Brasil

Textor questiona auditor do STJD e cita possível relação com o Palmeiras

Dono da SAF do Botafogo, John Textor criticou o relatório do auditor do STJD que sugeriu uma punição história ao americano

Dono da SAF do Botafogo, John Textor questionou a atuação do auditor do STJD que sugeriu uma punição histórica ao americano no inquérito sobre supostas manipulações de resultados no futebol brasileiro.

Em texto publicado na noite deste domingo (7), o empresário citou o fato de Mauro Marcelo de Lima e Silva ser supostamente torcedor do Palmeiras e insinuou que ele está “agindo de acordo com a agenda de outra pessoa”.

John Textor, inclusive, publicou em seu site fotos de Mauro Marcelo no Allianz Parque – retiradas das redes do próprio auditor do STJD. O dono do Botafogo disse que o relator do inquérito “comete ação impensável simplesmente por ter solicitado uma investigação envolvendo, ainda que indiretamente, o clube que o Sr. Mauro Marcelo parece apoiar”.

— É fato sem precedentes, em qualquer sociedade civilizada, que um denunciante que solicita uma investigação seja punido, especialmente quando há alegações confiáveis baseadas em depoimentos de especialistas — diz um trecho da nota.

— Sérias perguntas devem ser feitas sobre o Auditor do STJD, Sr. Mauro Marcelo de Lima e Silva, que parece estar agindo de acordo com a agenda de outra pessoa. Além das penalidades desproporcionais recentemente sugeridas em seu relatório, fico consternado pelo fato de que a minha procura, de boa-fé, pela elucidação de fatos e elementos de manipulações de partidas tenham motivado acusações graves contra mim — diz outro trecho do texto publicado por John Textor.

Textor republicou fotos de auditor do STJD relacionadas com o Palmeiras (Foto: Reprodução/Site John Textor)
Textor republicou fotos de auditor do STJD relacionadas com o Palmeiras (Foto: Reprodução/Site John Textor)

John Textor ainda citou Leila Pereira, presidente do Palmeiras, antes de falar sobre a relação de Mauro Marcelo com o clube paulista.

— É de amplo conhecimento que aleguei a possibilidade de existência de erro material, parcialidade e/ou manipulação de partidas, que podem ter contribuído significativamente para beneficiar o Palmeiras em 2023. Também é sabido que a dirigente do Palmeiras Leila Pereira sugeriu, sem analisar qualquer um dos documentos que levantei, que eu deveria ser banido do esporte no Brasil.

— Agora, o Sr. Mauro Marcelo de Lima e Silva, cuja afeição pelo Palmeiras tem sido bem divulgada por meio de suas fotos pessoais, comete a ação impensável de punir um presidente de clube simplesmente por ter solicitado, de maneira confidencial, uma investigação envolvendo, ainda que indiretamente, o clube que o Sr. Mauro Marcelo parece apoiar.

Quem é Mauro Marcelo, auditor do STJD?

Mauro Marcelo de Lima e Silva foi o relator do inquérito no STJD relacionado as acusações de John Textor de manipulação de resultados no futebol brasileiro. De acordo com o relator, as provas apresentadas por Textor são “imprestáveis”.

Mauro Marcelo ainda considerou que a atitude do dono do Botafogo seria um ilícito desportivo contra a honra dos acusados de manipulação de resultados. Por isso, sugeriu uma suspensão de 2.340 dias (seis anos) e uma multa de R$ 2 milhões — o que seria a maior punição da história do STJD para um dirigente da Série A do Brasileirão.

Textor defende provas apresentadas

Na nota publicada neste domingo, John Textor voltou a defender as suas provas apresentadas no STJD. Além de “depoimentos de especialistas”, o dono do Botafogo citou que a empresa contratada por ele tem contratos com órgão europeus.

Os elementos de manipulação de partidas foram fornecidos pela Good Game!, expert independente que conta com grande confiança dos principais órgãos governamentais europeus, federações esportivas (como a Union of European Football Associations – Uefa), empresas de apostas e governos — afirmou Textor.

O que diz o relatório do STJD sobre John Textor?

Devido aos muitos pedidos de abertura de inquérito contra John Textor e após um pedido do próprio americano para a instauração de uma investigação, o Auditor Relator juntou todos os inquéritos em um só, apresentando o relatório nesta sexta-feira.

Com algumas ironias, o relatório questiona as provas apresentadas por John Textor de manipulação de resultados no Campeonato Brasileiro de 2023.

— O suposto método para detectar manipulação de resultados parece ter saído direto de um filme de ficção científica. Segundo o MATCHFIX® da “Good Game”, esse método seria a verdadeira bola de cristal moderna — diz um trecho do relatório.

O relator, por exemplo, também questiona o uso de dados como distância percorrida, velocidade e tempos de reação para detectar anomalias no futebol. O relator aponta que isso acaba por “ignorar as complexidades de um jogo”.

De acordo com o relatório, “difusão dessas acusações infundadas gerou uma crise de desconfiança no campeonato, exigindo medidas legais para responsabilizá-lo e restaurar a integridade e a credibilidade do futebol brasileiro“.

Textor critica vazamento de nomes de jogadores

No relatório divulgado na última sexta-feira, foi possível ver os nomes dos jogadores e árbitros que teriam sido acusados por Jhon Textor de manipulação de resultados. Apesar do inquérito ter sido divulgado com um “bloco” censurando os nomes, era possível ver quais eram estes nomes ao copiar e colar o bloco em outro arquivo. Assim, na nota divulgada neste domingo, Textor criticou o vazamento destes dados.

— Lamento profundamente que o relatório elaborado pelo Sr. Mauro Marcelo de Lima e Silva tenha, deliberadamente, divulgado os nomes de potenciais envolvidos, além de ter publicizado o teor da documentação em análise no Inquérito, que contém dados sensíveis e informações confidenciais — publicou Textor

Quem são os jogadores que John Textor acusou de manipulação?

De acordo com o relatório do STJD, a Good Game, empresa contratado por John Textor, apontou “categoricamente” que duas partidas do Campeonato Brasileiro foram manipuladas: Palmeiras 5 a 0 São Paulo, no dia 25 de outubro, e Bahia 1 a 2 Grêmio, no dia 1º de julho.

Outras sete partidas, não citadas no relatório do STJD, apareceram como “suspeitas“.

Além disso, Textor também afirmou que o Palmeiras foi beneficiando com a expulsão de jogadores adversários em cinco partidas:

  • Goiás 0 x 5 Palmeiras
  • Palmeiras 1 x 0 Goiás
  • Palmeiras 1 x 0 Fluminense
  • Palmeiras 1 x 0 Bahia
  • Botafogo 3 x 4 Palmeiras

Na partida Palmeiras 5 a 0 São Paulo, John Textor acusou, sem provas, cinco jogadores de possível manipulação.

  • Diego Costa
  • Rafinha
  • Gabriel Neves
  • Lucas Beraldo
  • Caio Paulista

Já na partida Palmeiras 4 a 0 Fortaleza, pelo Campeonato Brasileiro de 2022, foram quatro jogadores do time cearense acusados por Textor.

  • Juninho Capixaba
  • Tinga
  • Marcelo Benevenuto
  • Fernando Miguel

Sete árbitros também foram citados nas acusações de John Textor e tiveram seus nomes revelados no relatório do STJD.

  • Raphael Claus (duas vezes);
  • Ramon Abatti Abel;
  • Rodrigo José Pereira de Lima (três vezes);
  • Rafael Rodrigo Klein;
  • Rafael Traci;
  • Wagner do Nascimento Magalhães;
  • Sávio Pereria Sampaio;
Foto de Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues

Jornalista formado pela UFF e com passagens, como repórter e editor, pelo LANCE!, Esporte News Mundo e Jogada10. Já trabalhou na cobertura de duas finais de Libertadores in loco. Na Trivela, é setorista do Vasco e do Botafogo.
Botão Voltar ao topo