BrasilCampeonato Brasileiro

Rodada de Keirrison, Walter e o voo do Boi Bandido

Não resta muito tempo para o seu time no Campeonato Brasileiro. A oito rodadas do fim, o objetivo está definido, e alguns nem objetivo mais tem. O líder Cruzeiro tropeçou de novo. Terceira derrota nos últimos quatro jogos, mas o Grêmio não conseguiu aproveitar. Empatou com o Internacional no clássico da provocação de Andrés D’Alessandro, que talvez não saiba exatamente a função de um binóculos.

A 30ª ronda de jogos do torneio foi impressionante por causa dos atacantes. Walter mostrou qualidades de ponta-direita e de centroavante no passeio do Goiás contra o Atlético Paranaense, Aloísio foi decisivo contra o Bahia e deu mais uma voadora em Muricy Ramalho, e Keirrison, aquele mesmo, voltou a marcar. Vamos começar por ele?

746 dias

Coritiba 2 x 1 Cruzeiro

Depois de 746 dias, Keirrison fez um gol. A seca de dois anos do lendário atacante do Barcelona – afinal de contas, seu futebol na Catalunha não passou de uma lenda – terminou justamente contra um dos seus ex-
clubes. O atacante do Coritiba impôs ao Cruzeiro a terceira derrota nos últimos quatro jogos, mas, com
nove pontos de vantagem a oito rodadas do final, é mais fácil Keirrison fazer outro gol do que os mineiros
perderem o título. Não acredita? Temos provas materiais do momento histórico:

Keirrison voltou a marcar após 746 dias de jejum
Keirrison voltou a marcar após 746 dias de jejum
Mais um dia de Walter

Goiás 3 x 0 Atlético Paranaense

Difícil não colocar Walter em qualquer seleção do Campeonato Brasileiro. Como um ponta-direita das
antigas, entortou a defesa do Atlético Paranaense e deixou a bola mansa, descansada, rolando lentamente
para Roni abrir o placar. Nos minutos finais, fez o terceiro, matando a defesa vermelha e preta já no
domínio. Não fosse o bastante, ainda deu bronca na torcida do Goiás, que brigou entre si nas arquibancadas
do Serra Dourada em vez de ver o time caminhar rumo à Libertadores. São apenas quatro pontos de distância
para o Botafogo.

O voo do Boi Bandido

Bahia 0 x 1 São Paulo

Curiosamente, o título é mais literal que metafórico. Aloísio fez o gol da vitória do São Paulo contra o
Bahia – a primeira na Fonte Nova desde 1971 – e foi mais uma vez, como contra o Cruzeiro, comemorar dando uma voadora em Muricy Ramalho, afinal, quem nunca quis dar um golpe desses no chefe? Absolutamente natural. O trabalho do Boi Bandido colocou o time a sete pontos da zona de rebaixamento. Tudo caminha para um fim de Campeonato Brasileiro sem vertigens para o São Paulo.

Teve gol do Corinthians também

Corinthians 1 x 0 Criciúma

No fim de semana que Keirrison fez gol, ficaria feio o Corinthians não marcar também. De bola parada, que
nem contra o Bahia, há seis rodadas, última vez que o time do técnico Tite havia balançado as redes,
Alexandre Pato garantiu a vitória contra o Criciúma, que alivia a situação dos paulistas. São sete pontos
de vantagem para a zona de rebaixamento. Mais uns dois golzinhos de cabeça e o ano termina
melancolicamente, mas sem grandes traumas.

O Gre-Nal do binóculos

Internacional 2 x 2 Grêmio

“Para ver o Grêmio, só de binóculos”, disse Renato Gaúcho, em resposta à provocação ainda intrigante de
Andrés D’Alessandro após marcar o gol de empate para o Internacional. O técnico do vice-líder tem uma dose
de razão, afinal 11 pontos separam os rivais na tabela. Talvez a comemoração do argentino seja em relação
aos nove pontos de distância entre o Grêmio e o Cruzeiro. A diferença continua grande porque, mais uma
vez, o tricolor gaúcho não conseguiu aproveitar o tropeço do líder. O Grêmio empatou duas vezes e perdeu
uma nas três derrotas dos mineiros nas últimas quatro rodadas e desperdiçou a chance de devolver a
diversão à briga pelo título do Campeonato Brasileiro.

D'Alessandro marcou de pênalti e provocou a torcida do Grêmio
D’Alessandro marcou de pênalti e provocou a torcida do Grêmio
Eis que surge Juninho

Botafogo 2 x 2 Vasco

Desde as quatro vitórias seguidas entre a 18ª e a 22ª rodada, o Botafogo anda inconstante. Perdeu de
Bahia, Ponte Preta, Grêmio e Vitória, empatou com o Fluminense e só ganhou do lanterna Náutico e do
Flamengo. Em mais um clássico, mesmo sem Clarence Seedorf, marcou duas vezes em um espaço de um minuto e
parecia que o Vasco seria derrotado. Eis que Juninho Pernambucano surgiu do banco de reservas e deu duas
assistências para empatar o jogo. Como a parte intermediária da tabela ainda não decidiu quem vai brigar
por Libertadores, o Botafogo continua entre os quatro primeiros, mesmo com essas derrapadas.

Um golaço no confronto entre o que sobrou

Atlético Mineiro 1 x 0 Flamengo

Atlético Mineiro e Flamengo têm uma das rivalidades mais acirradas entre clubes de estados diferentes, mas
não conseguem fazer milagre com 18 desfalques (14 dos mineiros e quatro dos cariocas) e três jogadores
poupados pelo técnico rubro-negro Jayme de Almeida. Então a partida no Estádio Independência, entre o que
sobrou de um lado contra o que sobrou do outro, não foi grande coisa. Salvou-se o gol da vitória de Lucas
Cândido, um jovem volante de 19 anos capaz de acertar um chute que traça uma parábola entre o lado
esquerdo da intermediária e a rede da segunda trave do goleiro Felipe. Valeu o ingresso.

A blitz do Recife

Náutico 1 x 5 Santos

Duas, na verdade. Quarenta segundos de jogo, gol de Thiago Ribeiro. Depois, mais três em cinco minutos. Na
metade do primeiro tempo, o Santos já goleava o Náutico de Marcelo Martelotte, o ex-interino, por 4 a 0.
Acabou 5 a 1 porque os pernambucanos têm o goleador mais rápido do Nordeste. Nas últimas sete rodadas,
Maikon Leite marcou seis dos nove gols do Náutico e chegou a oito no Campeonato Brasileiro. Um trabalho
estupendo, mas o Timbu vai ser rebaixado como o último colocado mesmo assim.

Fluminense fez a sena

Fluminense 1 x 1 Ponte Preta

O empate contra a Ponte Preta foi o sexto jogo consecutivo sem vitória do Fluminense do professor Vanderlei Luxemburgo. Em outubro, o time caiu da oitava posição para a 15ª, e a zona do rebaixamento começa a se aproximar. O Vasco está a apenas três pontos de distância. O clube conta com Fred para a segunda semana de novembro, mas, até lá, a vaca pode já ter ido para o brejo.

Filosofando com Guto Ferreira

Portuguesa 1 x 1 Vitória

“A Portuguesa já perdeu por querer ganhar demais”, disse o técnico Guto Ferreira, aparentemente uma voz que discorda do ditado do seu colega Vanderlei Luxemburgo – o medo de perder tira a vontade de vencer – para justificar o 1 a 1 contra o Vitória, em casa. O que o treinador quis dizer é que a Portuguesa já perdeu muitos pontos no final das partidas e está escaldada. Brigar por três pontos ou se contentar com um? Eis a questão no Canindé. A cinco pontos da zona de rebaixamento, o dilema torna-se ainda mais complicado.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo