Brasil

Internacional e Coudet concordam: não dava para o trabalho do argentino continuar

Em entrevista coletiva, presidente Alessandro Barcellos revelou que decisão partiu do clube, com adesão do treinador

A segunda derrota consecutiva no Beira-Rio, na noite desta quarta-feira (10), por 2 a 1, para o Juventude, pela Copa do Brasil, marcou o fim da linha para Eduardo Coudet no Internacional. O desligamento do treinador foi comunicado pelo presidente Alessandro Barcellos que precedeu uma entrevista coletiva.

De acordo com o mandatário colorado, a decisão partiu do Inter, com adesão de Coudet. O treinador argentino encerra sua segunda passagem pelo clube com 63 jogos e 30 vitórias.

Com a saída de Coudet e de sua comissão técnica, Pablo Fernández, treinador do sub-20 do Inter, assume a equipe profissional interinamente.

O que falou Barcellos após comunicar a saída de Coudet?

Inicialmente, em seu comunicado, Barcellos disse que a decisão da saída de Coudet foi tomada em comum acordo. Posteriormente, no entanto, admitiu que a iniciativa foi sua.

— Ouvimos o grupo. Quando você sente que não dá mais liga, tem que tomar a decisão. Começou a amadurecer há poucos dias. Foi uma decisão do clube, da qual o treinador compreendeu. Se não tomássemos a decisão, sábado com certeza o treinador estaria. Eu assumo a responsabilidade. Eu sei que tem muita gente que acha que não deveria sair — afirmou Barcellos.

Presidente entende que calendário apertado impedia Coudet de colocar em prática seu modelo de jogo

O presidente, que sempre gostou muito do trabalho de Coudet, e é amigo pessoal do treinador, entende que o modelo de jogo do argentino, caracterizado pela intensidade, não estava sendo aplicado devido ao contexto que o Inter enfrenta nesta temporada. As enchentes no Rio Grande do Sul fizeram com que o Colorado tivesse um calendário ainda mais apertado do que o habitual, e que jogasse cinco partidas como mandante longe do Beira-Rio.

— O contexto que a gente viveu neste ano está totalmente diferente do que a gente planejou. A enchente. Não é desculpa, mas jogamos 10, 12 jogos fora de casa. A questão física, vocês sabem a forma que o Coudet gosta do seu time, a intensidade. Não conseguimos ter isso. Quando se tem a convicção, como o Coudet tem, fica difícil de fazer aquele jogo. Ou fazemos o pacote todo, ou ficamos no meio do caminho — avaliou.

Internacional deve buscar treinador cujo modelo de jogo seja de menos intensidade

Até por conta disso, Barcellos deu a entender que o novo treinador terá um perfil diferente, com um modelo menos agressivo e de mais transição. Porém, o presidente não foi além disso.

— É difícil responder tudo isso agora. Saindo daqui agora vamos trabalhar. O clube já tem um banco de dados importantes, onde tem ali todas características dos treinadores. É um material extremamente técnico, que nos ajuda muito a filtrar. Nós continuamos procurando um modelo, que talvez não tenha tanta intensidade, porque esse calendário vai nos matar — disse.

Barcellos também destacou que o elenco do Inter foi montado com jogadores de qualidade e capacidade para atuar de diferentes formas. O presidente aposta nessa versatilidade do grupo de atletas para acreditar em reação com o futuro comandante.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho, formado em jornalismo pela PUC-RS e especializado em análise de desempenho e mercado pelo Futebol Interativo. Antes da Trivela, passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. Também é coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo