BrasilCampeonato Brasileiro

O sotaque estrangeiro dominou a sétima rodada do Brasileirão

A manchete do jornal gaúcho Zero Hora foi muito feliz: “Campeonato Brasileño”. Isso porque tanto Internacional quanto Grêmio contaram com seus estrangeiros para vencerem Fluminense e Botafogo, respectivamente. Mas não foram os únicos. O sotaque estrangeiro se destacou na sétima rodada do Brasileirão, incluindo o famoso primo do Messi, Maxi Biancucchi, que é o artilheiro do campeonato com seis gols.

O predestinado

Geraldo

O clássico do Paraná foi decidido com o gol de um atacante reserva. Mas não é qualquer reserva. Geraldo é jovem, tem 21 anos, mas já tem uma lista de quatro gols em Atletibas. A escrita começou em 2010, quando o atacante marcou em uma vitória por 2 a 0. Desde então, marcou outras três vezes, a última aos dez minutos do segundo tempo neste domingo. Um gol importante, o da vitória, que leva o Coxa à liderança no Campeonato Brasileiro. Haja estrela!

O decisivo

Alex

Aliás, por falar em estrela, Alex continua brilhando no time alviverde. Foi ele que começou a jogada do gol da vitória do Coritiba, pela direita, passando para Robinho, que passou para Geraldo. O camisa 10 do Coxa é o craque do campeonato até aqui. Foram três assistências, além de ter marcado dois gols.É um dos principais responsáveis pela excelente campanha do Coritiba.

Sotaque estrangeiro

A rodada foi marcada por gols estrangeiros. No sábado, D’Alessandro e principalmente Forlán foram os destaques do Internacional que venceu o Fluminense em Macaé.  Todos os gols foram deles: dois do uruguaio e um do argentino. Mas não foram os únicos. No jogo entre Grêmio e Botafogo, na Arena Grêmio, todos os gols foram estrangeiros. Eduardo Vargas fez os dois gols do tricolor gaúcho, enquanto Clarence Seedorf fez um golaço para o Botafogo. No Atletiba, Geraldo, angolano, marcou o gol da vitória do Coritiba. Na Bahia, Maxi Biancucchi fez dois gols e ajudou o Vitória a bater o São Paulo de virada por 3 a 2. Foram nove gols de estrangeiros na rodada. Um Campeonato Brasileiro com passaporte na mão.

A virada

Vitória 3×2 São Paulo

O Vitória segue sendo uma equipe surpreendente nesta temporada. O time saiu perdendo para o São Paulo, que estreava Paulo Autuori. Mas graças a uma boa atuação do seu setor ofensivo e com dois gols de Maxi Biancucchi, o time virou o jogo, conseguiu a sua quarta vitória em sete jogos e é o vice-líder do Campeonato Brasileiro, com 13 pontos – dois atrás do Coritiba.

A surpresa

Corinthians 0x1 Atlético Mineiro

O Atlético Mineiro é um dos times mais fortes do Campeonato Brasileiro, mas ganhar do Corinthians com um time repleto de reservas no Pacaembu não estava nos planos. Ao menos, não nos planos do Corinthians. O time fez uma partida muito ruim, perdeu gols e apresentou um futebol sofrível e acabou sendo derrotado por um gol de Rosinei – é a lei do ex sendo implacável.

Afunda, afunda

O saco de pancada do campeonato tem sido o Náutico. São cinco derrotas em sete jogos, com uma vitória e um empate. São apenas quatro gols marcados e 14 sofridos. Com quatro pontos marcados, o time se candidata previamente a ser um dos quatro rebaixados. Parece que muitos times estarão nessa briga: o Atlético Paranaense tem seis pontos, depois de mais um jogo que até equilibrou contra o Coritiba, mas perdeu de novo. Tem sido uma constante. Vasco e Criciúma, os outros times da zona do rebaixamento, também parecem em baixa. Apresentaram futebol muito fraco na rodada e devem se preocupar.

Tiro na água

William Batoré

A Ponte Preta recebeu o Bahia no estádio Moisés Lucarelli e não conseguiu sair de um 0 a 0. O pior é que o seu centroavante, o experiente William Batoré, perdeu dois pênaltis. O primeiro, ele bateu colocado e o goleiro Marcelo Lomba se esticou para defender. No segundo, os companheiros de Ponte tentaram convencer o atacante a não bater, mas ele fez questão. Com raiva, desceu o pé, no outro canto. E Marcelo Lomba pegou de novo. Bom para o Bahia, que está em sétimo lugar, com 12 pontos.

Clássico deslocado

Vasco 1×0 Flamengo

Um dos maiores clássicos do futebol brasileiro, Vasco e Flamengo são duas marcas fortes do Rio de Janeiro. Mas o clássico foi jogado em Brasília, apesar do mando vascaíno – e muito porque, quando o jogo foi acertado, o Maracanã ainda não tinha entrado na pauta. O Flamengo venceu com um público de mais de 61 mil pessoas, algo legal, embora o estádio ainda apresente muitos problemas. E não foi a última vez: no segundo turno, quando o Flamengo terá o mando, o jogo também será no Mané Garrincha. Será mais um clássico deslocado.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo