Brasil

Diniz mostrou novamente que é diferente e pediu desculpas após polêmica no Fluminense

Técnico fez um pronunciamento após pesar a mão em coletiva pós-eliminação no Carioca e atendeu repórteres nesta quinta-feira

Um aviso de entrevista coletiva de Fernando Diniz para esta quinta-feira (21) deixou apreensivos os torcedores do Fluminense. Sem qualquer explicação, o técnico decidiu conversar com os jornalistas — e surpreendeu a quem não o conhece, mas o julga, ao pedir desculpas. Diniz inventou de novo, mas dessa vez, um momento para mostrar mais uma vez que é diferente.

Antes de iniciar as perguntas, o treinador fez um pronunciamento de cerca de um minuto e meio. A quarta frase dita por Diniz sintetizou o que seria a conversa de 45 minutos: “Queria iniciar pedindo desculpas”.

Ao solicitar ao Fluminense uma entrevista coletiva para se desculpar, Fernando Diniz foi também nobre. Reconhecer os erros pode ser normal na maioria dos mercados de trabalho, mas não é comum, nesta medida, no futebol — ainda mais para treinadores. Se pesou a mão após a eliminação do Flu no Carioca, ele tirou o pé das críticas que fez.

Após chamar alguns jornalistas de “falsos tricolores” e veículos de “blogzinhos”, Diniz voltou atrás em parte de suas críticas. Ainda que sustente algumas de suas discordâncias à forma com que a imprensa se posiciona no futebol brasileiro, o treinador admitiu que errou a mão no tom e em algumas palavras.

— Quero pedir desculpas pelo tom agressivo com que me dirigi em alguns momentos, e também pela generalização que fiz à imprensa. Dei uma generalizada, coisa que não gosto. Tenho uma relação (com a imprensa) que considero muito positiva, até especial — afirmou Diniz.

Diniz relembrou primeira passagem no Fluminense

Como jogador do Fluminense, Fernando Diniz foi campeão carioca e peça importante de um time que quase tirou o Tricolor da fila de conquistas nacionais por duas vezes. Já a sua primeira passagem como treinador, quando acumulava críticas pelo jeito diferente de enxergar o futebol, não foi como o esperado.

O Flu até tinha lampejos de boa performance, mas as coisas não davam certo. Os resultados não chegavam, e já eliminado nas semifinais do Carioca e na Copa do Brasil, o Tricolor brigava para não cair no Campeonato Brasileiro. Diniz foi demitido, mas mesmo assim, boa parte da torcida protestou — e o técnico nunca esqueceu disso.

— Desde 2019, quando trabalhei aqui pela primeira vez, e depois na minha volta em 2022. Há muitos aqui que são muito sérios, muito bons. Alguns tricolores, outros não, mas que cobrem o Fluminense e o futebol com muita seriedade. E blogueiros também. Muita gente séria, e muita gente que se aproveita do momento ruim para criar coisas que acho desnecessárias para o Fluminense e o ambiente do futebol como um todo — afirmou.

Fernando Diniz conquistou Libertadores, Recopa Sul-Americana e Campeonato Carioca pelo Fluminense desde 2022 - Foto: MARCELO GONÇALVES /FLUMINENSE FC
Fernando Diniz conquistou Libertadores, Recopa Sul-Americana e Campeonato Carioca pelo Fluminense desde 2022 – Foto: MARCELO GONÇALVES /FLUMINENSE FC

Na segunda passagem, desde 2022, Diniz já conquistou Campeonato Carioca, Copa Libertadores e Recopa Sul-Americana. Técnico e clube fazem para sempre parte da história um do outro.

Diniz projeta Libertadores e ano vencedor para o Fluminense em 2024

Ao responder perguntas, Fernando Diniz viu os jornalistas questionarem o trabalho dentro e fora de campo do Fluminense. A temporada de 2024, principalmente com a disputa da Libertadores, foi um tópico importante da coletiva.

Fernando Diniz nos braços da torcida após o Fluminense conquistar o título da Libertadores (Foto: Icon Sport)
Fernando Diniz nos braços da torcida após o Fluminense conquistar o título da Libertadores (Foto: Icon Sport)

Apesar do Flu ser o atual campeão da competição, Diniz não considera seu time favorito a conquistar a taça novamente. E discordou de quem viu um sorteio favorável para o Tricolor.

— Nunca acho o Fluminense favorito a nada. A base do time é um time que tem que ter fome e humildade, saber respeitar os adversários. O Alianza Lima está indo para a 30ª Libertadores, o Fluminense para a décima. Pegamos três times extremamente cascudos e acostumados a jogar essa competição. Não tem absolutamente nada fácil, e vai exigir do Fluminense tanto ou mais do que o ano passado. Isso é o que temos internamente. Não é discurso, é uma prática diária. Três adversários muito duros e tradicionais, que vão ter nosso respeito máximo. Já estão tendo — declarou.

Sobre o planejamento e as contratações, o treinador vê um elenco mais forte para a disputa de todas as competições na temporada, algo que não aconteceu em 2023.

— É a intenção de ter time mais robusto. Lembrar ano passado, tivemos jogos na Copa do Brasil que lançamos mão de jogadores jovens, Isaac, Artur, Giovani. Quando lança da base, mais fácil o time mais redondo. Com elenco mais abastecido, de peso, a gente aumenta nossa chance de levar o time adiante em outras frentes.

Próximos jogos do Fluminense

  • Alianza Lima x Fluminense – Libertadores – quarta, 3 de abril – 21h30 (de Brasília)
  • Fluminense x Bragantino – Campeonato Brasileiro – sábado, 13 de abril – horário a definir
Foto de Caio Blois

Caio Blois

Caio Blois nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e se formou em Jornalismo na UFRJ em 2017. É pós-graduado em Comunicação e cursa mestrado em Gestão do Desporto na Universidade de Lisboa. Antes de escrever para Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo