BrasilCampeonato Brasileiro

[Vídeos] Assim foi o adeus de Alex, um craque além da camisa 10

O garoto que se entregou de coração ao Coritiba. O craque que ajudou o Palmeiras a vencer seu título mais importante. O gênio que liderou o Cruzeiro em sua temporada mais avassaladora. O ídolo que se eternizou em bronze no Fenerbahçe. O camisa 10 clássico que o Brasil nunca teve o gosto de ver em uma Copa do Mundo. O jogador de futebol que extrapolou os estereótipos, através de sua visão muito além do jogo. São muitas as maneiras de definir Alex. Um dos maiores do futebol brasileiro nas últimas duas décadas, que se despediu dos gramados neste domingo.

VEJA TAMBÉM: Alex vai deixar muitas saudades no futebol, e listamos 10 motivos

Como era de se esperar, a tarde foi emotiva no Couto Pereira. Alex já tinha dito que estava chorando mais que o normal nos últimos dias, e não escondeu as lágrimas antes mesmo de a bola rolar, com as homenagens feitas pelo clube. Mais emoção quando o camisa 10 saiu substituído no final do jogo e acabou ovacionado pelas arquibancadas alviverdes. Para ter o gosto de sorrir uma última vez como jogador, graças à vitória de virada do Coxa sobre o Bahia por 3 a 2 – que, de certa forma, ajudou outra de suas paixões, o Palmeiras. Keirrison, autor do gol decisivo nos acréscimos, dedicou o seu tento ao capitão.

Na despedida do estádio, Alex ainda deu a volta olímpica, como deveria ser. Como um verdadeiro campeão. Neste momento, o que resta é aplaudir o Alex. Agradecer pelos grandes momentos que ele proporcionou , gravados na memória de milhões de fãs. E torcer para que ele se mantenha próximo do esporte, já que sua maestria não se limita apenas à bola nos pés.

Abaixo, dois vídeos: a entrada de campo de Alex e a sua substituição – esta, com direito à narração em turco.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo