BrasilCampeonato Brasileiro

O Santos prestou belas homenagens a Zito na vitória sobre o Corinthians

“Nascer, viver e no Santos morrer é um orgulho que nem todos podem ter”. O trecho do hino santista diz muito sobre o orgulho alvinegro. Um espírito que Zito incorporou ao longo de 62 anos de sua vida. O ídolo pode não ter nascido na Vila Belmiro, mas viveu o Peixe como poucos a partir de seus 20 anos de idade. Em uma década e meia na equipe, ergueu 20 taças de peso (entre Paulistão, Taça Brasil, Rio-São Paulo, Libertadores e Mundial), além de participar do bicampeonato mundial da seleção brasileira. A despedida definitiva do Gerente veio no último final de semana. E, para prestar tributo, o manto trouxe estampado aquele que foi o símbolo da valentia durante tanto tempo.

VEJA TAMBÉM: Mais do que chefe de Pelé, Zito era um ótimo jogador de futebol

Entre as imagens de Zito espalhadas pela Vila Belmiro e o minuto de silêncio respeitado antes de a bola rolar, a homenagem mais bonita que o Santos fez ao velho craque veio marcada no peito. Os traços rosto do meio-campista, em seus tempos de jogador, ocupando o centro da camisa. Já nas costas, havia a frase “Obrigado, Zito”. E os santistas conseguiram honrar a memória do ídolo com a vitória no clássico sobre o Corinthians.

Vestindo uma braçadeira de capitão com a letra Z, Ricardo Oliveira marcou o gol que definiu o triunfo por 1 a 0. Aos nove minutos, Rafael Longuine lançou e o artilheiro chutou por baixo de Cássio para estufar as redes. No entanto, o Peixe sofreu para segurar o resultado, sobretudo nos minutos finais. O Corinthians acertou duas bolas na trave de Vladimir, além de reclamar de um pênalti não marcado pela arbitragem, após toque de mão de Daniel Guedes. Com o resultado, o Peixe assume a 11ª posição, enquanto o Corinthians fica em quinto.

zito

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo