Brasil

Conexão Buenos Aires: A estratégia do Palmeiras para contratar destaques da Argentina

Clube busca identificar os melhores nomes para suprir suas necessidades, e os hermanos sempre entram no radar

Agustín Giay, 20, será o segundo argentino a se juntar ao elenco do Palmeiras em 2024. O contingente que só tinha Flaco López no fim de 2023 ganhou Aníbal Moreno além do lateral/meia ex-San Lorenzo neste ano.

Os argentinos são maioria com sobra entre os gringos do Verdão, que também tem nas suas fileiras o paraguaio Gustavo Gómez, o uruguaio Joaquín Piquerez e o colombiano Richard Ríos.

Mais do que a nacionalidade, vale ressaltar o perfil dos jogadores argentinos contratado pelo Alviverde para esta temporada.

Ao contrário de Flaco, pretendido por agremiações de seu país, mas muito jovem quando chegou a São Paulo, Moreno e Giay já eram destaques na Argentina.

Moreno era o principal nome do Racing, que chegou às quartas da Copa Libertadores de 2023, e estava na mira do Palmeiras desde 2022. Com passagens pelas seleções de base, era considerado um dos principais atletas da liga vizinha.

Caso parecido com o de Giay. Embora mais jovem, Giay vem frequentando os selecionados de seu país desde o sub-15. Assim como Moreno, o nome dele era citado constantemente como possível reforço em clubes da Europa.

Observação

A Trivela apurou que o movimento de aproximação com o futebol argentino obedece a alguns fatores. Em primeiro lugar, está o nível técnico e a tradição do campeonato.

A escola tricampeã mundial, atual detentora da Copa do Mundo, é conhecida por formar atletas muito completos, com alta qualidade técnica e inteligência tática.

Aníbal Moreno comemora gol contra o Santos na Final do Campeonato Paulista, no Allianz Parque (Foto: Fabio Menotti/Palmeiras/by Canon)

Não à toa, Abel referiu-se a Moreno como um “jogador pronto”, ao descrever os motivos de sua contratação. Mas o fato é que não houve uma operação específica de buscas na Argentina.

O departamento de análise de mercado do clube mira identificar jogadores que supram as necessidades do time em mercados diversos.

Porém, o mau momento financeiro dos clubes na margem ocidental do Rio da Prata – e do país, como um todo – somado à qualidade dos atletas do país de Lionel Messi e Diego Maradona, fizeram com que os argentinos acabassem sendo escolhas naturais.

Tradição

Giay é o 48º argentino a vestir a camisa do Palmeiras, uma tradição iniciada ainda na época em que o clube se chamava Palestra Itália.

Como, por exemplo, o atacante Echevarrieta, que fez 114 gols em 126 jogos pelo clube entre 1939 e 1942 — 12º maior artilheiro histórico.

O meia Madurga foi nome importante da Segunda Academia do Palmeiras, e disputou 64 partidas (11 gols) pelo Verdão entre 1972-73, na conquista do 5º e do 6º Campeonatos Brasileiros do clube.

Mais recentemente, o Palmeiras teve Alejandro Mancuso, em 1995, na Era Parmalat. Sergio Gioino foi contratado na época das vacas magras da primeira década dos anos 2000.

Barcos virou símbolo da grande fase do Palmeiras, campeão da Copa do Brasi
Barcos virou símbolo da grande fase do Palmeiras, campeão da Copa do Brasi

Hernán Barcos chegou a gozar um status provisório de ídolo. Brilhou no Paulista e conquistou a Copa do Brasil de 2012. Mas, ao pular do navio quando o time foi rebaixado à Série B, o Pirata ganhou a pecha de traidor.

No último ano antes da retomada do clube, em 2014, com o técnico Ricardo Gareca, chegaram à Academia de Futebol Fernando Tobio, Pablo Mouche, Agustín Allione e Churry Cristaldo.

Allione e Cristaldo seguiram com certa relevância no clube até 2016, tendo participado das equipes campeãs da Copa do Brasil de 2015 e do Brasileiro de 2016. Cristaldo até hoje e festejado por torcedores do Palmeiras nas redes sociais.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata LimaSetorista

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo