Brasil

Vila Belmiro ou Neo Química Arena: estádio para a semifinal divide opinões até entre ídolos do Santos

A possibilidade de trocar a Vila Belmiro pela Neo Química Arena na semifinal do Paulistão divide torcedores e ex-jogadores do Santos

Na manhã desta quarta-feira (20), a Federação Paulista de Futebol (FPF) realizará o congresso técnico com representantes dos quatro times classificados para as semifinais do Campeonato Paulista. No encontro serão definidos as datas, horários e estádios dos confrontos entre Santos x Red Bull Bragantino, e Palmeiras x Novorizontino. A maior expectativa envolve o local em que o Peixe mandará o equilibrado duelo contra o Massa Bruta.

A diretoria alvinegra vem mantendo em segredo se usará a Vila Belmiro ou levará a partida para a Neo Química Arena. E essa mudança divide opiniões entre torcedores e até ex-jogadores do Santos, que conversaram com a Trivela sobre o dilema.

Para Zé Roberto, a Vila é diferenciada

Principal estrela da equipe campeã paulista em 2007, Zé Roberto entende que a mudança precisa ser muito bem analisada pela diretoria, pois a Neo Química Arena dificilmente proporcionará o ambiente da Vila Belmiro.

— Considerando a importância da atmosfera e do apoio da torcida em jogos decisivos, a Vila Belmiro sempre teve um papel significativo para o Santos. A proximidade da torcida e a história do estádio criam um ambiente único que pode influenciar positivamente o desempenho da equipe. Por isso, ao considerar a troca de local para a semifinal do Campeonato Paulista, é importante avaliar não apenas o aspecto financeiro, mas também o impacto do clima que será criado pela torcida para a performance da equipe — opina o ex-jogador.

Zé Roberto no CT Rei Pelé
Campeão paulista com o Santos em 2007, Zé Roberto lembrou de algumas finais que disputou na Vila como adversário (Foto: Flickr/Santos)

Para exemplificar a força da Vila Belmiro, Zé Roberto lembra das finais que disputou no estádio alvinegro como visitante.

— Em 2015 eu estava no Palmeiras e disputamos duas finais na Vila Belmiro: do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil. Lembro que a torcida do Santos empurrava o time de um jeito que a gente não conseguia se ouvir dentro de campo. Foram jogos muito complicados. Essas são apenas duas das muitas ocasiões em que senti a torcida do Santos fazer a diferença e tornar o ambiente ainda mais hostil para os adversários — acrescenta.

Robert é a favor da partida na Neo Química Arena

Campeão brasileiro pelo Santos em 2002, o ex-meio-campista Robert enxerga a disputa da semifinal contra o Red Bull Bragantino na Neo Química Arena como positiva.

Robert campeão brasileiro em 2002
Robert entende o interesse da diretoria de trocar a Vila Belmiro pela Neo Química Arena (Foto: Arquivo pessoal)

— Estou de acordo com o Santos mandar esse jogo na Neo Química Arena, porque dá a oportunidade para mais torcedores do Santos acompanharem o time de coração, principalmente aqueles que moram na grande São Paulo, no interior do Estado e até em outros estados. É óbvio que a Vila Belmiro é um alçapão, que é uma pressão muito grande para cima dos adversários. Mas é preciso pensar que o adversário também se aproveita da Vila. E ultimamente a Vila Belmiro não tem feito a diferença para o Santos. Essa é a realidade — comenta o ex- meio-campista.

— Não tem feito, porque ela só faz diferença quando o time ajuda. É óbvio que o time deste ano, comparado com os times dos três últimos anos, é muito melhor. Mas não dá para compará-lo com equipes do passado. O time de 1995 e de 2002, por exemplo, em que eu estava, fazia a Vila Belmiro pulsar, o de 2010, com Neymar e Cia., é covardia comparar. Então, neste momento sou a favor do time jogar em São Paulo. Sou a favor do revezamento. A torcida do Santos é muito grande e vivenciei isso com jogos no Pacaembu ou no Morumbi — explica Robert.

Renato não abriria mão da Vila Belmiro

Ídolo da torcida, campeão paulista em 2015 e 2016, e brasileiro em 2002, Renato faz coro a opinião de Zé Roberto e afirma que por se tratar de uma semifinal também não abriria mão da Vila Belmiro.

Renato em palestra no Santos
Ídolo da torcida do Santos, Renato salienta que é preciso entender o momento financeiro do clube (Foto: Flickr/Santos)

— Por se tratar de uma semifinal de Paulistão, onde o clube pode voltar a uma final, eu, particularmente, não abriria mão da Vila, porque sei a força que esse estádio tem. Quando a gente jogava ali a atmosfera era outra dos demais estádios. É diferente e o adversário sabe desta atmosfera, sabe que ali é complicado — fala o ex-meio-campista antes de ressaltar que o momento financeiro do clube obriga a diretoria a pensar nessa mudança de local.

— Apesar disso, é preciso analisar também o momento do clube. Hoje o Santos vive uma situação atípica por conta do rebaixamento no Campeonato Brasileiro e o lado financeiro acaba falando mais alto. Essa troca de estádio, se ocorrer, será justificada pelo lado financeiro. Em todo caso, sabemos que o torcedor comparecerá e incentivará para que o Santos possa fazer um bom jogo diante de uma grande equipe como é o Red Bull Bragantino e possa chegar à final — completa o eterno camisa 8 do Peixe.

Santos fez vistoria na Neo Química Arena

Na última segunda-feira (18), o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, afirmou, em entrevista a Bandeirantes, que enviou representantes para fazer uma vistoria no gramado da Neo Química Arena visando o confronto contra o Red Bull Bragantino. Segundo ele, a definição dependerá das datas dos confrontos.

Caso não exista risco de conflito entre as torcidas organizadas de Santos e Palmeiras, que mandará a semifinal no Allianz Parque, o Peixe deverá utilizar o estádio corintiano.

Foto de Bruno Lima

Bruno Lima

Bruno Lima nasceu em Santos (SP) e se formou em Jornalismo na Universidade Católica de Santos (UniSantos) em 2010. Antes de escrever para Trivela, passou por A Tribuna.
Botão Voltar ao topo