Brasil

Casal registra gêmeas com Flu no nome e elas já nasceram campeãs pelo Fluminense

Casal que se formou nas arquibancadas dá luz às gêmeas Clara Flu e Alice Flu, e elas já comemoraram um título em 2024

O momento de glória do Fluminense que começou em 2023 fez a torcida viver uma lua de mel com o time. Não à toa, um casal que se formou nas arquibancadas do Maracanã decidiu eternizar o amor pelo Tricolor em suas filhas. Ramon Oya e Larissa Coutinho são os pais de Clara Flu e Alice Flu, as gêmeas que levam o nome do clube do coração.

A ideia surgiu naturalmente. Fanático pelo Fluminense, o casal se conheceu em jogos do clube no Rio de Janeiro, e quando a gravidez de Larissa chegou, Ramon sugeriu que o Tricolor estivesse também no nome das filhas. A essa altura, já se sabiam que eram duas meninas gêmeas.

— No começo, até meio de brincadeira, pensamos em alguma coisa como Germana, Joana Kennedy (risos), algum jogador. Depois, pensamos em colocar Fluminense ou Flu. Partiu de mim, sim, mas ela aprovou. Na primeira vez, ela falou ‘você está maluco!', que não era muito legal… Mas com o tempo ela começou a dar ideias e foi vendo nomes para juntar com Flu até que decidi, decidimos os nomes e aí virou Clara Flu e Alice Flu — conta Ramon Oya, o pai das gêmeas Flu.

Clara Flu e Alice Flu já estão em casa sob o cuidado dos pais, fanáticos pelo Fluminense - Foto: Acervo Pessoal
Clara Flu e Alice Flu já estão em casa sob o cuidado dos pais, fanáticos pelo Fluminense – Foto: Acervo Pessoal

Gêmeas nasceram ‘pé-quentes' para o Fluminense

O nascimento foi em 14 de fevereiro de 2023. Gêmeas, elas precisaram de cuidados especiais e ficaram mais tempo no hospital para ganhar peso, até que foram liberadas para casa em 2 de março. Entre uma coisa e outra, elas se mostraram pé-quentes — na barriga de Larissa, já haviam “conquistado” a Libertadores em 2023.

Alice Flu e Clara Flu foram registradas com o Fluminense eternizado em seus nomes - Foto: Acervo Pessoal
Alice Flu e Clara Flu foram registradas com o Fluminense eternizado em seus nomes – Foto: Acervo Pessoal

Isso porque, em 29 de fevereiro, quando ainda tinham 15 dias de vida, Clara Flu e Alice Flu “viram” o Fluminense ser campeão da Recopa Sul-Americana, um título internacional e inédito. E os pais estavam no Maracanã graças aos cuidados do hospital.

— Elas ainda precisavam ficar no hospital, com monitoramento por 24h. A gente não ia ao estádio desde a final da Libertadores e queríamos muito ir. Conseguimos com a ajuda da família. Estivemos no Maracanã e vimos o Fluminense campeão, elas foram pé-quentes — afirmou o pai, que complementa — Agora, com elas em casa, vai ficar difícil (risos), vamos dar um tempo.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Lari (@coutinho_lari)

Pais já querem levar Clara Flu e Alice Flu ao Maracanã

Ao nascerem, as duas meninas ainda precisavam ganhar peso. A situação era controlada, mas exigia cuidados. Clara nasceu com 1,5kg, e Alice com 1,8kg. Elas precisavam passar ao menos dos 2 kg para serem liberadas pelo hospital, o que aconteceu em março.

campeãs da Recopa Sul-Americana, as gêmeas se mostraram, também, campeãs na vida.

— Elas ficaram com indicação de ficar na UTI recebendo cuidados e alimentação especial. Foram momentos intensos, claro, difíceis, mas confiamos nos médicos e tudo correu bem, foram ótimos. Elas se mostrara fortes. Assim que elas ganharam peso e chegaram a 2,1kg cada uma, no sábado (2), elas saíram e estão em casa, ganhando peso. Estão bem, 100% — disse o pai.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Lari (@coutinho_lari)

Agora, a expectativa é que as meninas passem pelas vacinas necessárias após os dois meses de vida. Não só por questões de saúde, mas para realizar o sonho de Ramon e Larissa de levar as filhas ao Maracanã, lugar onde se conheceram e escreveram as páginas da história de amor que vivem.

— Depois das vacinas de dois meses já podemos levar ao estádio e estamos loucos para fazer isso. Meados de abril, quase maio. Sempre falamos que ia levar desde novinho, muita gente quer conhecer, a gente quer voltar a ir aos jogos também, então vai ser legal. Durante toda a gestação estivemos lá, mesmo grávida, só não viajamos. Estamos loucos para voltar — afirmou Larissa.

Foto de Caio Blois

Caio Blois

Caio Blois nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e se formou em Jornalismo na UFRJ em 2017. É pós-graduado em Comunicação e cursa mestrado em Gestão do Desporto na Universidade de Lisboa. Antes de escrever para Trivela, passou por O Globo, UOL, O Estado de S. Paulo, GE, ESPN Brasil e TNT Sports.
Botão Voltar ao topo