Brasil

Atuação ruim do Fluminense acende alerta sobre problemas em ‘Dinizismo versão 2024’

Fluminense tem final da Recopa no fim do mês e time titular apresenta falhas a serem corrigidas por Fernando Diniz

O Fluminense venceu mais uma, segue invicto e líder isolado do Campeonato Carioca. O time titular atuou em dois dos sete jogos, com duas vitórias, cinco gols marcados e apenas um sofrido. Pelos números, tudo parece normal. Mas como o próprio Fernando Diniz é contrário a utilização das estatísticas sem contexto, é importante frisar: o Tricolor repetiu problemas nos dois jogos contra adversários muito fracos.

A saída de Nino para o Zenit seria difícil de substituir para qualquer time. Mas o plano do Fluminense ainda não se mostrou efetivo. Com e sem a bola, o Tricolor se ressente do seu principal zagueiro, também um construtor de jogadas, na saída para o jogo, além, claro, da marcação. Mas Diniz não viu problemas na zaga.

— Felipe e Thiago fizeram dois bons jogos. Marlon está se recuperando, Antonio Carlos está conosco. Estou muito satisfeito. Muitas vezes uso o André, já utilizei o Martinelli também. O jogo pediu esse tipo de dinâmica. Ficamos com mais circulação de bola e agressividade no ataque — afirmou, em coletiva após o jogo.

Do meio para a frente, Arias segue sendo o grande destaque do Fluminense, mas Cano está menos eficiente do que nas últimas temporadas. Também, pudera: manter o nível de aproveitamento do argentino é tarefa hercúlea.

Ainda longe de sua melhor forma, o Fluminense tem a final da Recopa nos dias 22 e 29 de fevereiro. A primeira das quintas-feiras decisivas para o Tricolor é em duas semanas, e há pouco tempo para acertar esses ponteiros.

Saída de bola lenta do Fluminense irrita Fernando Diniz

Na beira do campo, Fernando Diniz não escondia a insatisfação com um dos pontos mais fortes de suas equipes: a saída de bola. Lenta e sem objetividade, a construção de jogadas do Flu não funcionava mesmo sem zagueiros de origem e com dois laterais técnicos em Guga e Marcelo.

A lentidão do Tricolor em sair do campo de defesa foi o principal motivo para a atuação ruim da equipe contra o Sampaio Corrêa. O time não tinha movimentação, e mesmo com Ganso recuando para organizar, faltava velocidade em André, Martinelli e nos laterais.

Visivelmente fora de forma, Marcelo mantém sua absurda qualidade com a bola nos pés, mas para jogar com superioridade numérica em seu lado, o Fluminense precisa que ele se movimente melhor. Se fazia a bola correr, o lateral era um ponto de parada quando mantinha a posse, o que atrapalhou a equipe.

Além disso, a falta de entrosamento da linha ficou clara em alguns momentos, mesmo com a bola. Thiago Santos, de bom passe para a posição, errou mais do que devia, assim como Felipe Melo. Com a inversão de lado, o veterano passou a participar menos do jogo, o que parece um equívoco dada sua qualidade com a bola nos pés.

Cano mantém média alta no Carioca, mas perde mais chances que de costume

O Campeonato Carioca é uma competição onde Germán Cano se acostumou a brilhar. Artilheiro da equipe e peça importantíssima no bicampeonato de 2022 e 2023, o argentino não repete a eficiência dos dois últimos anos até aqui. Falta ritmo de jogo.

Ainda assim, o argentino marcou um belo gol e deu a vitória ao Fluminense. Agora, são 19 gols em 12 jogos no Maracanã pelo Estadual. Cano marcou contra absolutamente todos os adversários do Tricolor que enfrentou no estádio, pelo Carioca, desde que chegou.

Douglas Costa tem estreia tímida no Fluminense

Reforço badalado para 2024, Douglas Costa teve pouco mais de 30 minutos em sua estreia pelo Fluminense. Contra um adversário fraco e retraído, o ponta entrou pela direita e esteve tímido. Arriscou alguns cruzamento e um chute sem direção, e não teve participação importante no jogo.

Ainda assim, mostrou a qualidade técnica esperada, distribuiu bons passes e se manteve bem aberto na ponta, provavelmente um pedido de Fernando Diniz para abrir a defesa do Sampaio Corrêa. O camisa 90 certamente terá mais chances para mostrar seu futebol.

— Eu tenho muita convicção que ele vai fazer uma grande temporada. Ele está desde outubro sem jogar. Foi uma estreia satisfatória. Dá para ver claramente que é um jogador de muita qualidade. Falta um pouco de timing de fazer as coisas, mas com o tempo ele vai readquirir. Estou muito feliz dele estar aqui. É um jogador de nível muito alto — opinou Diniz.

Como ele entrou pela direita, Arias foi deslocado para a esquerda, e quando combinou com Ganso, Renato Augusto e Marcelo (ou Diogo Barbosa) por ali, o Fluminense criou suas melhores chances. Keno terá um adversário e tanto pela posição.

Foto de Caio Blois

Caio Blois

Jornalista pela UFRJ, pós-graduado em Comunicação pela Universidad de Navarra-ESP e mestre em Gestão do Desporto pela Universidade de Lisboa-POR. Antes da Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo