Brasil

Grêmio faz uma aposta em Borja, que tenta provar que fase no Palmeiras ficou para trás

Depois de empréstimo ao Junior Barranquilla, jogador chega do Palmeiras para ser o camisa 9 do Grêmio

Miguel Borja terá uma nova chance no Brasil. Aos 28 anos, o atacante assinou pelo Grêmio, em contrato de empréstimo até o fim de 2022. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, quando também foi apresentado. Será o novo camisa 9 do tricolor e terá a oportunidade de mostrar que a impressão ruim que ficou da sua passagem pelo Palmeiras ficou para trás. Ele quer repetir o bom desempenho que teve no Junior Barranquilla, seu clube de coração, onde recuperou o futebol e voltou até à seleção colombiana.

O atacante colombiano esteve emprestado ao Junior Barranquilla por um ano e meio, todo o ano de 2020 até junho de 2021. Teve bons números atuando por lá. Foram 55 jogos, com 33 gols marcados e seis assistências. Sua média de gols atuando por lá é alta: 0,59 gols por partida. Diego Souza, que vem muito bem, tem uma média ligeiramente inferior, de 0,53, com 15 gols em 28 jogos. É um empate técnico, mas mostra que o colombiano pode ser útil, até porque o próprio Diego Souza é um jogador bastante completo.

Suas atuações despertaram o interesse até de clubes como o Boca Juniors, que acabou não conseguindo sua contratação. O fim do empréstimo com o Junior Barranquilla deixou uma situação indefinida. Depois da Copa América que disputou pela Colômbia, Borja voltou ao Palmeiras, se apresentou e parecia que seria aproveitado. A rigor, com o retorno de Deyverson, já não havia a necessidade de manter o jogador. Veio a proposta do Grêmio e o acordo aconteceu relativamente rápido.

O técnico Luiz Felipe Scolari entrou em contato com Borja. Sentiu a confiança do treinador, com quem trabalhou no Palmeiras. Curiosamente, porém, Borja não teve um bom desempenho atuando sob o comando de Felipão. Acabou na reserva. Deyverson foi quem ficou com a posição de titular.

“Quero agradecer primeiramente a Deus por me permitir estar aqui no Brasil novamente, que considero a minha segunda casa. Agradeço a diretoria do Clube, que acreditou em meu potencial. Estou muito feliz e espero poder fazer muitos gols, história e ser campeão. Estar aqui é um sonho que estava em meu coração”, disse o jogador em sua coletiva de apresentação nesta quinta-feira.

“Felipão já conhece as minhas características e o que consigo fazer a cada partida. Sei que preciso me movimentar bem e vou trabalhar muito para isso”, disse o jogador. “Gosto muito de fazer jogadas em diagonais curtas, mas o que o professor me orientar, vou tratar de fazer”.

“O sonho é fazer muitos gols, fazer história, ser campeão. Tem a Copa do Brasil e Brasileirão, tem grandes expectativas para o que estava pensando, voltar a jogar com a seleção, é muito importante. Lembro de novo que o Grêmio, com o elenco que tem, vai conseguir continuar fazendo história”, continuou Borja.

“Faz dois ou três anos que falei que gostaria de jogar no Grêmio, pela história. Tem três Libertadores, não é fácil ser campeão, é a competição mais difícil do mundo. Estar aqui no Grêmio é um sonho que estava no meu coração”, disse.

O atual titular na posição para qual Borja foi contratado é Diego Souza. Um jogador muito técnico e forte, ele consegue fazer bem a função de pivô, é forte no jogo aéreo e ajuda muito no estilo de jogo que Felipão normalmente usa em seus times. Borja é um tipo de camisa 9 diferente. Ele é um jogador que gosta de atacar em velocidade, recebendo normalmente a bola por baixo, em projeção. É uma característica diferente e, até por isso, pode ser útil ao clube.

 

A passagem pelo Palmeiras deixou mesmo uma má impressão grande pela falta de futebol. O bom momento que ele vivia pelo Junior Barranquilla, por outro lado, deixou a sensação que talvez faltasse alguma coisa no Palmeiras para que o colombiano renderia.

Para ser emprestado, Borja renovou o contrato com o Palmeiras por 18 meses, o período de empréstimo ao Grêmio. Os salários serão integralmente pagos pelo clube gaúcho. É uma aposta de um time que precisa desesperadamente melhorar. Atualmente, o Grêmio está em 19º na tabela, dentro da zona do rebaixamento, junto com São Paulo, América Mineiro, um pouco acima, e Chapecoense, o último colocado.

Resta saber se Borja aproveitará a chance. Ao que tudo indica, o Grêmio oferece a ele um técnico que confiou e pediu sua chegada, a camisa 9 e muita confiança que ele pode seguir jogando bem, como foi no Junior Barranquilla e também na seleção colombiana, onde fez alguns bons jogos vindos do banco. Aos 28 anos, Borja não deve ter outra chance dessa em um clube do tamanho do Grêmio se a experiência não der certo.

 

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo