Brasil

Caçula indigesto, Amazonas segue ascensão meteórica e conquista Série C com Sassá protagonista

Fundado em 2019, Amazonas coloca estado na Série B após 16 anos e levanta segunda taça nacional em curta história

Mesmo começando perdendo a grande final da Série C do Campeonato Brasileiro, o Amazonas sabia que poderia contar com o artilheiro Sassá para marcar o gol da virada e garantir o título inédito ao jovem clube amazonense neste domingo (22) ao superar o Brusque por 2 x 1 em pleno Augusto Bauer. A ida da decisão, em Manaus, havia terminado 0 a 0.

O atacante de 29 anos, conhecido pelo apelido “Sassálotelli” (em alusão ao italiano Mário Balotelli) e pelas passagens por Botafogo e Cruzeiro, chegou ao 18º gol em 23 jogos na terceira divisão. Ele chegou ao Amazonas em abril, justamente para a disputa da Série C.

O Amazonas vem subindo a “escadinha” do futebol brasileiro. Fundado em 2019, o clube conquistou o acesso nas Séries D (em 2022) e C logo na primeira vez que disputou. Ainda em 2023, a Onça Pintada levou o inédito campeonato estadual em cima do Manauara.

Em 2024, a equipe treinada por Luizinho Vieira quebrará um tabu de 18 anos sem um clube amazonense na segunda divisão – o último foi o São Raimundo, em 2006.

O jogo do título do Amazonas

A etapa inicial começou agitada. Em 10 minutos, foram três chances, duas para Brusque e uma para o Amazonas. Na primeira, Igor Bolt finalizou da entrada da área, mas a bola foi para fora. Na sequência, Guilherme Queiróz teve sua chance e foi bloqueado pela defesa – ele teria outra oportunidade logo depois e não desperdiçaria. Dentinho fez jogada dentro da área, finalizou e a bola explodiu na mão do lateral-direito Patric (aquele mesmo, ex-Atlético-MG). Próxima do lance, a árbitra Edina Alves marcou a penalidade. Na cobrança, Queiróz deslocou facilmente Edson Mardden e abriu o placar.

O Brusque teve a oportunidade de ampliar em duas chances seguidas aos 33 minutos, mas desperdiçou ambas, primeiro com Diego Tavares, que adiantou demais após ter muito campo para avançar, e depois com Dentinho, que bateu por cima do gol já dentro da pequena área. Queiróz ainda pôde fazer seu segundo, mas bateu fraco no meio do gol.

A máxima do “quem não faz toma” se provou aos 44 minutos, quando falta cobrada rápida surpreendeu a defesa do Brusque e Bolt deu para Diego Torres igualar a decisão. No início da etapa final, o camisa 11 por pouco não marcou o segundo no dia ao mandar uma bela falta no travessão de Matheus Nogueira.

O destino estava guardando o gol do título para um nome especial e essencial nessa campanha. Bem no estilo de Sassá, centroavante brigador e aproveitador nato de chances, recebeu cruzamento de Patric no meio da defesa, dominou de coxa e bateu mascado na saída de Nogueira para marcar seu 18º gol na Série C.

Se a Onça Pintada conseguiu segurar a vitória que garantiu o título, deve-se muito ao goleiro Edson, autor de milagre em finalização de Alex Ruan e outra defesa na cabeçada de Tobinha. O abafa do Brusque foi mais na emoção do que efetivo, acumulando poucas chances até o fim do jogo, garantindo a taça do clube amazonense. No apito final, ao invés de comemoração, o que aconteceu foi uma confusão generalizada entre jogadores das duas equipes.

 

Quem sobe para Série B?

Brusque e Amazonas garantiram o acesso e a vaga nas finais ao liderarem os grupos no quadrangular final da Série C. Junto deles, sobem os segundos colocados de cada chave, Paysandu e Operário-PR.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Nascido e criado em São Paulo, é jornalista pela Universidade Paulista (UNIP). Já passou por Yahoo!, Premier League Brasil e The Clutch, além de assessorias de imprensa. Escreve sobre futebol nacional e internacional na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo