de Gâmbia. Fruto da categoria de base do Milwall, chegou ao profissional em 2002 e logo foi convocado para seleções de base. O sucesso imediato fez que com as previsões fosse de alguém que se tornaria grande no mundo do futebol. No CM, ele se consagrava como um dos grandes jogadores do mundo na época. Na sua carreira, a história foi diferente.

LEIA TAMBÉM: Quando fui a primeira técnica mulher da Premier League e virei amiga do Mourinho

Além do Milwall, Cherno Samba jogou por Cádiz, da Espanha, Plymouth, de volta à Inglaterra, Málaga B, Wrexham, Haka, da Finlândia, Panetolikos, da Grécia, Tonsberg, da Noruega, e Samger, de Gâmbia, seu país natal. Embora nascido no país africano, Samba se mudou aos seis anos para Watford, onde seu pai foi jogar futebol – ele era da seleção da Gâmbia. Seus anos iniciais como jogador causaram furor de ter um atacante promissor na Inglaterra. A ponta de, segundo o Guardian, Michael Owen ter telefonado para Samba, quando ele ainda estava na escola, pedindo que ele assinasse pelo Liverpool.

Cherno Samba no Championship Manager 2001/02
Cherno Samba no Championship Manager 2001/02

A empolgação era grande e Cherno Samba se tornou um prodígio do jogo. O atacante era uma promessa fácil de contratar no Championship Manager 2001/02 e capaz de levar qualquer time a um ótimo nível, com muitos gols e tornando-se um dos grandes atacantes do futebol europeu. Mas a empolgação inicial não se justificou. Em 2004, ele deixou o Milwall e enfileirou uma carreira de insucessos em diversos clubes do mundo. Seus ótimos números e estatísticas no jogo nunca se traduziram em uma promessa que de fato vingou. O jogo tão conhecido por antecipar grandes jogadores falhou com Samba.

A fama no jogo fez com que Samba tivesse repercussão maior pelo seu personagem virtual do que pela sua carreira de fato. A fama de ser um fenômeno do Football Manager o seguiu por toda carreira, mesmo quando ficou claro que ele não era aquilo que se esperava que virasse. Mais do que isso: a sua fama fazia com que seu nome se tornasse uma atração em campo, prolongando uma carreira que ele estendeu até 2015.

No anúncio da sua aposentadoria, Samba agradece à imprensa dizendo que não chegaria onde chegou se não tivessem escrito sobre ele. Sem nunca ter vingado como jogador de alto nível para os ingleses, ele resolveu atuar pela seleção da Gâmbia. Fez quatro jogos e marcou um gol, sem muito sucesso. Nos últimos três anos atuando na sua terra natal, conviveu com muitas lesões no tornozelo, o que, segundo o próprio jogador, o levou a se aposentar aos 29 anos. Seus planos agora são estudar e tirar as certificações para ser técnico de futebol. Quem sabe ele vá treinar um pouco jogando Football Manager…