Brasil

Balança mostra saldo muito favorável ao Palmeiras no mercado de contratações

Clube alviverde investiu alto na equipe, e mesmo assim arrecadou muito mais com as vendas que fez

Há muito para se definir no Palmeiras nas próximas horas, no que diz repeito à formação do elenco. As saídas de Luan e Luis Guilherme estão por detalhes. A chegada do lateral-direito Agustín Giay, 20, do San Lorenzo, é dada como certa.

Se tudo acontecer como está encaminhado, o Palmeiras vai chegar a um patamar alto de gastos com contratações para este ano. Somados os valores, o clube terá gastado 23,2 milhões de euros — R$ 133,23 milhões — com sete jogadores.

O investimento é considerável, mas ainda está bem longe dos 131,8 milhões de euros — R$ 752 milhões — que o time está por arrecadar com vendas de direitos de atletas.

A postura agressiva do Palmeiras no mercado sinaliza uma importante mudança de pensamento no clube. Até a temporada passada, o Verdão apostou em manter seus principais jogadores.

A partir deste ano, o Palmeiras começa um movimento de reformulação que ainda promete algumas outras chegadas e saídas até setembro, quando a janela de transferências vai se fechar.

Distorções a se considerar

Há dois pontos importantes a se considerar nesta conta. O primeiro é o fator Felipe Anderson. É importante frisar que a maior contratação do clube para o ano não teve custos de transferência, já que o jogador tinha contrato se encerrando com a Lazio e optou por assinar com o Palmeiras.

Isso, porém, está bem longe de significar que Felipe veio de graça para o Alviverde. Numa situação do tipo, o clube ao qual o jogador em fim de contrato está vinculado, de fato, não recebe nada. Mas o jogador, seu agente e intermediários recebem luvas e comissões pela transação.

Outro ponto de distorção é Endrick. O atleta vai movimentar 80 milhões de euros — R$ 459 milhões — ao fim da transferência, valor no qual estão embutidos metas e os impostos, que serão pagos pelo Real Madrid. A venda, propriamente, ficou em torno de 62 milhões de euros (R$ 356 milhões).

Felipe Anderson e Leonardo Holanda, gerente jurídico e de negócios do Palmeiras, em Roma (Foto: Reprodução)

E embora se despeça do Verdão apenas agora, Endrick teve sua transferência acertada em 2002, poucos meses depois de sua estreia como profissional no Palmeiras. De modo que, no exercício contábil que a reportagem se propõe a fazer, a inclusão das cifras referentes ao jogador são questionáveis.

Mas o Palmeiras vive um ano tão bom no que diz respeito a negociações que, mesmo desconsiderando Endrick, a balança segue favorável ao clube.

Sem Endrick, o Palmeiras acumula 69,8 milhões de euros em vendas — R$ 395,5 milhões: R$ 210 milhões a menos do que gastou

Valores das transferências (milhões de Euros)

Chegaram
Lázaro – 1,0 (empréstimo)
Bruno Rodrigues – 4,65
Aníbal Moreno – 6,45
Felipe Anderson – Zero
Rômulo – 1,10
Agustín Giay – 7 (US$ 7,5 mi)*
Caio Paulista – 3,5

Total: 23,7 mi

Saíram
Luan – 4*
Breno Lopes – Zero
Endrick – 68
Luis Guilherme – 30*
Artur – 15
Merentiel – 2,8
Kevin – 12

Total – 131,8 mi
Sem Endrick: 69,8 mi

*Negociações em andamento

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata LimaSetorista

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo